Caracterização do mel do Médio Jequitinhonha – Brasil: uma abordagem preliminar / Characterization of the honey of the Jequitinhonha Valley - Brazil: a preliminary approach

  • Eliane Macedo Sobrinho Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Hércules Otacílio Santos
  • Igor Viana Brandi
  • Grazielle Layanne Mendes Santos
  • Maria Izabel de Jesus Viana
  • Bruna Ruas Santos Araújo
  • Thalita Cordeiro Santos
  • Janainne Nunes Alves
  • Ricardo Jardim Neiva
Palavras-chave: Qualidade, boas práticas apícolas, mel silvestre, Vale do Jequitinhonha, quality, good beekeeping practices, Apis melífera, wild honey, Jequitinhonha Valley.

Resumo

 

Apesar da riqueza de informações sobre o mel proveniente de diferentes regiões brasileiras e até de outros países, o mel do Vale do Jequitinhonha tem recebido pouca atenção. Assim, este estudo teve por objetivo analisar as características microscópicas, físico-químicas e microbiológicas de amostras de mel silvestre provenientes do Médio Jequitinhonha. As amostras foram coletadas aleatoriamente na AAPIVAJE – Associação de apicultores do Vale do Jequitinhonha e analisadas no Laboratório de Química do IFNMG – Campus Araçuaí. As análises físico-químicas compreenderam entre os indicadores de maturidade do mel: umidade; indicadores de deterioração do mel: pH e acidez; e característica sensorial: cor, sabor e consistência. As análises microbiológicas incidiram sobre a ocorrência de Salmonella spp., número mais provável de coliformes a 35°C e 45°C, e basearam-se nas metodologias descritas na Instrução Normativa nº 62 (Brasil, 2003). O percentual de umidade do mel manteve-se entre 15,60% e 19,67%. Os valores médios de sólidos solúveis totais e peso específico a 20°C encontrado nas amostras foram 82,26% e 1,42, respectivamente. O pH variou de 4,08 a 4,52 e a acidez total apresentou valores próximos a 42 m.Eq.kg-1. A cor das amostras variou de 0,4244 a 1,6059mm, correspondendo a cores de âmbar claro a âmbar escuro, na escala de Pfund. As análises microbiológicas revelaram níveis seguros quanto aos teores de Salmonelas (ausência em 25g para as amostras), Coliformes, Leveduras e Fungos Filamentosos. Os resultados deste estudo indicaram que amostras de mel provenientes do Médio Jequitinhonha atenderam aos padrões de identidade e qualidade da normativa brasileira, embora mais estudos sejam necessários.

 

Abstract

Despite the wealth of information on honey from different Brazilian regions and even from other countries, honey from the Jequitinhonha Valley has received little attention. Thus, this study aimed to analyze the microscopic, physicochemical and microbiological characteristics of samples of wild honey from the Jequitinhonha Valley. Samples were randomly collected at AAPIVAJE - Associação de Apicultores do Vale do Jequitinhonha and analyzed in the Laboratory of Chemistry of IFNMG - Araçuaí Campus. The physical-chemical analyzes included among the maturity indicators of honey: moisture; indicators of honey deterioration: pH and acidity; and sensory characteristics: color, taste and consistency. Microbiological analyzes focused on the occurrence of Salmonella spp., the most probable number of coliforms at 35°C and 45°C, and were based on the methodologies described in Normative Instruction No. 62 (Brazil, 2003). The moisture content of honey remained between 15.60% and 19.67%. The mean values of total soluble solids and specific weight at 20°C found in the samples were 82.26% and 1.42, respectively. The pH varied from 4.08 to 4.52 and the total acidity presented values close to 42 m.Eq.kg-1. The color of the samples ranged from 0.4244 to 1.6059mm, corresponding to light amber to dark amber colors, on the Pfund scale. Microbiological analyzes revealed safe levels of Salmonella (absence of 25g for samples), Coliforms, Yeasts and Molds. The results of this study indicated that samples of honey from the Jequitinhonha Valley met the standards of identity and quality  of Brazilian standards, although more studies are needed.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, E. M.; Toledo, V. A. A.; Marchini, L. C.; Sereia, M. J.; Moreti, A. C. C. C.; Lorenzetti, E. R.; Neves, C. A.; Santos, A. A. 2009. Presença de coliformes, bolores e leveduras em amostra de mel orgânico de abelhas africanizadas das ilhas do alto rio Paraná. Ciência Rural 39: 2222-2224.

