Competência digital docente

linhas de orientação dos referenciais

Palavras-chave: competências digitais, referenciais educacionais, formação docente

Resumo

Este estudo analisa as conceções de competência digital docente defendidas em referenciais elaborados por Portugal (GEPE), Espanha (INTEF), França, União Europeia (UE), UNESCO e pela International Society for Technology in Education (ISTE). Esta análise tem como objetivos (i) caraterizar a estrutura de competências apresentada pelos diversos referenciais, (ii) identificar especificidades dos referenciais e (iii) compreender as principais linhas de ação dos referenciais. A metodologia adotada foi a de análise de conteúdo de caráter indutivo, suportada por uma grelha de recolha de dados categorizada segundo o objetivo do estudo. Como resultados, apresentamos uma análise comparativa entre esses referenciais, que categoriza, especifica e identifica as principais linhas de orientações das competências digitais docentes. A relevância do estudo funda-se no atual contexto da sociedade que coloca a educação e o professor no foco de uma agenda emergente que se traduz na necessidade de orientações para uma formação contínua do profissional docente que desenvolva as competências digitais geradoras de novas práticas pedagógicas. Da investigação poderá resultar conhecimento científico para projetos futuros de políticas públicas, de países que desejam desenvolver referenciais educativos, ou para instituições de formação inicial e contínua de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Claudia Loureiro, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança

Doutora pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), mestre em Ciências da Comunicação e Educação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECAUSP), especialista em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e pedagoga pela Universidade São Judas Tadeu. Docente na área de tecnologias educacionais na escola básica e como professora em cursos de Ensino Superior e formação de professores na área de tecnologias educacionais. Coordenadora do curso de pós-graduação em Mediação Pedagógica e Tecnologias Educacionais do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP). Atualmente é pós-doutoranda na área de Tecnologias na Educação e Formação docente na Escola Superior de Educação de Bragança do Instituto Politécnico de Bragança, Portugal.

Manuel Meirinhos, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança

Professor Coordenador de Nomeação Definitiva do Departamento de Tecnologia Educativa e Gestão da Informação. Licenciado em Ensino de Biologia e Geologia pela Universidade do Minho, Mestrado em Educação, especialidade Tecnologia Educativa, pela Universidade do Minho, Doutoramento em Estudos da Criança, na especialidade Tecnologias de Informação e Comunicação, pela Universidade do Minho, tendo realizado investigação sobre o desenvolvimento profissional docente em ambientes colaborativos de aprendizagem a distância. Tem realizado investigação no âmbito da tecnologia educativa, nomeadamente das tecnologias emergentes em contextos de aprendizagem. Como fruto desta investigação tem resultado a orientação um vasto número e variedade de ações de formação para professores e educadores.

António José Osório, Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho

Professor Associado, com Agregação, da Universidade do Minho, membro do Departamento de Estudos Curriculares e Tecnologia Educativa do Instituto de Educação e investigador do Centro de Investigação em Educação, no grupo de investigação em Tecnologias, Multiliteracias e Curriculum. Experiência docente na formação inicial e contínua de educadores e professores e experiência de investigação em telemática educacional, além de coordenação de vários projetos de investigação, nacionais e internacionais, no âmbito da Tecnologia Educativa ou das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação. Diretor de ciclos de estudos a nível de mestrado e orientador de diversos projetos de mestrado e doutoramento, nessas áreas de especialização.

Referências

ALMERICH, G., SUÁREZ-RODRÍGUEZ, J., DÍAZ-GARCÍA, I., ORELLANA, N. Estructura de las competencias del siglo XXI en alumnado del ámbito educativo. Factores personales influyentes. Educación XX1, v. 23, n. 1, p. 45-74, 2020. Disponível em: http://revistas.uned.es/index.php/educacionXX1/article/view/23853/20479. Acesso em: 10 jan. 2020.

