Uma Contribuição ao Ensino de Genética por Meio de uma Abordagem do Trabalho de Mendel à Luz do Fluxo Sanguíneo da Ciência de Bruno Latour

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2022u355373

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, História da Genética, Teoria Ator-rede, História da Ciência, Gregor Mendel, Leis da Hereditariedade

Resumo

O uso da história da ciência na educação científica tem o potencial de contribuir para a conexão de contextos pessoais, éticos, culturais e políticos dos cientistas. A visão romantizada da ciência, que expõe cientistas como gênios trabalhando isoladamente, pode prejudicar a compreensão da natureza da ciência. Gregor Mendel é um exemplo dessa representação e o presente artigo traz uma contribuição no sentido de desmistificá-lo como o “pai da Genética”. Pensando em contribuir com elementos para proporcionar processos de ensino e aprendizagem mais próximos de uma abordagem menos romantizada, usamos a teoria ator-rede (TAR), de Bruno Latour, para guiar as análises das relações sociomateriais, e empreendemos uma análise sobre a inserção de Mendel no chamado fluxo da ciência, valendo-nos da literatura sobre a história de Mendel e da Genética. Dessa forma, foi possível compreender a rede que sustenta o desenvolvimento das leis da hereditariedade e indicar que Mendel mobilizou diversos atores (botânicos, físicos, matemáticos, ervilhas, estufas, assistentes, sociedades acadêmicas, agricultores e diferentes entidades), que colaboraram para a conclusão de seu trabalho. Com o presente trabalho, pretendemos contribuir para as pesquisas que buscam um tratamento historicamente mais adequado da sistematização da genética enquanto ciência e que poderá, também, auxiliar em processos de ensino/aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Ângelo Coutinho, Universidade Federal de Minas Gerais

Sou graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1990), mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996), com ênfase em Lógica e Filosofia da Ciência, e doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005). Sou professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, onde atuo na graduação e na pós-graduação em Educação. Atuei como professor do ensino fundamental e médio, na rede pública e particular. Atuo em cursos de formação de professores desde 1995. Tenho experiência na área de Educação, com ênfase em formação de conceitos na ciência e no ensino. Tenho interesse principalmente pelos temas linguagem e cognição, materialidade da cognição, teorias da instrução, perfil conceitual, processos de comunicação (verbal e não verbal) em salas de aula de Ciências e Biologia e por teorias e modelos de categorização e suas consequências para o ensino e a aprendizagem em ciências e biologia. Outro foco de minhas reflexões e pesquisas é a formação de cientistas, principalmente na área de Ecologia. Faço parte dos Grupos de Pesquisa Linguagem e Cognição em Salas de Aula de Ciências (FaE-UFMG, liderado pelo Prof. Eduardo Fleury Mortimer) e História, Filosofia e Ensino de Ciências Biológicas (Dep Biologia Geral-UFBA, liderado pelos Profs. Nei de Freitas Nunes Neto e Charbel Niño El-Han). Sou líder do grupo Processos e Relações na Produção e Circulação do Conhecimento. Este grupo interessa-se pelo desenvolvimento de um quadro teórico-metodológico que permita estudar a cognição em diferentes práticas sociomateriais e as relações entre o conhecimento científico, o conhecimento cotidiano e o conhecimento escolar. Investigamos como as práticas sociomateriais contribuem para a tomada de decisões e, nesse sentido, procuramos entender os processos de argumentação e justificação do conhecimento. Pesquisamos como os actantes, humanos e não humanos, formam redes e moldam os contextos de aprendizagem. Investigamos as relações entre Ciência, Tecnologia e Sociedade. Finalmente, as pesquisas desenvolvidas buscam soluções concretas para os problemas colocados pelo ensino, pelos métodos de ensino e pela formação docente.

Referências

Abd-El-Khalick, F. (2012). Nature of science in science education: Toward a coherent framework for synergistic research and development. In B. Fraser, K. Tobin, & C. McRobbie (Eds.), Second International Handbook of Science Education (Vol. 24, 1041–1060). Springer. https://doi.org/10.1007/978-1-4020-9041-7_69

Abd-El-khalick, F., & Lederman, N. G. (2000). Improving science teachers’ conceptions of nature of science: A critical review of the literature. International Journal of Science Education, 22(7), 665–701. https://doi.org/10.1080/09500690050044044

Andrade, L. A. B., & Silva, E. P. da. (2016). Mendel e seus abismos. Genética na Escola, 11(2), 234–243. https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_f84289ac0924417485eab4346d675b2d.pdf

Arcanjo, F., & Silva, E. P. (2015). A hipótese darwiniana da pangênese. Genética na Escola, 10(2), 102–109. https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_235cf1a0f60149ac8fc49867011924c8.pdf

Bastos, F. (1988). História da Ciência e pesquisa em ensino de ciências: Breves considerações. In R. Nardi (Ed.), Questões atuais no Ensino de Ciências (pp. 43–52). Escrituras.

Batista, D. P. L., Coutinho, F. A., & Rodrigues e Silva, F. A. (10–14 de novembro, 2013). Materialidade da aprendizagem: Seguindo os objetos. IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Águas de Lindóia, São Paulo, Brasil. http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/ixenpec/atas/resumos/R1263-1.pdf

Bell, R. L., & Lederman, N. G. (2003). Understandings of the Nature of Science and Decision Making on Science and Technology Based Issues. Science Education, 87(3), 352–377. https://doi.org/10.1002/sce.10063

Carneiro, M. H. S., & Gastal, M. L. (2005). História e Filosofia das Ciências no ensino de Biologia. Ciência & Educação, 11(1), 33–39.

