A gestão democrática no Plano de Desenvolvimento Institucional dos Institutos Federais

uma análise a partir do uso do software IRaMuTeQ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3652.2022.37294

Palavras-chave:

Gestão democrática, IRaMuTeQ, Instituto Federal

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar uma metodologia inovadora em pesquisa qualitativa utilizada numa pesquisa de pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica. Identificamos a apropriação do termo “gestão democrática” nos Planos de Desenvolvimento Institucionais (PDI) dos Institutos Federais da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica do Brasil, a partir de duas premissas: a primeira supõe que em uma instituição criada 20 anos após a Constituição Federal de 1988, o conceito de “gestão democrática” é exercido em sua totalidade e está presente em seu principal documento de planejamento institucional; a segunda é a de que o conceito traz a semântica diretamente relacionada com a dimensão política e pedagógica da gestão escolar, reforçando o tripé ensino, pesquisa e extensão. Tudo isso é resultado de uma instituição educacional comprometida com a formação cidadã e voltada para o mundo do trabalho. Para esta análise, utilizou-se o software IRaMuTeQ como ferramenta de apoio na análise de textos. Avaliou-se, também, a usabilidade da ferramenta para esta tarefa. Este estudo analisou os PDI de 38 Institutos Federais, publicados entre 2014 e 2020 em seus respectivos sites institucionais. A partir das técnicas de Classificação Hierárquica Descendente (CHD), Análise de Similitude e Análise Fatorial por Correspondência (AFC), buscou-se entender como o conceito gestão democrática está materializado e quais são as conexões lexicais nos documentos. Concluiu-se que os PDI são documentos importantes e refletem o entendimento da instituição a cerca do conceito de gestão democrática. As premissas se mostraram parcialmente verdadeiras. Quando foram analisadas as conexões lexicais, o conceito de gestão democrática se mostrou insipiente ou ainda desconectado de outros conceitos com os quais esperava-se dialogar. Esse resultado fomenta a necessidade de novas análises para compreender melhor o fenômeno. Também se confirmou, neste trabalho, o potencial de uso dos recursos técnicos do IRaMuTeQ como ferramenta metodológica em pesquisas qualitativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvani da Silva, Instituto Federal Catarinense, Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica, Blumenau, SC, Brasil

Possui graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2004). Especialização em Gestão Escolar pela Faculdade Educacional da Lapa - FAEL (2017). Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica/Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Catarinense - IFC (Em andamento). Atualmente é pedagogo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - IFC Campus São Francisco do Sul. Tem experiência na área de Educação em ambiente de privação de liberdade e Educação Profissional e Tecnológica.

Eduardo Augusto Werneck Ribeiro, Instituto Federal Catarinense, Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica, Blumenau, SC, Brasil

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999), mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (2011). Atualmente é professor do Instituto Federal Catarinense (IFC). Docente permanente dos mestrados profissionais: Educação Profissional e Tecnológica - ProfEPT (Blumenau) e Tecnologia e Ambiente (Araquari). 

Referências

BARDINI, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BÔAS FILHO, O. V. Democracia: a polissemia de um conceito político fundamental. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 108, p. 651–696, nov. 2013. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67999. Acesso em: 4 abr. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. [S.l.: s.n.], 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 4 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. [S.l.: s.n.], 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em: 4 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. [S.l.: s.n.], 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 4 abr. 2022.

DINIZ JÚNIOR, C. A.; CARDOSO, P. P. S. Os conselhos escolares como estratégia para o fortalecimento da democracia no espaço da escola. Revista de Administração Educacional, v. 10, n. 1, p. 69–81, set. 2019. DOI: 10.51359/2359-1382.2019.242652. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/ADED/article/view/242652. Acesso em: 4 abr. 2022.

DOURADO, L. F. (Org.). Gestão escolar democrática: a perspectiva dos dirigentes escolares da rede municipal de ensino de Goiânia/GO. Goiânia: Alternativa, 2003.

DOXSEY, J. R.; DE RIZ, J. Metodologia da pesquisa científica. Espírito Santo: Escola Superior Aberta do Brasil (ESAB), 2002.

FERNANDES, A. O. F. A construção da cidadania como instrumento de exercício dos direitos e garantias do indivíduo no estado democrático de direito. In: CONSTRUÇÃO da cidadania e constituição. Leme: Editora & Pensamentos e Letras, 2009. p. 23–46.

