Educação em Ciências e Pensamento Bakhtiniano: Uma Análise de Trabalhos Publicados em Periódicos Nacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u121156

Palavras-chave:

Bakhtin, Estado da arte, Educação em Ciências

Resumo

Neste trabalho desenvolvemos uma análise da produção da área de Educação em Ciências relacionada ao pensamento bakhtiniano. Com o objetivo de compreender como esse pensamento tem sido incorporado à área no Brasil, realizamos levantamento, sistematização e análise de trabalhos publicados em periódicos nacionais voltados à Educação em Ciências. Nossas análises apontam quantitativos de produção, dados referentes à origem do pensamento bakhtiniano na área, bem como a caracterização dessa produção quanto aos periódicos, às instituições de origem, principais pesquisadores, natureza de investigação e linhas temáticas. Nossas análises debruçam-se também sobre algumas questões conceituais e metodológicas que envolvem essa produção, de forma a compor uma interpretação de como se constitui o pensamento bakhtiniano na Educação em Ciências. Identificamos trabalhos bastante consistentes, mas também muitas apropriações marcadas pela banalização e deturpação de alguns conceitos, por fragilidades metodológicas resultantes da interpretação do pensamento bakhtiniano como método e por análises mecânicas e superficiais. Percebe-se que há uma tendência de aplicar as ideias do Círculo bakhtiniano, ao invés de pensar a partir delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diomar Caríssimo Selli Deconto, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

É licenciado em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010) e mestre em Ensino de Física pela mesma universidade (2014). Atualmente é estudante de Doutorado em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (Campus Caxias do Sul), atuando em cursos técnicos e de graduação. Tem se dedicado principalmente à área de formação de professores, ao pensamento bakhtiniano na educação em ciências e ao estudo da perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade.

Fernanda Ostermann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

É Licenciada em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e tem Mestrado e Doutorado na área de ensino de Física, ambos também pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. De 1989 a 1992, atuou como professora de Física na rede pública estadual de ensino de Porto Alegre. Por concurso público, ingressou como professora, em 1994, no Departamento de Física da UFRGS. Atualmente, ocupa o cargo de Professor Titular e é membro permanente do Programa de Pós-graduação em Ensino de Física. No período de novembro de 2006 a fevereiro de 2010 foi coordenadora do PPG Ensino de Física. Foi vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC), de 2015 a 2017 e fez parte da Comissão Organizadora Nacional do XI ENPEC, realizado em Florianópolis, em julho de 2017. Foi membro do Conselho Deliberativo do Instituto Latino-americano de Estudos Avançados - ILEA, de 2014 a 2018. Sob sua orientação, duas teses foram agraciadas com o Prêmio CAPES de Tese na área de Ensino (em 2014, o prêmio da melhor tese e, em 2018, a conquista de uma Menção Honrosa). Foi presidente da ABRAPEC (biênio 2017-2019). É Editora do Caderno Brasileiro de Ensino de Física, líder do grupo Pesquisa e Inovação Didática em ensino de Física sob a perspectiva sociocultural, registrado no Diretório de Grupos de pesquisa e é bolsista de produtividade em pesquisa nível 1B do CNPq.

Referências

Amorim, M. (2004). O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa Editora.

Bakhtin, M. (2011). Arte e responsabilidade. In: M. Bakhtin. Estética da Criação Verbal. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (1997). Estética da Criação Verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2013). Problemas da Poética de Dostoievski. 5 ed. Rio de Janeiro: Forence Universtitária.

Bezerra, P. (2013). Prefácio: uma obra à prova do tempo. In: M. Bakhtin, Problemas da Poética de Dostoievski. 5 ed. Rio de Janeiro: Forence Universtitária.

Brait, B. (2006). Análise e teoria do discurso. In: B. Brait (Org.), Bakhtin: outros conceitos-chave (pp. 9-31). São Paulo: Contexto.