Anklam, E. 1998. A review of the analytical methods to determine the geographical and botanical origin of honey. Food Chem 63: 549-563.


Aroucha, E. M. M. 2008. Qualidade do mel de abelha produzidos pelos incubados da Iagram e comercializado no município de Mossoró, RN. Revista Caatinga 21: 211-217.

Association of Analytical Chemists - AOAC. 1998. Official Methods of analysis. 15th. Supl. 2.

Attri, P. K. 2011. Physico-chemical Investigation of Honey samples of Apis cerana incica F. (Traditional Beekeeping) and Apis mellifera (Morden Apiculture) from Chamba District, Himachal Pradesh. Biol Forum 3: 67-73.

Baltrusaityte, V.; Venskutonis, P. R.; Ceksteryte, V. 2007. Radicalscavenging activity of different floral origin honey and beeb-readphenolic extracts. Food Chem, 101: 502-514.

Barth, O. M. 2005. Análise polínica de mel: avaliação de dados e seu significado. Revista Mensagem Doce 81. Disponivel em: https://www.apacame.org.br/mensagemdoce/81/artigo.htm.

Bertonce, L. J.; Dobersek, U.; Jamnik, M.; Golob, T. 2007. Evaluation of the phenolic content, antioxidant activity and colour of Slovenian honey. Food Chem, 105: 822-828.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2000, outubro 23). Instrução Normativa n o 11, de 20 de outubro de 2000. Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel. Diário Oficial da União, Seção 1: 23.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2003, setembro 18). Instrução Normativa nº 62, de 26 de agosto de 2003. Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Diário Oficial da União Seção 1: 14.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Inspeção de Produto Animal. (1985 julho 2). Portaria n. 6, de 25 de julho de 1985. Aprova as Normas Higiênico-Sanitárias e Tecnológicas para o Mel, cera de Abelhas e Derivados. Diário Oficial da União Seção 1: 11100.

Carvalho, C. A. L.; Marchini, L. C.; Teixeira, G. M. 1998. Características físico-químicas de amostras de méis da Bahia. In: Anais do Congresso Brasileiro de Apicultura, 12: 200.

Cordeiro; C. A.; Rocha, D. R. S.; Santana; R. F.; Mendonça, L. S.; Soares, C. M. F.; Cardoso, J. C.; Lima, A. S. 2012. Quality evaluation of honey produced in Sergipe. Scientia Plena 8: 32-129.

Cozmuta, A. M.; Cozmuta, L. M.; Varga, C.; Marian, M.; Peter, S. 2011. Effect of thermal processing on quality of polyfloral honey. J Romania Assoc Food Prof. 3: 328-334.

Crane, E. 1985. O livro do mel. 2. ed. São Paulo: Nobel.

David, C. S.; Nogueira, V. R.; Ronqui, L.; Lisboa, F. T.; De Oliveira, D. F. 2017. Hygienic and sanitary quality of honey produced by Apis mellifera and Tetragonisca angustula and the need for regulatory standard. Scientia Agraria Paranaensis 16: 107-111.

European Union. 2002. European Union Directive, Council Directive 2001/110/EC relating to honey.

Fernández, L. A.; Ghilardi, C.; Hoffmann, B.; Busso, C.; Gallez, L. M. 2017. Microbiological quality of honey from the Pampas Region (Argentina). Revista Argentina de Microbiología 49: 55- 61.

Ferreira, J. D.; Oliveira, F. C. E.; Mancini, C. E.; Zandonadi, F. B.; Branco, P. A. C. V. 2013. Determinação de fungos filamentosos e leveduras em méis produzidos no município de Sinop, Mato Grosso. Revista de Biologia e Farmácia 9: 259-278. Doi: DOI: 10.12957/demetra.2015.14665.

