Diferentes tipos de sacos para análise da digestibilidade in vitro do farelo de girassol / Different bag types for analysis of sunflower meal in vitro digestibility

Autores

  • Alessandro Lara de Carvalho Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Sarah Silva Silva Santos Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Ana Karoline de Jesus Vieira Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Diego Santana Costa Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Débora Evellin Gonçalves França Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Sérgio Murilo Duarte Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Amália Saturnino Chaves Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG
  • Luciana Castro Geraseev Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG http://orcid.org/0000-0001-8926-0367

Palavras-chave:

Palavras-chave, Coproduto. Filter Bag. Helianthus annuus. TNT. Keywords, By-product. Filter Bag. Helianthus annuus L. NWT.

Resumo

Resumo: A digestibilidade in vitro é uma valiosa ferramenta para se inferir o valor nutricional de alimentos para ruminantes. Objetivou-se avaliar a digestibilidade in vitro da matéria seca e fibra em detergente neutro do farelo de girassol utilizando sacos Filter Bag F57 (Ankon®) e sacos confeccionados com tecido não tecido (TNT - 100 g/m2). O trabalho foi conduzido no Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais, localizado em Montes Claros/MG. Para a determinação da digestibilidade in vitro foi utilizada a incubadora da Tecnal TE-150, seguida de digestão com pepsina conforme proposto por Tilley e Terry (1963). O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado em arranjo fatorial com quatro níveis de inclusão de farelo de girassol (0%,16,7%,33%,50%) e dois tipos de tecidos (Filter Bag F57  (Ankon®) e TNT) com 3 repetições em cada tratamento. A digestibilidade in vitro da matéria seca apresentou redução com a inclusão do farelo de girassol e diferiu em função do tipo de tecido utilizado, sendo que o TNT superestimou os valores de digestibilidade da matéria seca MS em relação ao Filter Bag 57. A digestibilidade in vitro da fibra em detergente neutro reduziu com a inclusão de farelo de girassol, mas não foi observada  diferença entre os tipos de tecidos, podendo o TNT ser utilizado para substituir o Filter Bag F57 (Ankon®) nesta análise.

 

Abstract:  The in vitro digestibility is a valuable tool for inferring the nutritional value of feed for ruminants. The objective was to evaluate in vitro dry matter and neutral detergent fiber digestibility of sunflower meal using Filter Bag F57 (Ankon®) and filter made with non-woven textile (NWT - 100 g/m2). The work was conducted at the Institute of Agricultural Sciences of UFMG, located in Montes Claros / MG. In order to determine the in vitro digestibility the in vitro incubator TE-150 (Tecnal), followed by pepsina digestion (Tilley and Terry, 1963) was used. The experimental design was completely randomized in factorial arrangement with four levels of inclusion of sunflower meal (0%, 16,7%, 33%, 50%) and two types of bags (Filter Bag F57 (Ankon®) and NWT) with 3 repetitions each treatment. The in vitro digestibility of the dry matter showed reduction with inclusion of sunflower meal and differed in function of the type of bag used. NWT overestimated the DM digestibility values in relation to Filter Bag 57. The in vitro digestibility of the fiber in neutral detergent showed reduction with inclusion of sunflower meal, but no difference was observed between the types of bags, and NWT can be used to replace the Filter Bag F57 (Ankon®) in this analysis.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Lara de Carvalho, Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG

Zootecnia, Nutrição de Ruminantes

Luciana Castro Geraseev, Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG

Zootecnia, Nutrição de Ruminantes

Referências

CASALI, A. O. et al. Estimação de teores de componentes fibrosos em alimentos para ruminantes em sacos de diferentes tecidos. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v.38, n.1, p.130-138, 2009.

CANESIN, R.C.; FIORENTINI, G.; BERCHIELLI, T.T. Inovações e desafios na avaliação de alimentos na nutrição de ruminantes.. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, Salvador, v.13, n.4, p. 938-953, 2012.

CICHOSKI, E. et al. Diferentes tipos de sacos para análise da digestibilidade in vitro de forrageiras. Archivos de Zootecnia, Cordoba, v. 58, n. 224, p. 749-752, 2009.

DETMANN, E. et al. Métodos de para análise de Alimentos. Visconde do Rio Branco: Universidade Federal de Viçosa, 2012. 214p.

KUWAHARA, F.A. et al. Avaliação de digestibilidade in situ de alfafa em diferentes moagens e tecidos. Acta Scientiarum. Animal Sciences, Maringá, v.38, n.1, p.37-43, 2016.

JUNG, H. G.; ALLEN, M. S. Characteristics of plant cell walls affecting intake and digestibility of forages by ruminants. Journal of Animal Science, Champaign, v.73, n.9, p.2774- 2790, 1995.

McDOUGALL, E. I. Studies on ruminant saliva. 1. The composition and output of sheep’s saliva. Biochemical Journal, London, v.43, n.1, p.99-109, 1948.

OLIVEIRA, M.D.S.; MORGAN, V.C. Efeito do tipo de material utilizado na confecção dos sacos de fermentação sobre a degradabilidade ruminal in vitro da matéria seca pelo fermentador ruminal Daisy II. ARS Veterinária, Jaboticabal, v.18, n.1, p.88-93, 2002.

SAEG. Sistema para análises estatísticas. Versão 9.1, Viçosa: Fundação Arthur Bernardes, 2007.

TILLEY, J.M.A.; TERRY, R.A. A two-stage technique for the in vitro digestion of forage crops. Joumal of the British Grassiand Society. Hurley, v. 18, n. 2, p. 104-111, 1963.

VALENTE, T.N.P. et al. In situ estimation of indigestible compounds contents in cattle feed and feces using bags made from different textiles. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v.40, n.3, p.666-675, 2011.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Carvalho, A. L. de, Santos, S. S. S., Vieira, A. K. de J., Costa, D. S., França, D. E. G., Duarte, S. M., Chaves, A. S., & Geraseev, L. C. (2017). Diferentes tipos de sacos para análise da digestibilidade in vitro do farelo de girassol / Different bag types for analysis of sunflower meal in vitro digestibility. Caderno De Ciências Agrárias, 9(3), 89–94. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ccaufmg/article/view/2977

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)