A DESARTICULAÇÃO DO ANDROCENTRISMO E DA DISCRIMINAÇÃO INTERSECCIONAL POR MEIO DO ENSINO DA ARTE CONTEMPORÂNEA

Autores

  • Valdoni Ribeiro Batista Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Brasil
  • Margarida Gandara Rauen Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Brasil

Palavras-chave:

Cultura, gênero, ação pedagógica.

Resumo

Este artigo defende a formação de professores(as) engajados(as) na desarticulação do androcentrismo e da discriminação interseccional no campo da arte. Relacionamos o conceito feminista de interseccionalidade, de Kimberlé Crenshaw (2002), à teoria de Pierre Bourdieu (2012, 2008, 1998), para discutir a subvalorização de artistas mulheres como uma disposição adquirida. Destacamos os múltiplos fatores de estigmatização de identidades que devem ser evitados no processo de seleção de conteúdos curriculares e, dada a representatividade de mulheres artistas de várias origens culturais na arte contemporânea, comentamos quatro obras relevantes no contexto do ensino fundamental brasileiro.

Biografia do Autor

Valdoni Ribeiro Batista, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Brasil

Mestrando em Educação, na linha de pesquisa “Educação, Cultura e Diversidade”, PPGE-UNICENTRO, Guarapuava, Paraná. Licenciado em Arte-Educação pela UNICENTRO. Pós-graduado Lato Sensu em Ensino em Tempo Integral pela Faculdade São Braz, Curitiba, Paraná. E-mail: valdoniribeiro@hotmail.com

Margarida Gandara Rauen, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Brasil

Ph.D. em Teatro, Michigan State University, E.U.A. Aposentou-se como professora Associada do Departamento de Arte da UNICENTRO e permanece docente colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE). Orientadora na linha de pesquisa “Educação, Cultura e Diversidade”. Líder do Grupo de Pesquisa em Artes da UNICENTRO. E-mail: margie.g.rauen@gmail.com.

Referências

ANDRADE [Souto-Maior], Valéria. Índice de dramaturgas brasileiras do século XIX. Florianópolis: Mulheres, 1996.

ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. 2 ed. Trad. Alexandre Krug; Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

ARSLAN, Luciana Mourão; IAVELBERG, Rosa. Ensino de arte. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

AUGUSTO, Geri. Transnacionalismo negro: a encruzilhada de AMEFRICAN@S. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 25-38, jan./abr. 2016, p. 25-38. Disponível em:

<https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/viewFile/2281/1589> Acesso em 25 de abril de 2017.

BARBOSA, Ana Mae. An interculturalist declaration of principles. In: GONÇALVES, Susana. MAJHANOVICH, Suzanne. Art and intercultural dialogue. Rotterdam: Sense Publishers, 2016, p. 24-37.

BATISTA, Valdoni R. A desnaturalização do androcentrismo por meio de uma prática de pesquisa-ação no estágio de Licenciatura em Arte-Educação da Unicentro. 2017. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade do Centro Oeste Guarapuava, 2017.

BOZZANO, Hugo B; FRENDA, Perla; GUSMÃO, Tatiane Cristina. Arte em Interação. 1ed. Volume único, São Paulo, IBEP, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação/Secad. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afrobrasileira e africana na educação básica. 2004.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: arte. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/arte.pdf> Acesso em: 18 de abril de 2017.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Küehner. 11ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

______. Razões práticas: Sobre a teoria da ação. 9ª Ed. Trad. Mariza Correa Campinas: Papirus. 2008.

______. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomáz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de. et al. Inclusão da temática de gênero no curso de pedagogia da Universidade Federal da Paraíba: primeiro passos. Espaço do Currículo, Campina Grande, v.7, n.2, Maio a Agosto 2014. p. 262-275.Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/viewFile/rec.2014.v7n2.262275/1 1382.>. Acesso em: 27/06/2017

CAUQUELIN, Anne. Arte Contemporânea: uma introdução. Trad. Rejane Janowitzer. São Paulo: Martins, 2005.

CRENSHAW, Kimberlé. Documentos para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero. Trad. Liane Schneider. Estudos Feministas, ano 10, n.1: p. 171-188, 2002.

DOMINGOS FILHO, Doacir; RAUEN, Margarida G. Ensino de Arte e pluralidade de gênero em materiais didáticos. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s World’s Congress (Anais Eletrônicos), Simpósio Temático 156, Educação e Gênero: Desafios. Florianopolis, 2017. Site<http://www.fazendogenero.ufsc.br/wwc2017/>.

FARTHING, Stephen. Tudo sobre arte: os movimentos e as obras mais importantes de todos os tempos. Trad. Paulo Polzonoff. Rio de Janeiro: Sextante, 2011.

