Outras encruzas para a arte pública

elementos das cosmovisões ameríndias e afrodiaspóricas na trama entre outras temporalidades alternativas, comunidades com multiplicidades e diferentes ensinagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2023.46037

Palavras-chave:

Arte pública, encruzilhada, cosmovisões ameríndias, pensamento afrodiaspórico, Ensinagens

Resumo

O artigo busca ampliar as maneiras como o campo da arte pública vem sendo pensada nas últimas duas décadas em solo nacional. Geralmente o debate acontece através de bibliografias estrangeiras, com exemplos de projetos artísticos que acontecem em um tipo de espaço público diferente do que encontramos no Brasil. Por um lado, a ideia de nação apresenta marcadores da colonização ainda muito presentes (branquitude, sexismo, cisgeneridade, heteronormatividade), que buscam aniquilar as diferenças, mas que estão em colapso. Por outro, as cosmovisões ameríndias e afrodiaspóricas presentes neste território podem trazer outras perspectivas e caminhos para enveredar esta encruzilhada em novas direções. Aprender com as trans, nas lutas interseccionais, com as ensinagens dos terreiros, na cultura Queer/Cuir, com a circularidade das diversas rodas, para poder rever conceitos como site specific ou community based-art. Por fim, é relatado brevemente um processo de ensinagem com a mestra Japira Pataxó nas aulas dos cursos de Artes da UFSB, em Porto Seguro, Bahia.

Biografia do Autor

Marcelo Simon Wasem, UFSB - Universidade Federal do Sul da Bahia

Centro de Formação em Artes

Coordenação do curso Som, Imagem, Movimento

Ênfase em Artes Gráficas, Espaciais, Colaborativas e Sonoras.

Referências

ARDENNE, Paul. Un arte contextual: creación artística en medio urbano, en situación, de intervención, de participación. Múrcia: CENDEAC (Centro de documentación y estudios avanzados de Arte Contemporáneo), 2006.

ASSIS, Dayane N. Conceição de (Nzinga Mbandi). Interseccionalidades. Salvador: UFBA: Instituto de Humanidades, Artes e Ciências: Superintendência de Educação a Distância, 2019. 57 p.: il.

BISHOP, Claire. A virada social: colaboração e seus desgostos. Revista Concinnitas, ano 9, v. 1, n. 12, jul. 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/22825/16284. Acesso em: 20 mar. 2023.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006. 144 p. Primeira edição de 1998.

BOURRIAUD, Nicolas. Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009. (Coleção Todas as artes). Primeira edição de 2004.

BLANCO, Paloma et al. (org.) Modos de hacer: arte crítico, esfera pública y acción directa. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 2001.

CAPOEIRA ALTO ASTRAL. Volta ao Mundo. Disponível em: https://capoeiraaltoastral.wordpress.com/sobre-capoeira/volta-ao-mundo/. Acesso em: 29 mar. 2023.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Os involuntários da pátria. ARACÊ: Direitos Humanos em Revista, ano 4, n. 5, fev. 2017.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

COELHO, Amanda Oliveira; ALVES, Fariza Barreto; CABEÇA, Mariana Mendonça. Guia de reconhecimento sobre branquitude: educando para a diversidade. Bauru: Universidade Estadual Paulista: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, 2020.

CONDURU, Roberto. Arte afro-brasileira. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Ntu. Revista Espaço Acadêmico, v. 9, n. 108, p. 81-92, maio 2010.

DELUCA, Naná; PASSOS, Úrsula. Regime heteronormativo e patriarcal vai colapsar com revolução em curso: entrevista com Paul B. Preciado. Folha de São Paulo, São Paulo, Caderno Ilustríssima, 16 jan. 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2021/01/regime-heteronormativo-e-patriarcal-vai-colapsar-com-revolucao-em-curso-diz-paul-preciado.shtml. Acesso em: 23 mar. 2023.

ESBELL, Jaider. Arte indígena contemporânea e o grande mundo. Revista Select. Postado em 22 jan. 2018. Disponível em: https://select.art.br/arte-indigena-contemporanea-e-o-grande-mundo/. Acesso em: 22 mar. 2023.

FIOCRUZ. Projeto Sankofa discute as questões e relações étnico-raciais. Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas da Fiocruz. Publicado em 10 out 2018. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/projeto-sankofa-discute-questoes-e-relacoes-etnico-raciais. Acesso em: 23 mar. 23.

FERVENZA, Hélio. Considerações da arte que não se parece com arte. Revista PORTO ARTE: Revista de Artes Visuais, Porto Alegre, v. 13. n. 23. p. 73-83, 2005. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/PortoArte/article/view/27922. Acesso em: 26 abr. 2023.

GONÇALVES, Mônica Hoff. Reflexões contrapedagógicas: desaprender e incendiar não são coisas que se pode separar. Poiésis, Niterói, v. 20, n. 33, p. 41-54, jan./jun. 2019.

IGNACIO, Julia. O que é interseccionalidade. Politize! Publicado em 20 nov 2020. Disponível em: https://www.politize.com.br/interseccionalidade-o-que-e/. Acesso em: 20 mar. 2023.

KESTER, Grant H. Colaboração, arte e subculturas. In: HARA, Helio (org.). Caderno Videobrasil 02 - Arte Mobilidade Sustentabilidade. São Paulo: Associação Cultural Videobrasil: SESC-São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/vbonline/bd/index.asp?cd_entidade=483578&cd_idioma=18531. Acesso em: 30 abr. 2008.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KWON, Miwon. Um lugar após o outro: anotações sobre Site Specificity. Tradução: Jorge Menna Barreto. October 80, MIT Press, 1997.

LACY, Suzanne. Mapping the Terrain: New Genre Public Art. Seattle: Ed. Bay Press, 1995.

LADDAGA, Reinaldo. Estética de la emergência: la formación de otra cultra de las artes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

MARTINS, Leda Maria. Performances do tempo espiralar, poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021. (Coleção Encruzilhada).

MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O simbolismo dos adinkra. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin; GÁ, Luiz Carlos (org.). Adinkra: sabedoria em símbolos africanos. 2. ed. Rio de Janeiro: Cobogó: Ipeafro, 2022. p. 18-20.

NIEMEYER, Casa. Arte e História da Arte (?). Medium. Publicado em 11 ago. 2020. Disponível em: https://medium.com/@casaniemeyer/arte-e-hist%C3%B3ria-da-arte-8fcd68e301bf. Acesso em: 20 mar. 2023.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividades. Porto Alegre: Sulina, 2012.

PRECIADO, Paul B. Transfeminismo. São Paulo: n-1 edições, 2018.

OXALÁ, Pai Paulo de. Oríkì's, As evocações Poderosas dos Orixás. Jornal Extra. 28 fev. 2013. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/religiao-e-fe/pai-paulo-de-oxala/orikis-as-evocacoes-poderosas-dos-orixas-7696192.html. Acesso em: 29 jun. 2023.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

RIBEIRO, Katiúscia. O futuro é ancestral. Le Monde Diplomatique Brasil. 19 nov. 2020. Disponível em: https://diplomatique.org.br/o-futuro-e-ancestral/. Acesso em: 22 jan. 2023.

ROLNIK, Suely. Alteridade a céu aberto: o laboratório poético-político de Maurício Dias & Walter Riedweg. In: Posiblemente hablemos de lo mismo, catálogo da exposição da obra de Mauricio Dias e Walter Riedweg. Barcelona: MacBa (Museu d’Art Contemporani de Barcelona), 2003.

RUFINO, Luiz. Batalha contra o desencanto: a encruza como chegada. Revista Cult. Dossiê Filosofia e Macumba. São Paulo, ano 2, n. 254, fev. 2020. São Paulo: Bregantini, 2020.

SALAMI, Sikiru. Poemas de Ifá e Valores de Conduta Social entre os Yorubá na Nigéria. 1999. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

SANTANA, Antônia Braz. Saberes dos matos Pataxó. Organização de Ana Boross Queiroga Belizário, Victor André Martins de Miranda. Belo Horizonte: Teia dos Povos: Piseagrama, 2022.

SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz; HADDOCK-LOBO, Rafael. Arruaças: uma filosofia popular brasileira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. 200 p.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis: Vozes, 2017.

SZTUTMAN, Renato. Encontros: entrevista com Eduardo Viveiros de Castro. Apresentação de Guilherme Zarovs. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2007.

TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores civilizatórios afrodiaspóricos. In: BRANDÃO, Ana Paula. Saberes e fazeres, v. 1: modos de Ver. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006. p. 97-100. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2011/06/Caderno1_ModosDeVer.pdf. Acesso em: 29 jun 2023.

TURINO, Célio. Quando a rebeldia ancestral é transmitida. Outras palavras. Disponível em: https://outraspalavras.net/descolonizacoes/quando-a-rebeldia-ancestral-etransmitida/. Acesso em: 2 abr. 2023.

WRIGHT, Stephen.A delicada essência da colaboração artística. Tradução de Marcelo Wasem. PÓS: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA/UFMG, v. 10, n. 20, p. 282-304, nov. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/20687/. Acesso em: 23 mar. 2023.

WASEM, Marcelo. Desejos, imprevistos e improvisos no projeto Rádio Interofônica #5. Global Brasil Revista Nômade. Rio de Janeiro: Ponto de Mídia Livre, 2012. p. 19. (v. 1).

Downloads

Publicado

2023-08-01

Como Citar

WASEM, M. S. Outras encruzas para a arte pública: elementos das cosmovisões ameríndias e afrodiaspóricas na trama entre outras temporalidades alternativas, comunidades com multiplicidades e diferentes ensinagens. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 28, p. 31–58, 2023. DOI: 10.35699/2238-2046.2023.46037. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/46037. Acesso em: 4 mar. 2024.