O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física: Investigando os Modos de Regulação em um Polo Regional do Programa

  • Paulo Vinícius Rebeque Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul https://orcid.org/0000-0002-2830-9435
  • Fernanda Ostermann Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Sofia Viseu Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física, Sociologia da Ação Pública, Filosofia da Linguagem do Círculo de Bakhtin.

Resumo

Apresentamos neste artigo nossas investigações acerca do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (MNPEF). Para tal, fundamentamos nosso estudo na Sociologia da Ação Pública e na Filosofia da Linguagem do Círculo de Bakhtin, sendo nosso objetivo estudar os modos de regulação do MNPEF, descrevendo e analisando a existência de regulação de controle - estruturas concebidas para coordenar e orientar as ações dos atores sociais - e de regulação autônoma, relativos à forma como esses atores sociais convivem e reinventam as orientações do programa. Especificamente, investigamos o contexto de um polo regional (PR), tendo como corpus de pesquisa uma cadeia de documentos referentes aos contextos amplo e específico do MNPEF e o discurso de dois professores do PR em questão. Nossas investigações apontam o MNPEF como um dispositivo de política pública multirregulado, no qual identificamos a coexistência de modos de regulação de controle e autônoma, assim como evidências de regulação conjunta à escala do contexto local, ou seja, processos de microrregulação local.

