A importância do design para tornar as redes sociais mais interativas

Autores

  • Bruno Cesar Soares Santos

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.6.1.150-164

Palavras-chave:

Redes sociais. Design de interação. Usabilidade. Facebook. User experience.

Resumo

A concepção do design é uma das etapas mais importantes da construção de websites, por ordenar as informações e os componentes visuais das páginas de forma a articular um sistema de eficiente e fácil utilização. No caso das Redes Sociais On-line, que são sites com a proposta de promover a interação social e favorecer a comunicação entre usuários em vários contextos (pessoais, profissionais ou mais específicos), o design deve ser concebido levando-se em conta alguns conceitos e necessidades peculiares. Garantir usabilidade na relação pessoa x máquina e interação entre os seus usuários são necessidades que só serão supridas por meio de uma interface construída pensando-se na experiência de quem utilizará a rede, tarefa que cabe ao designer. Este artigo investiga a importância do design de interação com foco em usabilidade, no cumprimento da tarefa descrita anteriormente, e apresenta ocase do uso do design no Facebook, a rede social mais acessada do mundo. Como complemento, o estudo pontua algumas inconsistências e necessidades latentes no design dos sites de redes sociais e lista os pontos positivos e potencialidades que eles apresentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Cesar Soares Santos

Graduado em Comunicação Social com ênfase em Publicidade e Propaganda. Pós-graduado em Mídias Sociais e Gestão da Comunicação Digital.

Referências

ALTERMANN, D. Qual a diferença entre redes sociais e mídias sociais? In: Midiatisno [blog], 06 set. 2010. Disponível em: http://www.midiatismo.com.br/comunicacao-digital/qual-a-diferencaentre-redes-sociais-e-midias-sociais. Acesso em: 20 nov. 2011.

ARNOLD, T. C. Além da interação homem-computador: O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final. 2010. Disponível em: http://www.designemartigos.com.br/wp -content/uploads/2010/07/design_de_interacao.pdf. Acesso em: 19 dez. 2011.

BARANAUSKAS, M. C. C.; HORNUNG, H.; MARTINS, M. C.. Design Socialmente Responsável: Desafios de Interface de Usuário no Contexto Brasileiro. In: SEMISH, SEMINÁRIO INTEGRADO DE SOFTWARE HARDWARE, 35. / CONGRESSO DA SBC SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, 28., 2008, Belém. Anais..., Belém: SBC, 2008. p. 91-105.

Disponível em: http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/semish/2008/007.pdf. Acesso em: 15 nov. 2011.

BELTERSEN O. W. Tertiary Artefactness at the Interface. In: FISHWICK, P. (ed). Aesthetic Computing. Cambridge, MA: MIT Press. 2006. p. 357-368.

BOYD, D. B.; ELLISON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, Indiana University School of Library & Information Science, Indianápolis, Indiana (E.U.A.), v. 13. n. 1, 2007. Disponível em: http://www.danah.org/papers/JCMCIntro.pdf. Acesso em: 22 nov. 2011.

DIAS, Cláudia. Usabilidade na Web: criando portais mais acessíveis. 2. ed. Rio de Janeiro: Atlas Books, 2007.

ELLISON, N. B.; LAMPE, C.; STEINFIELD, C. Feature Social Network Sites and Society: Current Trends and Future Possibilities. In: ACM Interactions, v. 16, n. 1, p. 6-9, 2009. Disponível em: http://dl.acm.org/citation.cfm?doid=1456202.1456204. Acesso em: 08 jan. 2012.

FACEBOOK. Disponível em: http://www.facebook.com. Acesso em: 10 dez. 2011.

GOOGLE+. Disponível em: http://www.plus.google.com. Acesso em: 10 dez. 2011.

GOTTFREDSON, L. Mainstream science on intelligence: an editorial with 52 signatories, history and bibliography. Intelligence, Norwood, v. 24, n. 1, p. 13-23, Special issue 1997. Disponível em: http://www.nazi.org.uk/ScienceAndAcademia/Gottfredson-MainstreamScienceOnIntelligenceAnEditorialWith52Signatories.pdf. Acesso em: 23 mai. 2013.

JANA, R. Facebook’s Design Strategy: A Status Update. Design Mind. 2011. Disponível em: http://designmind.frogdesign.com/articles/facebook-s-design-strategy-a-statusupdate.html#/images/dm/issues/the-connective-issue/articles/facebook/facebook-slide-1.jpg. Acesso em: 10 jan. 2012.

LÉVY, P. A Inteligência Coletiva: Por uma antropologia do ciberespaço. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 1998. 212 p.

LINKEDIN. Disponível em: http://www.linkedin.com. Acesso em: 15 dez. 2011.

