Fatores associados à utilização da atenção primária pela população adulta de belo horizonte, minas gerais, segundo inquérito telefônico

Autores

  • Rosângela Durso Perillo Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-4791-2317
  • Kátia Crestine Poças Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina Brasília, DF , Brasil, Universidade de Brasília - UnB, Faculdade de Medicina Brasília, DF - Brasil http://orcid.org/0000-0002-1254-8001
  • Isis Eloah Machado Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-4678-2074
  • Regina Tomie Ivata Bernal Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem - EE, Programa de Pós-graduação. Belo Horizonte, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-7917-3857
  • Elisabeth Carmen Duarte Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina Brasília, DF , Brasil, Universidade de Brasília - UnB, Faculdade de Medicina Brasília, DF - Brasil http://orcid.org/0000-0001-9148-5063
  • Deborah Carvalho Malta UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Maternoinfantil e Saúde Pública, Belo Horizonte Minas Gerais , Brasil, UFMG, EE, Departamento de Enfermagem Maternoinfantil e Saúde Pública. Belo Horizonte, Minas Gerais - Brasil http://orcid.org/0000-0002-8214-5734

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49961

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Avaliação de Serviços de Saúde, Serviços de Saúde, Estilo de Vida, Doença Crônica, Inquéritos Epidemiológicos

Resumo

OBJETIVO: analisar o perfil de utilização dos serviços de atenção primária à saúde (APS) e a associação com as características sociodemográficas, condições de saúde, os fatores de risco comportamentais para as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). MÉTODOS: análise do modulo sobre a avaliação da APS incluído no inquérito telefônico Vigitel 2015. Foram entrevistados 2.006 adultos. Os critérios de elegibilidade foram adultos ≥18 anos que utilizaram a APS nos 12 meses anteriores à entrevista. Foram calculadas as razões de prevalência bruta e ajustada por escolaridade e raça/cor. Utilizou-se a regressão de Poisson para verificar a associação da utilização da APS com características sociodemográficas, condições de saúde e fatores de risco. RESULTADOS: observou-se que a utilização da APS foi maior entre entrevistados sem plano de saúde (RP=1,76; IC95% 1,551,99); com baixa escolaridade, isto é, ≤8 anos de estudo (RP 1,59; IC95% 1,35-1,87), seguido de nove a 11 anos de estudos (RP 1,37; IC95% 1,16-1,61); e as mulheres (RP 1,34; IC95% 1,19-1,51). Usaram menos APS os entrevistados que referiram uso abusivo de álcool (RP=0,79; IC95% 0,66-0,95) e na faixa etária de 40 a 59 anos (RP 0,93; IC95% 0,88-0,99). CONCLUSÃO: o inquérito telefônico consiste em ferramenta útil para conhecer a realidade de saúde da população. O estudo atual pela primeira vez analisou módulo-piloto do Vigitel sobre uso de serviços de saúde e identificou que a utilização da APS foi mais frequente na população de baixa escolaridade, sem planos de saúde, mulheres, 40 a 59 anos e em uso abusivo de álcool.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Travassos C, Castro MSM. Determinantes e desigualdades sociais no acesso e na utilização dos serviços de saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, editores. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 183-206.

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde Debate. 2018[citado em 2019 ago. 11];42(n. spe1):18-37. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42nspe1/0103-1104-sdeb-42-spe01-0018.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria n 221, de 17 de abril de 2008. Publica, na forma do Anexo desta Portaria, a Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Diário Oficial da União. Brasília: MS; 2008[citado em 2019 ago. 30]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html

Starfield B. Avaliação Primária: uma visão da população. In: Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde; 2002. p. 481-532.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 339, de 04 de março de 2013. Redefine o Componente Ampliação do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde (UBS). Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde; 2013[citado em 2019 ago. 30]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0339_04_03_2013.html

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012[citado em 2019 ago. 28]. 110 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016 [citado em 2019 ago. 28]; 21(2):327-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n2/1413-8123-csc-21-02-0327.pdf

Ministério da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2015: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2015 [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 160p.: il.

Poças KC, Perillo RD, Bernal RTI, Malta DC, Duarte EC. Primeira escolha para utilização de serviços de saúde pela população adulta do Distrito Federal, 2015: um inquérito de base populacional. Epidemiol Serv Saúde. 2019[citado em 2019 ago. 29];28(2):e2018124. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v28n2/2237-9622-ress-28-02-e2018124.pdf

Bernal RTI, Iser BPM, Malta DC, Claro RM. Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel): mudança na metodologia de ponderação. Epidemiol Serv Saúde. 2017[citado em 2019 ago. 29];26(4):701-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n4/2237-9622-ress-26-04-00701.pdf

Cesar CLG, Goldbaum M. Usos de serviços de saúde. In: Cesar CLG, Carandina L, Alves MCGP, Azevedo MB, Goldbaum M. Saúde e condição de vida em São Paulo: inquérito multicêntrico de saúde no Estado de São Paulo: ISA-SP. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2005. p. 185-98.

Iser BPM, Malta DC, Duncan BB, Moura L, Vigo A, Schmidt MI. Prevalence, correlates, and description of self-reported diabetes in Brazilian capitals: results from a telephone survey. PLos ONE. 2014[citado em 2019 ago. 29];9(9):e108044. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4177870/pdf/pone.0108044.pdf

Stopa SR, Malta DC, Monteiro CN, Szwarcwald CL, Goldbaum M, Cesar CLG. Acesso e uso de serviços de saúde pela população brasileira, Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rev Saúde Pública. 2017[citado em 2019 ago. 29];51(Suppl 1):3s. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51s1/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051000074.pdf

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Araújo SSC, Silva MMA, Freitas MIF, et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev Saúde Pública. 2017[citado 2019 ago. 29];51(Suppl 1):4s. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003489102017000200306&script=sci_arttext&tlng=pt

Poças KC, Freitas LRS, Duarte EC. Censo de estrutura da Atenção Primária à Saúde no Brasil (2012): estimativas de coberturas potenciais. Epidemiol Serv Saúde. 2017[citado 2019 ago. 12];26(2):275-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n2/2237-9622-ress-26-02-00275.pdf

Ministério da Saúde (BR). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília; 1990. Brasília: MS; 1990[citado em 2019 ago. 29]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2019 ago. 29];21(2):327-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n2/1413-8123-csc-21-02-0327.pdf

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004[citado em 2019 ago. 29];20(Supl 2):S190-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v20s2/14.pdf

Vidal TB, Tesser CD, Harzheim E, Fontanive PVN. Avaliação do desempenho da Atenção Primária à Saúde em Florianópolis, Santa Catarina, 2012: estudo transversal de base populacional. Epidemiol Serv Saúde. 2018[citado em 2019 ago. 29];27(4):e2017504. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v27n4/2237-9622-ress-27-04-e2017504.pdf

Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, Torre GD. Desigualdades sociais na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD-2003. Ciênc Saúde Colet. 2006[citado em 2019 ago. 29];11(4):911-26. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v11n4/32329.pdf

Viacava F, Bellido JG. Condições de saúde, acesso a serviços e fontes de pagamento, segundo inquéritos domiciliares. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2019 ago. 29];21(2):351-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n2/1413-8123-csc-21-02-0351.pdf

Nunes BP, Flores TR, Garcia LP, Chiavegatto Filho ADP, Thumé E, Facchini LA. Tendência temporal da falta de acesso aos serviços de saúde no Brasil, 1998-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2016[citado em 2019 ago. 12]; 25(4):777-87. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-25-04-00777.pdf

Hone T, Rasella D, Barreto ML, Majeed A, Millett C. Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: a national longitudinal analysis. PLoS Med. 2017[citado em 2019 ago. 29];14(5):e1002306. Disponível em: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1002306

Machado IE, Monteiro MG, Malta DC, Lana FCF. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: relação entre uso de álcool e características sociodemográficas segundo o sexo no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2017[citado em 2019 ago. 29];20(3):408- 22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n3/1980-5497-rbepid-20-03-408.pdf

Publicado

08-06-2020

Como Citar

1.
Perillo RD, Poças KC, Machado IE, Bernal RTI, Duarte EC, Malta DC. Fatores associados à utilização da atenção primária pela população adulta de belo horizonte, minas gerais, segundo inquérito telefônico. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 8º de junho de 2020 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49961

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>