BACICH, L.; MORAN. J. (org.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de metodologia científica. 3 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BESSIÈRES, D. Les TICE au travers du C2i2e: une visée managériale englobante. In: ALEMANNO, S. P. (dir.). Communication organisationnelle, management et numérique. France: Editions l’Harmatan, 2013, p. 111-122.

BESSIÈRES, D. Les enjeux de modernisation des TICE: des genèses d’usages pour des injonctions paradoxales qui se pérennisent avec le C2i2e?. In: XIXème Congrès de la SFSIC – Penser les techniques et les technologies, 2014, Toulon, France. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-01557573/document. Acesso em: 10 nov. 2019.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; Da SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

COMISSÃO EUROPEIA. Recomendação do Conselho de 22 de maio de 2018 sobre as Competências Essenciais para a Aprendizagem ao Longo da Vida. Jornal Oficial da União Europeia, União Europeia, 4 jun. 2018, p. C189/01-C189/13. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32018H0604(01)&from=EN. Acesso em: 13 set. 2019.

COSTA, F. (coord.). Competências TIC. Estudo de Implementação. Vol. I. Lisboa: GEPE-Ministério da Educação, 2008. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/5928 Acesso em: 10 out. 2019.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15536/thema.14.2017.268-288.404. Acesso em: 01 fev. 2020.

ENGESTRÖM, Y. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGESTRÖM, Y.; MIETTINEM, R.; PUNAMAKI, R. L. (eds.). Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press. 1999. p. 19-38.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª. ed. São Paulo: Atlas. 2010.

INTEF. Marco Común de Competencia Digital Docente. out. 2017. Disponível em: https://aprende.intef.es/sites/default/files/2018-05/2017_1020_Marco-Com%C3%BAn-de-Competencia-Digital-Docente.pdf . Acesso em: 20 set. 2019.

ISTE. Standards for Educatores. A Guide for Teachers and Other Professionals. United States of America: Library of Congress Cataloging-in-Publication. 2017. Disponível em: https://www.iste.org/standards/for-educators. Acesso em: 28 nov. 2018.

JOINT RESEARCH CENTRE (JRC) – Science for Policy Report. European Framework for the Digital Competence of Educators: DigCompEdu. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2017. Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcompedu. Acesso em: 16 nov. 2018

LUCAS, M.; MOREIRA, A. DigCompEdu: quadro europeu de competência digital para educadores. Aveiro: UA, 2018. Disponível em: https://area.dge.mec.pt/download/DigCompEdu_2018.pdf. Acesso em 27 nov. 2018.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO, A. Referenciais de competências digitais para a formação de professores. In: XI Conferência Internacional de TIC na Educação – Challenges. Anais Challenges 2019. Braga: Universidade do Minho. 2019. p. 1001-1016.

MINISTÈRE DE L’EDUCATION NATIONALE ET DE LA JEUNESSE. C2i2e. Certificat informatique et internet de l'enseignement supérieur. Bulletin officiel n. 5 du 3 février 2011. Disponível em https://www.education.gouv.fr/cid54844/esrs1000461a.html. Acesso em: 16 out. 2018.

OECD. Innovating Education and Educating for Innovation: The Power of Digital Technologies and Skills. OECD Publishing: Paris, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1787/9789264265097-en . Acesso em 10 jun. 2019.

SCHLEICHER, A. Desafíos para PISA. Relieve, França, v. 22, n. 1, 2016. Disponível em: http://go.uv.es/rY6ogph. Acesso em: 02 nov. 2019.

UNESCO. ICT Competency framework for teachers. versão 2. Paris: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization, 2011. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002134/213475e.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

VALENTE, J.; ALMEIDA, M. E.; GERALDINI, A. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Paraná: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/9900/12386. Acesso em: 14 ago. 2019.
Publicado
2020-07-30
Como Citar
Loureiro, A. C., Meirinhos, M., & Osório, A. J. (2020). Competência digital docente. Texto Livre: Linguagem E Tecnologia, 13(2). https://doi.org/10.35699/1983-3652.2020.24401
Seção
Educação e Tecnologia