Pesquisa com Histórias de Vida na Produção da História da Educação em Ciências: o Dispositivo Fotobiográfico como Recurso para a Compreensão de Experiências Sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u375402

Palavras-chave:

Educação em Ciências, fotobiografia, currículo

Resumo

O acionamento de fontes históricas e de abordagens metodológicas diversificadas têm sido requisitadas para que novos conhecimentos sócio-históricos possam ser construídos em torno das constituições históricas das disciplinas Ciências e Biologia, possibilitando a compreensão de nuances, controvérsias e disputas. Deste modo, o presente texto almeja apresentar e problematizar a utilização de um recurso investigativo desenvolvido no campo das Ciências Sociais e ainda incomum nos estudos sobre Educação em Ciências em perspectiva histórica: a fotobiografia. Conjugando referenciais da Sociologia, da História do Educação e do Currículo e partindo de uma pesquisa sobre a trajetória social de uma professora de Ciências cujas práticas pedagógicas estiveram em intensa sintonia com os pressupostos do “Movimento de Renovação do Ensino de Ciências” das décadas de 1960 e 1970, é exercitado o uso do dispositivo fotobiográfico para acionar memórias e a produção de outros sentidos sobre o que seria lecionar Ciências naquela conjuntura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Cerqueira do Nascimento Borba, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Educação na Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisador associado ao Grupo de Pesquisa Currículo, Docência e Cultura (CDC/UFF/CNPq).

Sandra Escovedo Selles, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Science Education pela University of East Anglia. Professora titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Membro do CA-Ed e bolsista 1-C de Produtividade no CNPq. Cientista do Nosso Estado pela FAPERJ.

Referências

Abrantes, A. C. S., & Azevedo, N. (2010). O Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura e a institucionalização da ciência no Brasil, 1946–1966. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 5(2), 469–492.

Ayres, A. C. M., & Selles, S. E. (2012). História da formação de professores: diálogos com a disciplina escolar ciências no ensino fundamental. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 14, 95–107.

Ayres, A. C. M., Lima-Tavares, D., Ferreira, M. S., & Selles, S. L. (2012). Licenciaturas de curta duração (1965 e 1974) e disciplina escolar ciências: aproximações sócio-históricas. In S. E. Selles, & M. Cassab. (Orgs.). Currículo, docência e cultura (pp. 53–74). Editora da UFF.

Azevedo, M. (2020). Entre a bancada e a sala de aula – A experimentação no período de ouro do Ensino de Ciências. Appris Editora.

Azevedo, M., Selles, S. E., & Lima-Tavares, D. (2016). Relações entre os movimentos reformistas educacionais do ensino de ciências nos Estados Unidos e Brasil na década de 1960. Educação em Foco, 21, 237–257. https://doi.org/10.22195/2447-524620162119665

Barra, V. M., & Lorenz, K. M. (1986). Produção de materiais didáticos de ciência no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência e Cultura, 38(12), 1970–1983.

Berteaux, D. (2009). Metodologia do Relato de Vida em Sociologia. In N. M. Takeuti, & C. Niewiadomski (Orgs.). Reinvenções do sujeito social: teorias e práticas biográficas (pp. 23–32). Sulina.

Bertaux, D. (2014). A vingança do curso de ação contra a ilusão cientificista. Civitas, 14(2), 250 – 271.

Bourdieu, P. (1996). A ilusão biográfica. In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 183–191). Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Bourdieu, P., & Bourdieu, M. C. (2006). O camponês e a fotografia. Rev. Sociol. Polit, 26, 31–39.

Bruno, F. (2014). Fotobiografia: uma proposta antropológica e estética. Revista Espaço Acadêmico, 163, 9–20.

Burke, P. (2014). O Testemunho das Imagens. In: P. Burke. Testemunha Ocular: história e imagem (pp. 11–24). EDUSC.

Cassab, M. (2010). A produção em História das Disciplinas Escolares pela escrita de pesquisadores brasileiros. Revista Brasileira de História da Educação, 23, 225–251.

Cassab, M. (2015). O movimento renovador do ensino das ciências: entre renovar a escola secundária e assegura o prestígio social da ciência. Revista Tempos e Espaços em Educação, 8, 19–35. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3938

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177–229.

Cunha, L. A., & Góes, M. (2002). O golpe na educação. 11. ed. Jorge Zahar.

Delgado, L. A. N. (2011). História Oral: memória, tempo, identidades. 2. ed. Autêntica.

Delory-Momberger, C. (2012). Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, 17(51), 523–536.

Dubar, C. (1998). Trajetórias sociais e formas identitárias: alguns esclarecimentos conceituais e metodológicos. Educação & Sociedade, 19(62), 13–30.

Fonseca, M. V. R., Xavier, M. T., Vilela, C. L., & Ferreira, M. S. (2013). Panorama da produção brasileira em história do currículo e das disciplinas acadêmicas e escolares (2000–2010): entre a História da Educação e a Sociologia do Currículo. Revista Brasileira de História da Educação, 13, 193–225.