FERRARI, Solange dos Santos Utuari; LIBÂNEO, Daniela Leonardi; SARDO, Fábio; FERRARI, Pasvoa Fernando. Por Toda Parte: Volume Único. 1 ed. São Paulo: FTD, 2013.

FISCHER, Stela Regina. Expressões de Gênero: a resignificação do feminismo nos processos criativos de performers, artistas teatrais e ativistas latino-americanas na atualidade. In: ANAIS Complementares, Fazendo Gênero, 10, Forianópolis, 2013. Disponível em: <http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373298 594_ARQUIVO_fazendogenero2013_StelaFischer.pdf> Acesso em 20 de abril de 2017.

FONSECA, Rui Pedro. Carreira, arte feminista e mecenato: uma abordagem à dimensão económica do circuito artístico principal sob uma perspectiva de género. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Vol. XXVI, 2013, pág. 113-137.

LISITA, Verbena; ROSA, Dalva; LIPOVETSKY, Noêmia. Formação de professores e pesquisa: uma relação possível? In: ANDRÉ, Marli (org). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas, SP: Papirus, 2001, p. 107-127.

MARQUES, Jorge. Finas Flores: Mulheres letristas na canção brasileira. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2015.

McNAY, Lois. Agency. In: DISCH, Lisa; HAWKESWORTH, Mary (editores). The Oxford Handbook to Feminist Theory. Oxford: Oxford University Press, 2015, p. 1-26 online.

MIRANDA, Marília G. O professor pesquisador e sua pretensão de resolver a relação entre teoria e a prática na formação de professores. In: ANDRÉ, Marli (org). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas, SP: Papirus, 2001. p. 129-143.

MOUDATSOS, Rodanthi Mihail. Dificuldades para ensinar arte contemporânea, 2013. Disponível em:

http://artenaescola.org.br/sala-de-leitura/artigos/artigo.php?id=69930> Acesso em: 07 de abril 2017.

NARDIN, Heliana Ometto; FERRARO, Mara Rosângela. Artes Visuais na Contemporaneidade: marcando presença na escola. In: FERREIRA, Sueli (org.). O Ensino de Artes: construindo caminhos. Ed. 7, Campinas, São Paulo: Papirus, 2009. p. 181-224.

NASCIMENTO, Maria Cristina do. Artivismo feminista: Loucas de Pedra Lilás na luta antirracista. In: REDOR, 18, Recife, 2014. Anais, Recife: 2014. p. 3295 – 3306.

NOCHLIN, Linda. Women, art and power and other essays. New York: Harper and Row, 1988.

NORANJO, Julio Moracen. Capulanas em Contraponteio: onde começa a ação na aurora dum destino. In: PAIXÃO, Adriana. Et al. [EM]GOMA dos pés à cabeça, os quintais que sou: Capulanas Cia de Arte Negra. São Paulo: Capulanas, 2011. p. 61-77.

PAIXÃO, Adriana et al. [EM]GOMA dos pés à cabeça, os quintais que sou: Capulanas Cia de Arte Negra. São Paulo: Capulanas, 2011.

PARANÁ. Arte: Ensino Médio. 2ª Ed. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação/SEED-PR, 2006.

PERROT, Michele. As Mulheres e os Silêncios da História. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena, Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis -Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24, 2005/2006 Acesso em: http://nead.uesc.br/arquivos/Biologia/reoferta_estagio_3_4/estagio_3/>Acesso em: 08 de set. de 2016.

SILVA, Salloma S. J. da, Capulanas Cia de Arte Negra: sob o signo da reinvenção. In: PAIXÃO, Adriana. Et al. [EM]GOMA dos pés à cabeça, os quintais que sou: Capulanas Cia de Arte Negra. São Paulo: Capulanas, 2011. p. 93-104.

SOUZA, Maria Cristina de. A tradição obscura: o teatro feminino no Brasil. Rio de Janeiro: Bacantes, 2001.

VAZ, Adriana. Instituições Culturais: Gênero Narrativa e Memórias. Revista Científica FAP. Curitiba, v.4, n.1, p. 1-19, 2009.

VINCENZO, Elza C. de. Um teatro da mulher: dramaturgia feminina no palco brasileiro contemporâneo. São Paulo: Perspectiva, 1992.

Downloads

Publicado

2017-11-22

Como Citar

BATISTA, V. R.; RAUEN, M. G. A DESARTICULAÇÃO DO ANDROCENTRISMO E DA DISCRIMINAÇÃO INTERSECCIONAL POR MEIO DO ENSINO DA ARTE CONTEMPORÂNEA. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 72–95, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15498. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática