Um Estudo Metalinguístico sobre as Interpretações do Fóton nos Livros Didáticos de Física Aprovados no PNLDEM 2015: Elementos para uma Sociologia Simétrica da Educação em Ciências

Palavras-chave: Física Quântica, Livro Didático, Latour, Bakhtin.

Resumo

Apresentamos um trabalho de Sociologia Simétrica da Educação em Ciências a partir de um quadro teórico que articula as filosofias de Bruno Latour e de Mikhail Bakhtin. Fazemos uma análise metalinguística dos textos sobre Física Quântica presentes nos livros de Física aprovados no PNLDEM 2015 em dialogia com as interpretações filosóficas do fóton em artigos científicos. Apresentamos as relações dialógicas existentes entre diferentes discursos científicos e didáticos, explicitando a reelaboração de sentido existente em todo texto. Mostramos, também, que os autores dos livros didáticos hibridizam diferentes visões sobre o fóton em uma visão própria, que não dialoga com resultados da pesquisa contemporânea na maioria dos livros, de forma que suas narrativas nem poderiam ser compreendidas como Física Quântica (visto que atribuem ao fóton uma performance com diversos toques clássicos). Mostramos, ademais, que todos os livros omitem a construção teórica que envolve o fóton, seguindo a mesma proposta didática-ideológica dos livros de ensino superior, conforme descrita por Kuhn, omitindo controvérsias e forçando o estabelecimento de um paradigma. Tal paralelismo didático sugere a subordinação da Educação em Ciências à própria comunidade científica na forma de um colonialismo didático. Ainda que concordássemos que o objetivo da Educação em Ciências é formar pequenos cientistas (o que não é o caso), há o problema de que o paradigma apresentado pelos livros não é hegemônico há mais de oito décadas. Por fim, a articulação teórica desenvolvida se mostrou profícua para analisar a Educação em Ciências e suas relações simétricas com a natureza e com a sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allchin, D. (2004). Pseudohistory and Pseudoscience. Science & Education, 13(3), 179–195.
Aquino, T. (1995). O Ente e a Essência. Porto: Edições Contraponto.
Artuso, A. R., & Wrublewski, M. (2013). Física. Curitiba: Positivo.
Bakhtin, M. (1981). The Dialogic Imagination. Austin: University of Texas.
Bakhtin, M. (1984a). Problems of Dostoyevsky’s Poetics. Minneapolis: University of Minnesota Press.
Bakhtin, M. (1984b). Rabelais and His World. Bloomington: Indiana University Press.
Bakhtin, M. (1997). A Estética da Criação Verbal (2 ed.). São Paulo: Martins Fontes.
Bakhtin, M. (2006). Marxismo e Filosofia da Linguagem (12 ed.). São Paulo: HUCITEC.
Bakhtin, M. (2016). Os Gêneros do Discurso. São Paulo: Editora 34.
Bakhtin, M. (2017). Notas sobre Literatura, Cutura e Ciências Humanas. São Paulo: Editora 34.
Ballentine, L. E. (1970). The Statistical Interpretation of Quantum Mechanics. Reviews of Modern Physics, 42(4), 358–381. https://doi.org/10.1103/RevModPhys.42.358
Barreto, B., & Xavier, C. (2013). Física Aula por Aula (2 ed. Vol. 3). São Paulo: FTD.
Betz, M. E. M. (2014). Elementos de mecânica quântica da partícula na interpretação ao da onda piloto. Revista Brasileira de Ensino de Física, 36(4), 1–14.
Bialynicki-Birula, I. (1994). On the wave function of the photon. Acta Physica Polonica Series A, 86(1–2), 97–116.
Bialynicki-Birula, I. (1996). The photon wave function. In J. H. Eberly, L. Mandel, & E. Wolf (Eds.), Coherence and quantum optics VII (pp. 313–322). Boston, MA: Springer US. Recuperado de https://link.springer.com/chapter/ 10.1007/978-1-4757-9742-8_38
Bloor, D. (1982). Sociologie de la logique ou es limites de l’épistemoogie. Paris: Éditions Pandora.
Bohr, N. (1928). The Quantum Postulate and the Recent Development of Atomic Theory. Nature, 121, 580–590.
Bonjorno, J. R., Clinton, M. R., Prado, E., Casemiro, R., & Bonjorno, R. A. (2013). Física (2 ed. Vol. 3). São Paulo: FTD.
Born, M. (1926). Zur Quantenmechanik der Stoßvorgänge. Zeitschrift fur Physik, 37, 863–867.
Brush, S. G. (1974). Should the History of Science Be Rated X? The way scientists behave (according to historians) might not be a good model for students. Nature, 183(4130), 1164–1172. https://doi.org/10.1126/science.183.4130.1164
Bunge, M. (2013). Física e Filosofia. São Paulo: Perspectiva.
Callon, M. (1986). Éléments por une Sociologie de la Traduction: La domestication des coquiles Saint-Jacques et e marins-pêcheurs dans a baie Saint-Brieuc. L’Année Sociologique, 36, 169–208.
Compton, A. H. (1923). A Quantum Theory of the Scattering of X-rays by Light Elements. Physical Review, 21(5), 483–502. https://doi.org/10.1103/PhysRev.21.483
De Broglie, L. (1922). Rayonnement noir et quanta de lumière. Le Journal de Physique et le Radium, 3(6), 422–428.
De Broglie, L. (1923). Ondes et quanta. Comptes Rendus de l’Académie des Sciences de Paris, 117, 507–510.
Doca, R. H., Bôas, N. V., & Biscuola, G. J. (2013). Fisica (Vol. 3). São Paulo: Saraiva.
Einstein, A. (1905). Über einen die Erzeugung und Verwandlung des Lichtes betreffenden heuristischen Gesichtspunkt. Annalen der Physik, 17, 132–148.
Einstein, A. (1906). Die Plancksche Theorie der Strahlung und die Lichtquantem. Annalen der Physik, 20, 199–206.
Feyerabend, P. (2011). Contra o Método (2 ed.). São Paulo: Unesp.
Johansson, A., Andersson, S., Salminen-Karlsson, M., & Elmgren, M. (2016). “Shut up and calculate”: the available discursive positions in quantum physics courses. Cultural Studies of Science Education, 1–22. https://doi.org/10.1007/s11422-016-9742-8
Garcia, N. M. D. (2017). O Livro Didático de Física e de Ciências em foco: Dez Anos de Pesquisa. São Paulo: Editora Livraria da Física.
Gaspar, A. (2013). Compreendendo a Física volume 3 (2 ed.). São Paulo: Ática.
Gonçalves Filho, A., & Toscano, C. (2013). Física: Interação e Tecnologia (Vol. 3). São Paulo: Leya.
Greenstein, G., & Zajonc, A. G. (1997). The Quantum Challange: Modern Research on the Foundations of Quantum Mechanics. Sudbury: Jones and Bartlett Publishers.
Guimarães, O., Piqueira, J. R., & Carron, W. (2013). Física (Vol. 3). São Paulo: Ática.
Jammer, M. (1974). The Philosophy of Quantum Mechanics. New York: John Wiley and Sons.
Kincheloe, J. L., & Tobin, K. (2009). The much exaggerated death of positivism. Cultural Studies of Science Education, 4 (3), 513–528. doi: 10.1007/s11422-009-9178-5
Kuhn, T. (1978). A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva.
Latour, B. (1988). A Relativistic Account of Einstein’s Relativity. Social Studies of Science, 18(1), 3–44.
Latour, B. (1999). Pandoras Hope - Essays on the Reality of Science Studies. Cambridge: Harvard University Press.
Latour, B. (2011). Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora (2 ed.). São Paulo: Unesp.
Latour, B. (2013). Jamais Fomos Modernos (3 ed.). São Paulo: Editora 34.
Latour, B., & Fabbri, P. (1977). La rhétorique de la science. Actes de la recherche en sciences sociales, 13(1), 81–95. https://doi.org/10.3406/arss.1977.3496
Latour, B., & Woolgar, S. (1988). La vie de laboratoire: la Production des faits scientifiques. Paris: La Découverte.
Latour, B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
Lima, N. W., Antunes, E., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2017a). A História do Fóton em Livros de Física. Enseñanza de las Ciencias, extra, 1953–1957.
Lima, N. W., Antunes, E., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2017b). Interpretações do Fóton em Livros Didáticos do Ensino Superior. Trabalho apresentado em XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis.
Lima, N. W., Antunes, E., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2017c). Uma Análise Bakhtiniana dos Enunciados Sobre o Efeito Fotoelétrico em Livros Didáticos do Ensino Superior. Enseñanza de las Ciencias, extra, 1947–1951.
Lima, N. W., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2017). Física Quântica no ensino médio: uma análise bakhtiniana de enunciados em livros didáticos de Física aprovados no PNLDEM2015. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 34(2), 435–459.
Lopes, A. R. C. (1996). Bachelard: o Filósofo da Desilusão. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 13(3), 248–273.
Luz, A. M. R. D., & Álvares, M. A. (2013). Física Contexto & Aplicações (Vol. 3). São Paulo: Scipione.
Martins, R. d. A., & Rosa, P. S. (2014). História da teoria quântica - a dualidade onda-partícula, de Einstein a De Broglie. São Paulo: Livraria da Física.
Menezes, L. C. d., Canto Júmior, O., Kantor, C. A., Paoliello Júnior, L. A., Bonetti, M. d. C., & Alves, V. M. (2013). Quanta Física (Vol. 3). São Paulo: Pearson Education do Brasil.
Ministério da Educação. (2014). Guia de livros didáticos: PNLD 2015: física: ensino médio. Brasília: Autor.
Montenegro, R. L., & Pessoa Jr., O. (2002). Interpretações da teoria quântica e as concepções dos alunos do curso de física. Investigações em Ensino de Ciências, 7(2), 107–126.
Nelson, M. (2012). Existence. Recuperado de https://plato.stanford.edu/entries/existence/
Netto, J. S., Cavalcanti, C., & Ostermann, F. (2015). Estratégias discursivas adotadas por professores em formação na compreensão do fenômeno da complementaridade em atividades didáticas mediadas pelo interferômetro virtual de Mach-Zehnder. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(2), 293–320.
Netto, J. S., Ostermann, F., & Prado, S. (2011). O tema da dualidade onda-partícula na educação profissional em radiologia médica a partir da simulação do Interferômetro de Mach-Zehnder. Revista Brasileira de Ensino de Física, 33(1), 1–10.
Oliveira, M. P. P., Progibin, A., Andrade, R., & Romero, T. R. (2013). Física: conceitos e contextos: pessoal, social e histórico, eletricidade e magnetismo, ondas eletromagnéticas, radiação e matéria. São Paulo: FTD.
Ostermann, F., & Moreira, M. A. (2000). Uma revisão bibliográfica sobre a área de pesquisa “física moderna e contemporânea no ensino médio”. Investigações em Ensino de Ciências, 5(1), 23–48.
Pereira, A., & Ostermann, F. (2012). Recursos e Restrições nas Explicações de Futuros Professores de Física sobre Mecânica Quântica. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 12(2), 9–28.
Pereira, A., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2009). On the use of a virtual Mach-Zehnder interferometer in the teaching of quantum mechanics. Physics Education, 44(3), 281–291.
Pereira, A. P., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. J. H. (2012). Um exemplo de “distribuição social da mente” em uma aula de física quântica. Ciência & Educação, 18(2), 257–270.
Pessoa Jr., O. (2003). Conceito de Física Quântica. São Paulo: Livraria da Física.
Piassi, L. P., Santos, E. I. d., Vieira, R. M. d. B., & Ferreira, N. C. (2009). O discurso ideológico sobre Aristóteles nos livros didáticos de Física. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(2), 1–19.
Pietrocola, M. (1999). Construção e realidade: o realismo científico de mário bunge e o ensino de ciências através de modelos. Investigações em Ensino de Ciências, 4 (3), 213–227.
Popper, K. R. (1957). The Propensity Interpretation of the Calculus of Probability, and the Quantum Theory. In S. Körner (Ed.), Observation and Interpretation (pp. 65–70): Butterworths.
Sant’Anna, B., Martini, G., Spinelli, W., & Reis, H. C. (2013). Conexões com a Física (2 ed. Vol. 3). São Paulo: Moderna.
Sartre, J. P. (2007). Existentialism is a Humanism. New Haven: Yale University Press.
Schrodinger, E. (1927). Über den Comptoneffekt. Annalen der Physik, 4 (82), 257–264.
Schrodinger, E. (1928). Collected Papers on Wave Mechanics London and Glasgow: Backie & Son Limited.
Siegel, H. (1979). On the Distortion of the History of Science in Science Education. Science Education, 63(1), 111–118.
Silva, A. C., & Almeida, M. J. P. M. (2011). Física quântica no ensino médio: o que dizem as pesquisas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(3), 624–652. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2011v28n3p624
Silveira, F. L. (2002). A Premissa Metafísica da Revolução Copernicana. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(1), 407–410.
Silveira, F. L., & Ostermann, F. (2002). A insustentabilidade da proposta indutivista de “descobrir a lei a partir de resultados experimentais”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(número especial), 7–27.
Stefanovits, A. (Editor responsável) (2013). Ser protagonista: Física. 1º ano: ensino médio (2 ed.) São Paulo: Edições SM.
Torres, C. M. A., Ferraro, N. G., Soares, P. A. d. T., & Penteado, P. C. M. (2013). Física Ciência e Tecnologia (3 ed.). São Paulo: Moderna.
Veneu, A., Ferraz, G., & Rezende, F. (2015). Análise De Discursos No Ensino De Ciências: Considerações Teóricas, Implicações Epistemológicas E Metodológicas. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(1), 126–149. https://doi.org/10.1590/1983-211720175170106
Voloshinov, V. N. (1981). La structure de l’enoncé. In T. Todorov, Mikhaïl Bakhtine: le principe dialogique (pp. 278–316). Paris: Seuil.
Wertsch, J. (1992). Voices of the mind: a sociocultural approach to mediated action. Cambridge: Harvard University Press.
Wertsch, J. (2004). Voices of Collective Remembering. Cambridge: Cambridge University Press.
Yamamoto, K., & Fuke, L. F. (2013). Física para o Ensino Médio 3 (3 ed.). São Paulo: Saraiva.
Publicado
2018-04-30
Como Citar
Lima, N. W., de Souza, B. B., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. J. de H. (2018). Um Estudo Metalinguístico sobre as Interpretações do Fóton nos Livros Didáticos de Física Aprovados no PNLDEM 2015: Elementos para uma Sociologia Simétrica da Educação em Ciências. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 1(2), 331-364. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018181331
Seção
Artigos