Forquin, J. C. (1992). Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, 1(5), 28–49.

Fracalanza, H. (2009). Histórias do ensino de Biologia no Brasil. In S. E. Selles, M. S. Ferreira, M. A. Barzano, & E. P. Q. Silva (Orgs). Ensino de Biologia: histórias, saberes e práticas formativas (pp. 25–48). EdUFU.

Fracalanza, H., Amaral, I. A., & Gouveia, M. S. F. (1987). O ensino de ciências no primeiro grau. Atual, 124 p.

Gomes, M. M. (2006) Conhecimentos ecológicos em livros didáticos de ciências: aspectos sócio-históricos de sua constituição. (Tese de Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Gomes, M. M., Selles, S. E., Lopes, A. C. (2013). Currículo de Ciências: estabilidade e mudança em livros didáticos. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), 39, 477–492. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013000200013

Goodson, I. F. (1992). Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e seus desenvolvimentos profissionais. In A. Nóvoa (Org.). Vidas de professores (pp. 63–78). Porto.

Goodson, I. F. (1997). A Construção Social do Currículo. Educa.

Goodson, I. F. (2007). Questionando as reformas educativas: a contribuição dos estudos biográficos a educação. Pro-posições, 18, (2), 17–37.

Goodson I. F. (2015) Narrativas em educação: a vida e a voz dos professores. Porto Editora.

Joutard, P. (2000). Desafios à História oral do século XXI. In M. M. Ferreira, T. Fernandes, & V. Alberti. (Orgs). História Oral: desafios para o século XXI (pp. 31–46). Fundação Getúlio Vargas.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85–93.

Le Goff, J. (1996). Memória e História. Editora da UNICAMP.

Lelis, I. A. O. M. (2014). A construção social da profissão docente no Brasil: uma rede de histórias. In M. Tardif, & C. Lessard (Orgs.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais (pp. 54–66). 6 ed. Vozes.

Lelis, I. A. O. M, & Nascimento, M. G. C. A. (2010). Trajetórias de professores: a pesquisa com histórias de vida. In A. W. P. Mendonça (Org.). História e Educação: dialogando com as fontes (pp. 253–272). 1 ed. Forma e Ação.

Levi, G. Usos da biografia (1996). In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral (pp. 167–182). Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Lopes, S. M. C. N. (2013). Professores inesquecíveis: docência e prestígio no Instituto de Educação do Rio de janeiro dos anos 1950–60. In Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação. Cuiabá, MT.

Lopes, S. M. C. N. (2016). Os notáveis do Instituto de Educação: professores catedráticos do curso normal nos anos 1950–60. Educação em Foco (Juiz de Fora), 21, 157–183. https://doi.org/10.22195/2447-524620162119727

Lorenz, K. M. (2004) As Reformas do Ensino das Ciências no Ensino Secundário Brasileiro nas Décadas de 1960 e 1970. Revista Portuguesa de Pedagogia, 39(1), 97–112.

Loriga, S. (1998). A biografia como problema. In J. Revel (Org.). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Lozano, J. E. A. (1996). Prática e Estilos de Pesquisa Histórica Oral Contemporânea. In J. Amado, & M. M. Ferreira (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Marandino, M., Selles, S. E., & Ferreira, M. S. (2010). Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. Cortez.

Nora, P. (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, 10, 07–28.

Nunes, C. (2004). Memória e História da Educação: entre práticas e representações. Educação em Foco - História da Educação, 07(12), 01–17.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3–15.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 15(10), 200–212.

Portelli, A. (1997). O que faz a História Oral diferente. Projeto História, 14, 25–39.

Santos, M. C. F., & Selles, S. E. (2014). A produção da disciplina escolar história natural na década de 1930: os livros didáticos de Waldemiro Potsch para o ensino secundário. Cadernos de Pesquisa em Educação, 19, 45–68. https://doi.org/10.22535/cpe.v1i39.10729

Scarton, J. G. E., & Selles, S. E. (2012). Narrativas docentes de práticas em educação ambiental na Escola Municipal Camilo Castelo Branco. In Anais do VI Encontro Regional de Ensino de Biologia do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Rio de Janeiro, RJ.

Vieira, C. O. F., Vieira, N. B. P., & Silva, W. M. V. (1970). Cadernos MEC: Iniciação à ciência. MEC/FENAME.

Vieira, C. O. F., Vieira, N. B. P., & Silva, W. M. V. (1972) Iniciação à ciência: guia metodológico para cadernos MEC. MEC/FENAME.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Borba, R. C. do N., & Selles, S. E. (2020). Pesquisa com Histórias de Vida na Produção da História da Educação em Ciências: o Dispositivo Fotobiográfico como Recurso para a Compreensão de Experiências Sociais. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 375-402. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u375402

Edição

Seção

Artigos