SUSTENTABILIDADE COMO PRÁXIS PEDAGÓGICA PARA A TRANSDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA (EPT)

Autores

Palavras-chave:

Currículo integrado, Formação continuada de professores, Paradigma da complexidade, Metodologias de ensino

Resumo

A ideia deste artigo surgiu de inquietações sobre a trajetória e o potencial da Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil em um momento crucial da história da humanidade, a Idade da Complexidade, em que ocorrem rápidas transformações no modo produtivo e com profundas implicações ambientais. Estudos mostram que daqui algumas décadas o indivíduo não terá uma única profissão, serão constantes a criação e o desaparecimento de ofícios. Por esse motivo, há previsões de que até 2050 deva surgir uma nova classe de pessoas: os “inempregáveis”. E, obviamente, os problemas sociais e econômicos provocam problemas ambientais, que é o cerne da sustentabilidade. Com vistas a esse novo cenário, desde o ano 2000, há esforços mundiais para atingimento de metas de desenvolvimento sustentável, inicialmente com oito Objetivos do Milênio (ODM) e, posteriormente, com dezessete Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Sob esse contexto, o objetivo deste trabalho foi defender as práticas de sustentabilidade como um possível caminho para o alcance da transdisciplinaridade na EPT. Para tanto, foram visitados e discutidos os conceitos e as peculiaridades da EPT, da transdisciplinaridade e da sustentabilidade. Em um momento acelerado de transformações motivadas pela pandemia de COVID-19, é urgente que o projeto da EPT se modifique para acompanhar as rápidas mudanças tecnológicas e de relações econômicas, sociais, políticas e culturais. Devemos aproveitar esse momento ímpar na história da humanidade para uma reforma íntima nos conteúdos e nas metodologias da EPT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Máriam Trierveiler Pereira, Instituto Federal do Paraná

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná (1997), especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade Federal do Paraná (1998), mestrado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Paraná (2000), doutorado em Engenharia Química com ênfase em Gestão, Controle e Preservação Ambiental pela Universidade Estadual de Maringá (2011) e Especialização em Docência da Educação Profissional pelo Instituto Federal do Paraná (2016). Atualmente é professora da área de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do IFPR, campus Curitiba, atuando também no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), em Curitiba, e no Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade (PSU), em Umuarama. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, com ênfase em Planejamento Ambiental Urbano, atuando principalmente nos seguintes temas: indicadores ambientais, planejamento ambiental, qualidade da água, avaliação de impactos ambientais, sistema de gestão ambiental e sustentabilidade. Na área de Ensino tem interesse por metodologias ativas, educação ambiental, inter e transdisciplinaridade e jogos educacionais. É líder do grupo de pesquisa Engenharia, Arquitetura e Sustentabilidade, cadastrado e certificado pelo CNPQ.

Publicado

2022-05-06

Edição

Seção

Artigos