Avaliação de software livre educacional: investigando o potencial de utilização do KDEDU nos anos iniciais do ensino fundamental

Autores

  • Rafaela da Silva Melo Estudante do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Breno Gonçalves Bragatti Neves Aluno PEC do Programa de Pós Graduação em Educação da UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.6.2.90-105

Palavras-chave:

Avaliação de Software Educacional. Software Livre. Ensino Fundamental.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo investigar o potencial dos softwares educacionais livres do projeto KDEdu para a utilização nos anos iniciais do ensino fundamental, além de apresentar contribuições e sugestões para o seu aperfeiçoamento. Destaca-se as contribuições de Campos (1993) e Boff & Reategui (2005), ao considerarem que avaliar um software educativo é levantar as reais possibilidades que determinado software apresenta para o processo de ensino e de aprendizagem. A metodologia utilizada consistiu na elaboração e aplicação de uma checklist baseada em critérios pedagógicos, com ênfase nas competências sugeridas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN's) para os anos iniciais do Ensino Fundamental e em critérios ergonômicos baseados nas atribuições da NBR ISO/IEC 9126-1 para a avaliação da qualidade de softwares. Posteriormente, foi realizada a análise e a avaliação de quatro diferentes aplicativos desenvolvido pelo projeto KDEdu (Kanagram, Kturtle, Marble e Kbruch). A partir da avaliação dos softwares livres educacionais do projeto KDEdu, constatamos que, de um modo geral, estes apresentam propostas pedagógicas em consonância com a proposta curricular nacional, documentação consistente em língua portuguesa, são livres e necessitam de poucos recursos computacionais. Fatores que, se combinados, podem facilitar e ampliar a utilização de softwares livres educacionais nas instituições educativas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela da Silva Melo, Estudante do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bolsista pela Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Centro de Formação Continuada de Professores FORPROF/RENAFOR/UFRGS. Aluna do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Seus interesses de pesquisa circulam entre Educação e Cibercultura, Software Livre, Objetos de Aprendizagem, Inclusão Digital, Recursos Educacionais Abertos, Formação Continuada e EaD. Participa do GT Comunicação do Fórum Internacional do Software Livre e integra a Rede Internacional de Software Livre - RISoL.

Breno Gonçalves Bragatti Neves, Aluno PEC do Programa de Pós Graduação em Educação da UFRGS

Bacharel em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul em 2010/2, com trabalho de título "Esteganografia: Segurança e Privacidade", orientação de Ana Cristina Benso da Silva. Possui experiência em Gerência de Redes, Software Livre, Segurança da Informação, Criptografia, Esteganografia, Privacidade, Sistemas WEB e Padrões Abertos Estruturados. Tem interesse em aplicações de Software Livre na Educação e no Acesso Universal.

Referências

BOFF, E.; REATEGUI, E. A importância do processo de avaliação de software educativo. In: Seminário Nacional de Tecnologia na Educação. Anais do SNTE, 2005, Caxias do Sul, RS. Disponível em: http://ccet.ucs.br/dein/nase/snte2005.PDF. Acesso em: 13 jul. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares nacionais as séries iniciais do ensino fundamental: Introdução. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares nacionais as séries iniciais do ensino fundamental: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais as séries iniciais do ensino fundamental: História e Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAMPOS, G. H. B; ROCHA, A. R. C. Avaliação da Qualidade de Software Educacional. Em Aberto. v. 12, n. 57. Brasília. p. 32-45, 1993.

CAMPOS, A. O que é software livre. BR-Linux. Florianópolis, março de 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2013.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 6. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2010.

FAGUNDES, L.C. A psicogênese das condutas cognitivas da criança em interação com o computador. Tese (Doutorado) — IP, USP. São Paulo, 1986.

GAMA, C. L. G. ; SCHEER, S. Levantamento das Características de Objetos Educacionais para Apoio ao Ensino e Aprendizagem de Métodos Numéricos. In: IV Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática. Anais da IV Bienal. v. 1. Maringá., 2008.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

ROMERO, R.L.; ANDRADE, R.; PIETROCOLA, M.. Parâmetros para análise de roteiros de Objetos de Aprendizagem. In: Simpósio Nacional do Ensino de Física. 18, Vitória, ES, 2009. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xviii/sys/resumos/T0238-1.pdf. Acesso: 21 ago. 2013.

SILVEIRA, S. A.; CASSINO (Org.). Software Livre e Inclusão Digital. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2003.

SOUZA, M. F. C et al. LOCPN: Redes de Petri Coloridas na Produção de Objetos de Aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação. v. 15, n. 3, p. 39-42. 2007. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/16. Acesso: 15 mai. 2012.

SOUZA SANTOS, B. (Org.). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

VIEIRA, F.M.S. Avaliação de Software Educativo: Reflexões para uma Análise Criteriosa. 1999. Disponível em: http://www.edutecnet.com.br/edmagali2.htm. Acesso em: 10 ago. 2013.

Downloads

Publicado

27-11-2013

Como Citar

MELO, R. da S.; NEVES, B. G. B. Avaliação de software livre educacional: investigando o potencial de utilização do KDEDU nos anos iniciais do ensino fundamental. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 6, n. 2, p. 90–105, 2013. DOI: 10.17851/1983-3652.6.2.90-105. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16646. Acesso em: 16 abr. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)