Bubnova, T. (2010). Sobre as ruínas de “Bakhtin” ou os perigos da isegoria. In: L. Paula, & G. Stafuzza (Orgs.), Círculo de Bakhtin: diálogos (in)possíveis (pp. 19-32). Campinas: Mercado de Letras.

Bubnova, T. (2011). Voz, sentido e diálogo em Bakhtin. Bakhtiniana: revista de estudos do discurso, 6(2), 268-280.

Faraco, C. A. (1988). Bakhtin: a invasão silenciosa e a “má leitura”. In: C. Faraco. Uma introdução a Bakhtin. Curitiba: Hatier.

Faraco, C. A. (2017). Bakhtin e filosofia. Bakhtiniana: revista de estudos do discurso, 12(2), 45-56.

Faraco, C. A. (2009). Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial.

Faraco, C. A. (2001). O dialogismo como chave de uma antropologia filosófica. In: C. Faraco, C. Ttezza, & G. Castro (Orgs.), Diálogos com Bakhtin (pp. 113-126). 3. ed. Curitiba: Editora da UFPR.

Freitas, M. T. A. (2004). O pensamento de Vygotsky nas reuniões da ANPEd (1998 - 2003). Educação e Pesquisa, 30(1), 109 – 138.

Garcia, J. F. M., & Lima, M. E. C. C. (2009). A abordagem da linguagem no ensino de ciências em teses e dissertações brasileiras. In: Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC: ABRAPEC.

Geraldi, J. W. (2013). Introdução: o mundo não nos é dado, mas construído. In: V. Volochínov. A construção da enunciação e outros ensaios (pp. 7-27). São Carlos: Pedro & João Editores.

Mortimer, E., & scott, P. (2002). Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, 7(3), 283 – 306.

Nardi, R., & Almeida, M. J. P. M. (2008). Educación en Ciencias: lo que caracteriza el área de enseñanza de las Ciencias en Brazil según investigadores brasileños. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, 3, 24-34.

Nicolli, A. A., oliveira, O. B., & cassiani, S. (2011). A linguagem na educação em ciências: um mapeamento das publicações dos ENPECs de 2005 a 2009. In: Anais do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas, SP: ABRAPEC.

Petrilli, S. Em outro lugar e de outro modo. Filosofia da linguagem, crítica literária e teoria da tradução em, em torno de Bakhtin e a partir de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

Pinhão, F., & Martins, I. (2009). A análise do discurso e a pesquisa em ensino de ciências no Brasil: um levantamento da produção em periódicos entre 1998 e 2008. In: Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC: ABRAPEC.

Ponzio, A. (2010). O pensamento dialógico de Bakhtin e de seu Círculo como inclassificável. In: L. Paula, & G. Stafuzza (Orgs.), Círculo de Bakhtin: teoria inclassificável (pp. 293-349). Campinas: Mercado de Letras.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo educaional, 6(19), 37-50.

Seriot, P. (2015). Vološinov e a filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola Editorial.

Souza, G. T. (2002) A construção da Metalinguística (fragmentos de uma ciência da linguagem na obra de Bakhtin e seu círculo). Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Souza, G. S. M., Silva, E. S., Santos, K. N., & Santos, B. F. (2013). A pesquisa sobre linguagem e ensino de ciências no Brasil em teses e dissertações (2000-2011). In: Anais do VIV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP: ABRAPEC, 2013.

Tezza, C. (2002). Polifonia e ética. Revista Cult, 59, 60-63.

Veneu, A. (2012). Perspectivas de professores de física do ensino médio sobre as relações entre o ensino de Física e o mercado de trabalho: uma análise bakhtiniana. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciência e Saúde). Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2020-03-22 — Atualizado em 2020-10-26

Versões

Como Citar

Deconto, D. C. S., & Ostermann, F. (2020). Educação em Ciências e Pensamento Bakhtiniano: Uma Análise de Trabalhos Publicados em Periódicos Nacionais. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 121-156. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u121156 (Original work published 22º de março de 2020)

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>