FREIRE, P. Educação como prática para a liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 4. ed. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, P. Professora sim, tia não. Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 1993.

HOLANDA, B. Teoria dos grafos. 2017. Acesso em: 13 abr. 2022.

LEBLANC, J.-M. Proposition de protocole pour l’analyse des données textuelles : pour une démarche expérimentale en lexicométrie. Nouvelles perspectives en sciences sociales, v. 11, n. 1, p. 25–63, abr. 2016. DOI: 10.7202/1035932ar. Disponível em: https://www.erudit.org/fr/revues/npss/2015-v11-n1-npss02446/1035932ar/. Acesso em: 4 abr. 2022.

LOURENÇO, Z. F. Dos conselhos de classe aos conselhos participativos de classe: o papel na escola pública e a relação com as políticas educacionais que se afirmam democráticas. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós Graduados em Educação: História, Política, Sociedade – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LUCK, H. A gestão participativa na escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. (Cadernos de gestão).

MARCHAND, P. Quelques traces chronologiques de l’exploration textométrique. Bulletin of Sociological Methodology/Bulletin de Méthodologie Sociologique, v. 120, n. 1, p. 38–46, out. 2013. DOI: 10.1177/0759106313497856. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0759106313497856. Acesso em: 4 abr. 2022.

OLIVEIRA, D. C. et al. Estudo das representações sociais através de duas metodologias de análise de dados. Revista de Enfermagem da UERJ, v. 11, n. 3, p. 317–327, 2003.

PARO, V. H. A gestão da educação ante as exigências de qualidade e produtividade da escola pública. In: A escola cidadã no contexto da globalização. Perópolis, RJ: Ed. Vozes, 1998.

PÉLISSIER, D. Initiation à la lexicométrie: approche pédagogique à partir de l’étude d’un corpus avec le logiciel Iramuteq. [S.l.]: IDETCOM – Université Toulouse, 2017.

POGREBINSCHI, T. Entre representação e participação: as conferências nacionais e o experimentalismo democrático brasileiro. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 2010. (Pensando o Direito).

RATINAUD, P. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires – 0.7 alpha 2. [S.l.: s.n.], 2014. Disponível em: http://www.iramuteq.org/. Acesso em: 5 abr. 2022.

REINERT, M. Un logiciel d’analyse lexicale: Alceste. Cahiers de l’analyse des données, v. 11, n. 4, p. 471–484, 1986.

REINERT, M. Une méthode de classification descendante hiérarchique: application à l’analyse lexicale par contexte. Les cahiers de l’analyse des données, v. 8, n. 2, p. 187–198, 1983.

SALEM, A. Segments répétés et analyse statistique des données textuelles. Histoire & Mesure, v. 1, n. 2, p. 5–28, 1986.

SILVA, C. J. R. Institutos Federais: lei 11.892, de 29/12/2008, comentários e reflexões. [S.l.]: IFRN, 2009.

SILVA, S.; RIBEIRO, E. A. W. O software Iramuteq como ferramenta metodológica para análise qualitativa nas pesquisas em Educação Profissional e Tecnológica. Tech. Soc., v. 14, n. 2, p. 275–284, jun. 2021.

SOUZA, A. R. de. As condições de democratização da gestão da escola pública brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 27, n. 103, p. 271–290, jun. 2019. DOI: 10.1590/s0104-40362018002601470. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362019000200271&tlng=pt. Acesso em: 5 abr. 2022.

SOUZA, M. A. R. et al. O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 52, p. 271–290, out. 2018. DOI: 10.1590/s1980-220x2017015003353. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342018000100444&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 5 abr. 2022.

VEIGA, I. P. A. A escola em debate: gestão, projeto político-pedagógico e avaliação. Revista Retratos da Escola, v. 7, n. 12, p. 159–166, jun. 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-13

Como Citar

SILVA, S. da; RIBEIRO, E. A. W. A gestão democrática no Plano de Desenvolvimento Institucional dos Institutos Federais: uma análise a partir do uso do software IRaMuTeQ. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 15, p. e37294, 2022. DOI: 10.35699/1983-3652.2022.37294. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/37294. Acesso em: 10 ago. 2022.