LONG, N. Development Sociology: actor perspectives. London and New York: Routledge, 2001. 293 p.

MCCARTHY, J.; WRIGHT, P. Technology as experience. Cambridge, MA: MIT Press, 2004.

MISLOV, A.; MARCON, M.; GUMMADI, K. P.; DRUSCHEL, P.; BHATTACHARJEE, B. Measurement and Analysis of Online Social Networks. In: ACM SIGCOMM CONFERENCE ON INTERNET MEASUREMENT, 7., 2007, San Diego, Califórnia (E.U.A.). Proceedings… San Diego, Califórnia (E.U.A.): ACM SIGCOMM; USENIX, 2007. p. 29-42. Disponível em: http://conferences.sigcomm.org/imc/2007/papers/imc170.pdf. Acesso em: 20 dez. 2011.

MYSPACE. Disponível em: http://br.myspace.com. Acesso em: 14 dez. 2011.

NIELSEN, J. Ten Usability Heuristics. 2001. Disponível em: http://www.useit.com/papers/heuristic/heuristic_list.html. Acesso em: 24 dez. 2011.

NIELSEN COMPANY. Global Faces and Networked Places: a Nielsen Report on Social Networking’s New Global Footprint. 2009. Disponível em: http://blog.nielsen.com/nielsenwire/wp-content/uploads/2009/03/nielsen_globalfaces_mar09.pdf. Acesso em: 25 nov. 2011.

NIELSEN & NM INCITE. State of the Media: The Social Media Report – q3, 2011. 2011. 13 p. Disponível em: http://cn.nielsen.com/documents/Nielsen-Social-Media-Report_FINAL_090911.pdf. Acesso em: 10 dez. 2011.

NORMAN, D. Emotion and design: Attractive things work better. Interactions Magazine, ix (4). 2002. p. 36-42.

NORMAN, D. Emotional design: why we love (or hate) everyday things. NewYork: Basic Books, 2004.

NORMAN, D. O design do dia-a-dia. Tradução de Ana Deiró. São Paulo: Rocco, 2006.

OLIVEIRA, A. L. B. A melhor interação entre o homem e a máquina. In: Revista Custo Brasil. Rio de Janeiro, ano 4, n. 21, p. 36-40, 2009. Disponível em: http://www.revistacustobrasil.com.br/21/pdf/04.pdf. Acesso em: 25 nov. 2011.

PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de Interação: Além da Interação homem computador. Tradução de Viviane Possamai. Porto Alegre: Bookman, 2005. 548 p.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet: considerações iniciais. 2004. 15 p. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/recuero-raquel-redes-sociais-na-internet.pdf. Acesso em: 10 fev. 2012.

REE, M.; EARLES, J. Predicting training success: not much more than g. Personnel Psychology, Durham, v. 44, n. 2, p. 321-332. Summer 1991. Disponível em:

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1744-6570.1991.tb00961.x/abstract. Acesso em: 24 mai. 2013.

SANTANA, V. F.; MELO-SOLARTE, D. S.; NERIS, V. P. A.; MIRANDA, L. C. de;

BARANAUSKAS, M. C. C. Redes Sociais Online: Desafios e Possibilidades para o Contexto Brasileiro. In: SEMINÁRIO INTEGRADO DE SOFTWARE E HARDWARE (SEMISH), 36. /CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO (CSBC), 29. 2009, Bento Gonçalves. Anais..., Bento Gonçalves: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. p. 339-353. Disponível em: http://metropoa.inf.ufrgs.br/anais/pdf/semish/st04_04.pdf. Acesso em: 12 nov. 2011.

SKOOB. [página de internet]. Disponível em: <http://www.skoob.com.br/>. Acesso em: 12 dez. 2011.

TWITTER. Disponível em: http://www.twitter.com. Acesso em: 12 dez. 2011.

VAN AMSTEL, F. Design de redes sociais baseado em psicologia e sociologia. Minicurso de Design de Redes Sociais. Instituto Faber-Ludens de Design de Interação. 2011. Disponível em: http://www.slideshare.net/usabilidoido/design-redes-sociais?from=ss_embed. Acesso em 02 nov. 2011.

WARZEL, C. What People Are Actually Doing On The Internet In 2013. BuzzFeed. 02 mai. 2013. Disponível em: http://www.buzzfeed.com/charliewarzel/what-people-are-actually-doing-on-theinternet-in-2013. Acesso em: 24 mai. 2013.

Downloads

Publicado

2013-06-17

Como Citar

SANTOS, B. C. S. A importância do design para tornar as redes sociais mais interativas. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 6, n. 1, p. 150–164, 2013. DOI: 10.17851/1983-3652.6.1.150-164. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16637. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Comunicação e Tecnologia