Revisitando Edward Yang. Imagética, autoficção e temporalidade

  • Marcos Aurélio Felipe Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) / Centro de Educação (CE) / Departamento de Práticas Educacionais e Currículo (DPEC)
Palavras-chave: Edward Yang, Regimes Narrativos, Linguagem do cinema

Resumo

RESUMO – Consiste no estudo da imagética, da história e da temporalidade em Edward Yang. Busca investigar como essas dimensões são configuradas em um regime de imagéitéque, a partir da concepção de rede cinematográfica, estrutura-se em graus de aproximações e distanciamentos entre visibilidade e invisiblidade, na materialidade narrativa da história e na temporalidade labiríntica e circular. Com a análise fílmica e contextual de Aquele dia na praia(1983), Um dia quente de verão(1991) e As coisas simples da vida(2000), conclui-se que, ao configurarem regimes narrativos sobre questões centrais do cinema (imagéticos, históricos e temporais), os filmes se constituem como linguagem na dialética com a realidade que abordam e com o mundo histórico que (re)inventam, com doses significativas de autoficcionalização e intersecção entre histórias individuais e coletivas.

Palavras-chave: Edward Yang. Regimes narrativos. Linguagem do cinema.

 

Edward Yang Revisited – Imagery, autofiction and temporality 

ABSTRACT– This study deals with imagery, history and temporality in the Edward Yang. The aim of this study is to investigate how these dimensions are configured through a regime de imagéité (regime of imagery) that, based on the conception of the cinematographic network, is degrees of closeness and distance of visibility and invisibility, is formed by the narrative materiality of the story, its labyrinthine and circular temporality, and in. A contextual and filmic analysis of  That day, on the beach(1983), A brighter summer day(1991) and Yi Yi(2000), was carried out. Results show that, through the configuration of narrative regimes regarding the central questions of cinema (imagery, history and temporality), these films are constituted as language, while also being constituted in a dialectical relationship with the social reality that they address and with the historical world that they (re)invent, (trans)figure and (de)construct, with significant doses of autofiction and intersection between individual and collective histories.  

Keywords: Edward Yang. Narrative Regimes. Language of cinema.

Biografia do Autor

Marcos Aurélio Felipe, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) / Centro de Educação (CE) / Departamento de Práticas Educacionais e Currículo (DPEC)

Professor associado do Centro de Educação-CE, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Integra o corpo docente do Departamento de Práticas Educacionais e Currículo (DPEC). Tem graduação em história, mestrado e doutorado em educação pela UFRN. Atua nos componentes da área das tecnologias e linguagens na educação. Tem publicações em periódicos nacionais e internacionais. Pesquisa história e linguagem do documentário, cinematografias contemporâneas e, atualmente, desenvolve projeto de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM/UFPE) sobre cinema indígena, a partir das produções audiovisuais e das dimensões formativas da ONG Vídeo nas Aldeias (VNA).

 

PUBLICAÇÕES – ÚLTIMOS TRÊS ANOS

 

Publicações de artigos - 2018:

FELIPE, Marcos Aurélio. Aportes para análise fílmica em contextos educativos: o cinema de Aloysio Raulino (1968-1980)”. IN: NORONHA, Claudianny Amorim; BARBOSA, Tatyana Mabel Nobre; ARAÚJO, Magnólia Floriano Fernandes de (Orgs.). Leitura e escrita em diferentes contextos de aprendizagem: letramentos, sustentabilidade e perspectiva de ensino.São Paulo:Editora Livraria da Física, 2018. p. 259-287

FELIPE, Marcos Aurélio. O filme documentário (1922-1960): artifício, registro e (re)produção da realidade. Doc On-line – Revista Digital de Cinema Documentário, n. 23, p. 105-128, mar.  2018. DOI: http://dx.doi.org/10.20287/doc.d23.ar02

FELIPE, Marcos Aurélio. 2018. Escrituras fílmicas problematizadoras do mundo histórico: a ‘questão indígena’ no Brasil. Famecos – mídia, cultura e tecnologia, v. 25, n. 2, p. 1-30, mai./ago. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2018.2.29351

FELIPE, Marcos Aurélio. Problemáticas do contemporâneo em Tsai Ming-Liang: memória, distanciamentos e sexualidade. Aniki – Revista Portuguesa da Imagem em Movimento, v. 5, n. 2, p. 257-283, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.14591/aniki.v5n2.361

 

Publicações de artigos - 2019

FELIPE, Marcos Aurélio. Variações sobre o cinema de Vincent Carelli: múltiplos reflexos – DOC On-line – revista digital do cinema documentário– Universidade da Beira Interior (UBI, Portugal / Unicamp). DOI: http://dx.doi.org/10.20287/doc.d25.dt01

FELIPE, Marcos Aurélio. Contranarrativas fílmicas Guarani Mbya: atos decoloniais de desobediência estética e institucionais – Matrizes – Revista da Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP).DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p231-254

 

Artigos aceites - 2019:

FELIPE, Marcos Aurélio. Dimensões (Auto)biográficas em Hou Hsiao-hsien – E-Compós– Revista da Compós - dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Brasil. Publicação prevista para 2019.2.

FELIPE, Marcos Aurélio. Escrituras documentárias contra a barbárie – Caiana– Revista de Historia del Arte y Cultura Visual  del Centro Argentino (Caia). Argentina. Publicação prevista para julho/2019.

Publicado
2019-11-22
Como Citar
AURÉLIO FELIPE, M. Revisitando Edward Yang. Imagética, autoficção e temporalidade. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 286-311, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção aberta