Cavalcanti, A. G. (1965). Mendel — Sua vida, sua obra e consequências de sua descoberta. Ciência e Cultura, 17(4), 427–436.

Chang, H. (2017). Who cares about the history of science?. Notes and Records, 71(1), 91–107. https://doi.org/10.1098/rsnr.2016.0042

Delgado, P. S. (2016). Licenciandos do Pibid e o aquecimento global: Redes de actantes na elaboração de atividades didáticas (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais).Repositório Institucional da UFMG. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-ACAHVL

Drouin, J. M. (1996). Mendel: para os lados do jardim. In M. Serres (Ed.), Elementos para uma história das ciências — De Pasteur ao computador (Vol. 3, 29–47). Terramar.

Duschl, R. (2008). Science Education in Three-Part Harmony: Balancing Conceptual, Epistemic, and Social Learning Goals. Review of Research in Education, 32(1), 268–291. https://doi.org/10.3102/0091732X07309371

El-Hani, C. N. (2016). O Mendel mítico sob um olhar crítico: O papel de Mendel na história da Genética. Genética na Escola, 11(2), 272–285. https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_7d302e552522487fb88230209579a784.pdf

Fenwick, T. & Edwards, R. (2012). Researching education through actor-network theory. John Wiley & Sons.

Freire-Maia, N. (1995). Gregor Mendel: Vida e obra. Queiroz.

Gliboff, S. (2015). The Mendelian and Non-Mendelian Origins of Genetics. Filosofia e História da Biologia, 10(1), 99–123. http://www.abfhib.org/FHB/FHB-10-1/FHB-10-1-07-Sander-Gliboff.pdf

Kampourakis, K., & Gripiotis, C. (2015). Darwinism in Context: An interdisciplinary, highly contextualized course on nature of science. Perspectives in Science, 5, 25–35. https://doi.org/10.1016/j.pisc.2015.05.002

Kim, S. Y., & Irving, K. E. (2010). History of science as an instructional context: Student learning in genetics and nature of science. Science and Education, 19(2), 187–215. https://doi.org/10.1007/s11191-009-9191-9

Klein, J., & Klein, N. (2013). Solitude of a Humble Genius — Gregor Johann Mendel: Volume 1. Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-642-35254-6

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: Ensaio de Antropologia Simétrica. Editora 34.

Latour, B. (2000). Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Editora UNESP.

Latour, B. (2001). A esperança de Pandora: Ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. EDUSC.

Latour, B. (2012). Reagregando o social: Uma introdução à teoria do ator-rede. Edufba.

Latour, B. (2016). Cogitamus: Seis cartas sobre as humanidades científicas. Editora 34.

Latour, B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório: A construção dos fatos científicos. Relume-Dumará.

Leite, R. C. M., Ferrari, N., & Delizoicov, D. (2001). A história das leis de Mendel na perspectiva fleckiana. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 1(2), 1–12. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4175

Lima, N. W., Vazata, P. A. V., Moraes, A. G., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. J. de H. (2019). Educação em Ciências nos Tempos de Pós-Verdade: Reflexões Metafísicas a partir dos Estudos das Ciências de Bruno Latour. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 19, 155–189. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u155189

Martins, L. A. P., & Prestes, M. E. B. (2016). Mendel e depois de Mendel. Genética na Escola, 11(2), 244–249. https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_5ecd53b0f4e542a0b407dcab76c4d1ec.pdf

Matthews, M. R. (1994). Science teaching: The role of history and philosophy of science. In M. R. Matthews (Ed.), Philosophy of education research library (IX–XXV). Springer International Publishing. https://doi.org/10.1007/978-3-319-62616-1

Matthews, M. R. (2018). History, Philosophy and Science Teaching. Springer International Publishing. https://doi.org/10.1007/978-3-319-62616-1

Millar, R. (2003). Um currículo de ciências voltado para a compreensão por todos. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 5(2), 146–164. https://doi.org/10.1590/1983-21172003050206

MEC (2016). Base Nacional Comum Curricular — Educação é a Base. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/

Orel, V., & Wood, R. J. (2000). Essence and origin of Mendel’s discovery. Comptes Rendus de l'Académie des Sciences — Series III — Sciences de la Vie, 323(12). https://doi.org/10.1016/S0764-4469(00)01266-X

Polizello, A. (2009). Modelos microscópicos de herança no século XIX: A teoria das estirpes de Francis Galton (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, São Paulo). Repositório PUCSP. https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/13418/1/Andreza Polizello.pdf

Sasseron, L. H., & Duschl, R. A. (2016). Ensino de ciências e as práticas epistêmicas: O papel do professor e o engajamento dos estudantes. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 52–67. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n2p52

Silva, F. A. R., Lisboa, D. P., Oliveira, D. P. L., & Coutinho, F. A. (2016). Teoria ator-rede, literatura e educação em ciências: uma proposta de materialização da rede sociotécnica em sala de aula. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 18(1), 47–64. https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172016180101

Downloads

Publicado

2022-05-12

Como Citar

de Melo, J. P., Coutinho, F. Ângelo, Silva, F. A. R. e, & Vilas-Boas, A. (2022). Uma Contribuição ao Ensino de Genética por Meio de uma Abordagem do Trabalho de Mendel à Luz do Fluxo Sanguíneo da Ciência de Bruno Latour. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, e34556, 1–19. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2022u355373

Edição

Seção

Artigos