Viagem crítico-sentimental à 10ª Bienal de São Paulo e às outras edições

Autores

  • João Coviello PUCPR

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.29087

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo, História da Arte, Arte Contemporânea, Estética

Resumo

O objetivo deste ensaio é analisar o papel da Bienal de São Paulo e retratá-la como um dos grandes eventos culturais do país desde sua primeira edição, em 1951. Apesar desta importância, sua face polêmica a acompanha desde então. A 1ª, a 10ª e a 28ª edições são modelos de importância e conflitos abordados neste ensaio. A 10ª, em especial,
é observada através dos olhos de um espectador mirim, e considerada por ele como a maior exposição de todos os tempos, apesar de ser a mais criticada dentre todas as edições. Os dramas pessoais e morais que envolveram essa edição são analisados, bem como a experiência estética única vivida pelo fruidor mirim, personagem principal
desta análise.

Referências

AMARAL, Aracy. Arte para quê: a preocupação social na arte brasileira, 1930-1970. São Paulo: Studio Nobel, 2003.

AMARAL, Aracy. O boicote à X Bienal: extensão e significado. In: Arte e meio artístico: entre a feijoada e o x-burger (1961-1981). São Paulo: Nobel, 1983. p. 155-159.

AMARANTE, Leonor. As Bienais de São Paulo, 1951-1987. São Paulo: Projeto Editores Associados, 1989.

BERCOWITZ, Marc. Catálogo da X Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, 1969.

DANTO, Arthur. A transfiguração do lugar-comum: uma filosofia da arte. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

DANTO, Arthur. As novas feiras. Entrevista a Felipe Chaimovich. Folha de S.Paulo, 20 maio 2001. Caderno especial “Bienal 50 Anos”.

GOLDFARB, José Luiz. Voar também é com os pássaros: o pensamento de Mário Schenberg. São Paulo: Edusp, 1994.

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Exposição e Crítica – Um enfoque em duas direções. In: BERTOLI, Mariza; STIGGER, Veronica (org.). Arte, crítica e mundialização. São Paulo: Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008. p. 45-55.

LOBO, Luiz. Este elefante chamado Bienal. Revista Realidade, São Paulo: Ed. Abril, ago. 1969.

MATARAZZO SOBRINHO, Francisco. Catálogo da X Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, 1969.

MESQUITA, Ivo. Jornal Semanal da 28ª Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, 24 out. 2008.

MESQUITA, Ivo.; COHEN, Ana Paula. Introdução. In: GUIA da exposição “Em vivo contato”. 28ª Bienal de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2008. p. 17-27.

PEDROSA, Mário. A Bienal de cá para lá. In: ARANTES, Otília (org.). Política das Artes. São Paulo: Edusp, 1995. p. 217-284.

SCHENBERG, Mário. Catálogo da X Bienal de São Paulo. Fundação Bienal de São Paulo, 1969.

SCHENBERG, Mário. Diálogos com Mário Schenberg. Coordenação Geral de Lourdes Cedran. São Paulo: Nova Stella Editorial, 1985.

SCHENBERG, Mário. Mário Schenberg: Entre-Vistas. Organização de Gita K. Guinsburg e José Luiz Goldfarb. São Paulo: Perspectiva, 1984.

SCHENBERG, Mário. Pensando a Arte. São Paulo: Nova Stella Editorial, 1988.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

COVIELLO, J. Viagem crítico-sentimental à 10ª Bienal de São Paulo e às outras edições. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 291–310, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.29087. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/29087. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta