A utilização da técnica scaffolding por aprendizes de língua inglesa: características do uso em um ambiente virtual de aprendizagem

Autores

  • Rangel Peruchi Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.6.1.133-145

Palavras-chave:

Sociointeracionismo. Scaffolding. Interlíngua. Episódios Relacionados à Língua.

Resumo

Este artigo apresenta uma investigação sobre a técnica Scaffolding utilizada por sete aprendizes de nível básico de uma plataforma de ensino a distância utilizada por oficiais do Exército Brasileiro. Baseamo-nos na teoria sociointeracionista para a análise das interações realizadas por tais aprendizes em uma aula-chat. Além disso, buscamos averiguar a maneira pela qual os aprendizes interagem com o tutor para se certificar do uso do artigo the em ambientes linguísticos anteriormente estudados. Objetiva-se com isso averiguar em que medida o ambiente virtual se assemelha ao uso dos episódios relacionados à língua quando comparados a um ambiente físico. A análise dos dados aponta que, diferentemente daquilo que se acreditava inicialmente, a interação entre os aprendizes é esparsa, sendo o tutor a voz mais saliente nessa modalidade de ensino. Entretanto, os aprendizes parecem fazer uso das interações entre os colegas e o tutor para o reordenamento de seu conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rangel Peruchi, Universidade Federal Fluminense

Tendo graduado em Letras Inglês pela Universidade Federal do Paraná, segui meus estudos com uma especialzação em Ensino de Línguas Estrangeiras Modernas pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Em busca de um aprofundamento nos meus estudos graduei-me em Estudos Línguisticos pela Universidade Federal do Paraná ingressando concomitantemente no ensino universitário na Universidade Estadual do Centro-Oeste. Pouco tempo antes de ingressar no doutorado pela Universidade Federal Fluminense, lecionei na Universidade Estadual do Paraná. Atualmente, sigo meus estudos de doutorado na universidade já mencionada.

Referências

BYGATE, M.; SKEHAN, P.; SWAIN, M. Researching pedagogic tasks: second language learning, teaching and testing. London: Longman, 2001.

COLE, M., JOHN-STEINER, V., SCRIBNER, S., & SOUBERMAN, E. (Eds.). L. S. Vygotsky, Mind in society: The development of higher processes. Cambridge, MA: Harvard University Press. 1978.

CRESWELL, J.W. Research design: qualitative e quantitative approaches. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 1994.

DONATO, R. & D. McCormick. A sociocultural perspective on language learning strategies: The role of mediation. Modern Language Journal, 78/4. p. 453-464. 1994.

DONATO, R. Sociocultural contributions to understanding the foreign and second language classroom. In: LANTOLF, J. P. (Ed.) Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press. p. 27-50. 2000.

KRASHEN, Stephen. Principles and Practice in Second Language Acquisition. Prentice-Hall International, 1987.

LANTOLF, J. P. (Ed.) Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press, 2000.

MARCUSCHI, L. A; XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MCCAFFERTY, S, G. Gestures and creating zones of proximal development for second language learning. The modern Language Journal, 86. p. 192-203. 2002.

MURANOI, Hitoshi. Focus on Form Through Interaction Enhancement: Integrating Formal Instruction into a Communicative Task in EFL Class room. Language Learning 50:4, December 2000. p. 617-673.

OHTA, A. Rethinking interaction in SLA: Developmentally appropriate assistance in the zone of proximal development and the acquisition and L2 grammar. In: LANTOLF, J. L. (Ed.), Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press. p. 51-78. 2000.

PAIVA, V. L. M. Interação e aprendizagem em ambiente virtual. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 2001.

PICA, Teresa. Second language acquisition, Social interaction, and the classroom. In: Applied Linguistics, vol. 8, no 1. Oxford: Oxford University Press. 1997.

PIENEMANN, M. Psychological constraints on the teachability of languages. Studies in Second Language Acquisition 6. p. 186-214. 1984.

SWAIN, M.; LAPKIN, S. Interaction and second language learning: Two adolescent French immersion students working together. Modern Language Journal, v. 82. p. 320-337. 1998.

SWAIN; M.; LAPKIN, S. Focus on form through collaborative dialogue: exploring task effects. In: BYGATE, M.; SKEHAN, P.; SWAIN, M. Researching pedagogic tasks: second language learning, teaching and testing. London: Longman. p. 98-118. 2001.

VANPATEN, B. Input processing and grammar instruction. New York: Ablex, 1996.

VYGOTSKY, L. S. Thought and Language. Cambridge, MA: MIT Press, 1986.

WELLS, G. Talk about Text: Where Literacy is Learned and Taught. Curriculum Inquiry, 20(4). p. 369-405. 1990.

Downloads

Publicado

2013-07-03

Como Citar

PERUCHI, R. A utilização da técnica scaffolding por aprendizes de língua inglesa: características do uso em um ambiente virtual de aprendizagem. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 6, n. 1, p. 133–145, 2013. DOI: 10.17851/1983-3652.6.1.133-145. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16635. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia