30 anos da luta antimanicomial

uma disputa simbólica

Autores

  • Thiago Salles Ignatowski Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5092

Palavras-chave:

Luta Antimanicomial, Poder simbólico, Exclusão, Dignidade

Resumo

A loucura esteve sempre intimamente relacionada à exclusão social e à violência. O “século das luzes” trouxe, ironicamente, o obscurantismo para o tratamento do louco, tornado mero objeto de estudo das ciências emergentes, segregado e violentado em instituições asilares-manicomiais. Esse tratamento dado à loucura, adotado como paradigma durante séculos, contribuiu para construir no imaginário popular uma compreensão da pessoa em sofrimento psíquico como um sujeito sem dignidade. Nesse cenário, a Luta Antimanicomial representa uma insurgência, contra essa visão segregacionista que reproduz a violência simbólica impingida a formas de vida consideradas “anormais”. Seu desafio vai além da modificação de leis e implica, sobretudo, a desconstrução de uma barreira discursiva que impede o reconhecimento do “louco” como pessoa e o respeito a sua dignidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Salles Ignatowski, Universidade Federal Fluminense

Graduado em Direito (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro -UNIRIO) pós-Graduando em CiênciasCriminais (Universidade Cândido Mendes -UCAM).Mestrando em Sociologia e Direito (Universidade Federal Fluminense -UFF).Contato: thiagoignat@gmail.com. http://orcid. org/0000-0002-7901-3650    

Referências

AMARANTE, Paulo. Saúde mental, desinstitucionalização e novas estratégias de cuidado. In: GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, L. V. C.; NORONHA, J. C.; CARVALHO, A. I. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

AMARANTE, Paulo. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1995.

ANDRADE, R. L. P.; PEDRÃO, L. J. Algumas considerações sobre a utilização de modalidades terapêuticas não tradicionais pelo enfermeiro na assistência de enfermagem psiquiátrica. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v.13, n.5, p.737-42, set./out. 2005.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM–5). Disponível em: <https://www.psychiatry.org/psychiatrists/practice/dsm>. Acesso em: 06 janeiro 2018.

ARBEX, Daniela. Holocausto brasileiro. 1ed. São Paulo: Geração Editorial, 2013.ARTAUD, Antonin. Van Gogh: o suicidado pela sociedade. 2ed. Rio de Janeiro: Achiamé, s.d.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002

_______________. Sobre a Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

_______________. Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-92). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA. Trancar não é tratar: liberdade: o melhor remédio. 2.ed. São Paulo: CRP/6ª, 1997.

DUTRA, Roberto; HENRIQUES, Vanessa. O poder discricionário dos agentes institucionais que lidam com usuários de crack: invisibilidade de classe e estigma de gênero. In: Crack e exclusão social/organização, Jessé Souza. Capítulo 13. Brasília: Ministério da Justiça e Cidadania, Secretaria Nacional de Política sobre Drogas, 2016.

FOUCAULT, Michel. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

________________. A história da loucura. São Paulo: Perspectiva, 1978.

________________. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau-Editora. 2002.

GRADELHA JUNIOR, Oswaldo. Políticas públicas em saúde mental, familiares e usuários como atoresprincipais. Disponível em: <http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/295>. Acesso: 15 ago 2017.

GROPPO, Luis Antonio. O olhar e a imaginação sociológica. Acta Científica. Ciências Humanas, 2010. v. 2.

LAHIRE, Bernard. Retratos Sociológicos: disposições evariações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004

MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1959.

RESENDE, Heitor. Política de saúde mental no Brasil: uma visão da história. Petrópolis: Vozes, 2000.

SILVA, MLB; CALDAS, MT. Revisitando a técnica de eletroconvulsoterapia no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Psicol Cienc Prof. 2008 Abr-Jun;28(2):344-61.

Downloads

Publicado

01-03-2023

Como Citar

IGNATOWSKI, T. S. 30 anos da luta antimanicomial: uma disputa simbólica. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 200–217, 2023. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5092. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5092. Acesso em: 28 fev. 2024.