O docente de Enfermagem e sua percepção sobre as ações integrativas na Saúde e na formação interprofissional

  • John Victor dos Santos Silva Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil.
  • Mara Cristina Ribeiro Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil.
Palavras-chave: Docentes de Enfermagem. Educação Superior. Currículo.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo conhecer a percepção do docente de Enfermagem sobre as ações integrativas em Saúde e práticas interprofissionais no ensino. Trata-se de pesquisa de abordagem qualitativa, caracterizada como estudo exploratório. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com nove docentes do curso de Enfermagem de uma universidade pública. O material produzido foi transcrito na íntegra e analisado à luz da técnica de Análise de Conteúdo, na modalidade Análise Categorial. Foram encontradas as seguintes temáticas nas falas: ensino integrado em Saúde; desafios na integração; caminhos para a integração; e o trabalho interprofissional. Algumas questões que dificultam as ações integrativas vão além dos recursos humanos e são institucionais, necessitando de contribuição de todos os envolvidos para a superação desses obstáculos.

Biografia do Autor

John Victor dos Santos Silva, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil.

Acadêmico do curso de Enfermagem da UNCISAL. Monitor da disciplina integrada “Pesquisa em Saúde 3”. Foi bolsista de Iniciação Científica pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas. Integrante do grupo de pesquisa “Ensino, Saúde e Sociedade”, vinculado ao CNPq. Presidente da Liga Acadêmica Interdisciplinar de Saúde Mental (LAISME-UNCISAL).

Mara Cristina Ribeiro, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió, AL, Brasil.

Terapeuta Ocupacional, mestre e doutora pela Universidade de São Paulo (USP). Pró-reitora estudantil e professora titular da UNCISAL. Líder do grupo de pesquisa “Ensino, Saúde e Sociedade”, vinculado ao CNPq. Docente do programa de Mestrado Profissional em Pesquisa em Saúde do Centro Universitário CESMAC.

Referências

AGUILAR-DA-SILVA, Rinaldo H.; SCAPIN, Luciana T.; BATISTA, Nildo A. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em Saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 16, n. 1, p. 165-184, 2011.

ARAUJO, Ronaldo M. L.; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, Natal, v. 52, n. 38, p. 61 80, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARR, Hugh et al. Effective interprofessional education: arguments, assumption & evidence. Oxford: Blackwell, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 3, de 7 de novembro de 2001. Dispõe sobre a instituição das Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União, Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017.

CARDOSO, Andréa C. et al. O estímulo à prática da interdisciplinaridade e do multiprofissionalismo: a Extensão Universitária como uma estratégia para a educação interprofissional. Revista da ABENO, Londrina, v. 15, n. 2, p. 12-19, 2015.

COSTA, Marcelo V. A educação interprofissional no contexto brasileiro: algumas reflexões. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 20, p. 197-198, 2016.

COSTARDI IDE, Cilene Aparecida et al. Avaliação da implantação do currículo integrado no programa de graduação em Enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 27, n. 4, 2014.

COZBY, Paul C. Métodos de pesquisa em Ciências do Comportamento. São Paulo: Atlas, 2006.

FEUERWERKER, Laura C. M. A construção de sujeitos no processo de mudança da formação dos profissionais da Saúde. Divulgação em Saúde para debate, Rio de Janeiro, v. 22, p. 18-24, 2000.

FRANCO, Elaine C. D.; SOARES, Amanda N.; BETHONY, Maria Flávia G. Currículo integrado no Ensino Superior em Enfermagem: o que dizem os enfermeiros docentes. Enfermagem em Foco, v. 7, n. 1, p. 33-36, 2016.

IGLÉSIAS, Alessandro G.; BOLLELA, Valdes R. Integração curricular: um desafio para os cursos de graduação da área da Saúde. Medicina, Ribeirão Preto, v. 48, n. 3, p. 265-272, 2015.

KLOH, Daiana et al. Princípio da integralidade do cuidado nos projetos político-pedagógicos dos cursos de Enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 22, n. 4, p. 693-700, 2014.

KURIMOTO, Teresa Cristina S.; DA COSTA, Anette S. S. M. A formação de graduação em Enfermagem: o currículo e seus discursos. Professare, Caçador, v. 5, n. 1, p. 79-100, 2016.

MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os 7 saberes e outros ensaios. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

PEDUZZI, Marina et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de Saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 977 983, 2013.

PEREIRA, Elvio Q.; NASCIMENTO, Elimar P. do. A interdisciplinaridade nas universidades brasileiras: trajetória e desafios. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 21, n. 1, p. 209-232, 2016.

PIRES, Ariane S. et al. A formação de Enfermagem na graduação: uma revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 705-711, 2014.

SOUZA, Ana C. S.; RIBEIRO, Mara Cristina. A interdisciplinaridade em um CAPS: a visão dos trabalhadores. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 21, n. 1, p. 91-98, 2013. DOI: 10.4322/cto.2013.013.

TOASSI, Ramona F. C. et al. Currículo integrado no ensino de Odontologia: novos sentidos para a formação na área da Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 16, n. 41, p. 529-544, abr./jun. 2012.
Publicado
2018-12-10
Seção
Artigos