Gois, G. C.; Rodrigues, A. E.; De Lima, C. A. B.; Silva, L. T. 2013. Composição do mel de Apis mellifera: Requisitos de qualidade. Acta Veterinaria Brasilica 7: 137-147.

Kadri, S. M.; Zaluski, R.; Lima, G. P. P.; Mazzafera, P. 2016. Caracterização de mel monofloral de Café arábica do Espírito Santo, Brasil. Food Chemistry 203: 252- 257.

Kaur, P.; Mishra, A. A.; Lal, D. 2016. Honey Characterization Based on Physicochemical Parameters using GIS Techniques: A Case Study in Selected States of Northern India. J Food Process Technol 7: 626. Doi: 10.4172/2157- 7110.1000626.

Kucuk, M.; Kolayli, S.; Karaoglu, S.; Ulusoy, E.; Baltaci, C. 2007. Biological activities and chemical composition of three honeys of different types from Anatolia. Food Chem 100 526-534.

Marchini, L. C.; Geni, S. S.; Moreti, A. C. C. C. 2004. Mel Brasileiro: Composição e normas. Ribeirão Preto: A. S. Pinto, 111.

Matos, I. T. S. R.; Nunes, M. T.; Mota, D. A.; Laureano, M. M. M.; Hoshiba, M. A. 2012. Qualidade microbiológica do mel de melipona sp. produzido na Amazônia Central (PARINTINS–AM–BRASIL). Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 6: 91-95.

Meda, A.; Lamien, C. E.; Millogo, J.; Romito, M.; Nacoulma, O. G. 2005. Physico-chemical analyses of Burkina Fasan honey. Acta Veterinaria Brno 74: 147-152.

Nogueira Neto, P. 1997. Vida e criação de abelhas indígenas sem ferrão. São Paulo: Nogueirapis 445. Disponivel em: http://eco.ib.usp.br/beelab/pdfs/livro_pnn.pdf.

Pascoal, A.; Rodrigues, S.; Teixeira, A.; Feás, X.; Estevinho, L. M. 2014. Biological activities of commercial bee pollens: Antimicrobial, antimutagenic, antioxidant and anti-inflammatory. Food and Chemical Toxicology 63: 233-239.

Pitt, J.; Hocking, A. 2009. Fungi and Food Spoilage. Springer Dordrecht Heidelberg, London, New York.

Rehman, S.; Khan, Z. F.; Maqbool, T. 2008. Physical and spectroscopic characterization of Pakistani Honey. Cienc Investigación Agraria 35: 199-204.

Richter, W.; Jansen, C.; Venzke, T. S. L.; Mendonça, C. R. B.; Borges, C. D. 2011. Avaliação da qualidade físico-química do mel produzido na cidade de Pelotas, RS. Alimentos e Nutrição Araraquara 22: 547-553.

Silva, M. B. L.; Chaves, J. B. P; Message, D.; Gomes, J. C.; Gon Alves, M. M.; Oliveira, G. L. 2008. Qualidade microbiológica de méis produzidos por pequenos apicultores e de méis de entrepostos registrados no serviço de inspeção federal no estado de minas gerais. Alimentos e Nutrição Araraquara 19: 417- 420.

Silva, R. A. 2006. Avaliação da qualidade do mel de abelha Apis mellifera produzido no município de Picos, Estado do Piauí, Brasil. Revista Higiene Alimentar, São Paulo 20: 90-94.

Venturini, K. S.; Sarcinelli, M. F.; Silva, L. C. 2007. Características do Mel. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. Disponível em: http://agais.com/telomc/b01107_caracteristicas_mel.pdf.

Wanderley, R. D. O. S.; Wanderley, P. A.; Dantas, M. B.; Gomes, D. J.; Maracajá, P. B.; Silva, R. A. 2016. Aspecto microbiológico de amostras de méis comercializado na cidade de Sousa, Paraíba, Brasil. Caderno Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 6.

Welke, J. E.; Reginatto, S.; Ferreira, D.; Vicenzi, R.; Soares, J. M. 2008. Caracterização físico-química de méis de Apis mellifera L. da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Ciência Rural 38: 1737-1741.
Publicado
2018-07-04
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS

Most read articles by the same author(s)