Referências

Afonso, N. (2005). Investigação Naturalista em Educação. Porto: Edições ASA.
André, M. E. D. A. (2010) Formação de Professores: A constituição de um campo de estudos. Educação, 33(3), 174–181.
Bakhtin, M. (2011). Estética da Criação Verbal. 6ª Ed. São Paulo: WMF Martins Fontes.
Bakhtin, M. (2014). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: HUCITEC.
Barolli, E., Villani, A., & Maia, J. O. O mestrado profissional em Ensino de Física da UFRGS: reconstrução de uma história. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 19(1), 1–28.
Barroso, J. (2005). O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação & Sociedade, 26(92), 725–751.
Barroso, J. (2006). A regulação das políticas públicas de educação: Espaços, dinâmicas e atores. Lisboa: Educa e Unidade de I&D.
Caldatto, M. E. (2015). O PROFMAT e a formação do professor de Matemática: Uma análise curricular a partir de uma perspectiva processual. (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Maringá, Maringá.
CAPES. (2004). Plano Nacional de Pós-Graduação 2005/2010. Recuperado de http://www. capes.gov.br/plano-nacional-de-pos-graduacao.
CAPES. (2010). Plano Nacional de Pós-Graduação 2011/2020. Recuperado de http://www. capes.gov.br/plano-nacional-de-pos-graduacao.
CAPES. (2013a). Avaliação Suplementar Externa do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. Recuperado de http://www.profmat-sbm.org.br/files/Arquivos %20do%20Site/ Relatorio/PROFMAT_Av_Suplementar.pdf.
CAPES. (2013b) Relatório de Avaliação Trienal 2010/2012 – Área de Ensino. Recuperado de http://avalia caotrienal2013.capes.gov.br/documento-de-area-e-comissao.
CAPES. (2017). Relatório de Avaliação Quadrienal 2013/2016 – Área de Ensino. Recuperado de http://capes.gov.br/images/documentos/Documentos_de_area_2017/DOC UMENTO_AREA_ENSINO_24_MAIO.pdf.
Cardoso, L. A., Batista, M. R., Caetano, P. L., & Nacimento, S. S. (2014). Os Mestrados Profissionais em Física no contexto dos demais Mestrados Profissionais Brasileiros. In Anais XV Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (p. 1–7). Maresias, Brasil: SBF.
Carvalho, L. M. (2013). Políticas Educativas, conhecimento e ação pública. Relatório da unidade curricular. Lisboa: Universidade de Lisboa.
Carvalho, L. M. (2015). As políticas públicas de Educação sob o prisma da ação pública: esboço de uma perspectiva de análise e inventário de estudos. Currículo sem Fronteiras, 15(2), 314–333.
Decreto nº. 6.755 (2009). Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada. Decreto nº. 6.755, de 29 de Janeiro de 2009.
Decreto nº. 8.752 (2016). Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Decreto nº. 8.752, de 09 de Maio de 2016.
Farias, J. V. (2017). O ProfMat e as relações distintivas no campo da Matemática. (Tese de doutorado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.
Lascoumes, P., & Le Galès, P. (2012). Sociologia da Ação Pública. Maceió: EDUFAL, 2012.
Lei nº. 11.502 (2007). Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Lei nº. 11.502, de 11 de Julho de 2007.
Medviédev, P. N. (2012). O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. São Paulo: Editora Contexto.
Ministério da Educação (2014). Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Recuperado de http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf.
Moreira, M. A. (2004) O mestrado (profissional) em ensino. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 1(1), 131–142.
Moreira, M. A. (2015). Orientações sobre o currículo do MNPEF. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/~mnpef/index.php/cpg/orientacoes-sobre-o-curriculo.
Moreira, M. A., & Nardi, R. (2009). O mestrado profissional na área de Ensino de Ciências e Matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2(3), 1–9.
Moreira, M. A.; Studart, N. (2015). Comunicado 09/2015. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/~mnpef/images/Comunicado_MNPEF-SBF-09-2015.pdf.
Moreira, M. A., Studart, N., & Vianna, D. M. (2016). O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física uma experiência em larga escala no Brasil. Latin-American Journal of Physics Education, 10(4), 4327 (1–6).
Nascimento, S. S. (2014). O Mestrado Nacional Profissional de Ensino em Física: a experiência da Sociedade Brasileira de Física. Polyphonía, 1(1), 1–15.
Ostermann, F., & Rezende, F. (2009). Projetos de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre os mestrados profissionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 26(1), 66–80.
Portaria n°. 47 (1995). Determina a implantação na CAPES de procedimentos apropriados à recomendação, acompanhamento e avaliação de cursos de mestrado profissional. Portaria n°. 47, de 17 de Outubro de 1995.
Portaria n°. 80 (1998). Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências. Portaria n°. 80, de 16 de Dezembro de 1998.
Portaria Normativa nº. 83 (2011). Dispõe da criação das seguintes áreas de conhecimento: Biodiversidade, Ciências Ambientais, Ensino e Nutrição. Portaria Normativa nº. 83, de 6 de Junho de 2011.
Portaria n°. 389 (2017). Dispõe sobre o mestrado e doutorado profissional no âmbito da pós-graduação stricto sensu. Portaria n°. 389 de 23 de Março de 2017.
Rebeque, P. V. (2017). Políticas públicas de formação continuada de professores: investigações sobre o Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
Rebeque, P. V., & Ostermann, F. (2015). Reflexões sobre o Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física. In Anais X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (p. 1–8). Águas de Lindóia, Brasil: ABRAPEC.
Rebeque, P. V., Ostermann, F., & Viseu, S. (2017a) Os Mestrados Profissionais em Ensino de Ciências e Matemática no Brasil: um tema pouco explorado na literatura. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 10(2), 304–324.
Rebeque, P. V., Ostermann, F., & Viseu, S. (2017b). Políticas públicas para a formação de professores de Ciências e Matemática: proposta de um referencial teórico-metodológico. In Anais XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (p. 1–8). Florianópolis, Brasil: ABRAPEC.
Rezende, F., & Ostermann, F. (2015). O protagonismo controverso dos mestrados profissionais em ensino de ciências. Ciência & Educação, 21(3), 543–558.
Sauerwein, I. P. S., & Delizoicov, D. (2008). Formação continuada de professores de Física no Ensino Médio: concepções de formadores. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 25(3), 439–477.
SBF. (2012). Ata da Reunião do Conselho da SBF de 20 de Março de 2012. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/atas/Ata_Reuniao_ Cons-20mar2012.pdf.
SBF. (2014a). Grade Curricular 2014 – MNPEF-SBF. Recuperado de http://www.sbfisica. org.br/~mnpef/documentos/Grade-Curricular-2014-MNPEF.pdf.
SBF. (2014b). Linhas de Pesquisa MNPEF-SBF. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/ v1/images/stories/MNPEF/Linhas_MNPEF.pdf.
SBF. (2015). Regimento Geral do MNPEF. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/ ~mnpef/images/Regimento_MNPEF_16_12_2015_.pdf.
Souza, J., Rezende, F., & Ostermann, F. (2016). Apropriação discursiva de modelos de formação docente em trabalhos de conclusão de um mestrado profissional em Ensino de Física. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 18(2), 171–199.
Veneu, A., Ferraz, G., & Rezende, F. (2015). Análise de discursos no Ensino de Ciências: Considerações teóricas, implicações epistemológicas e metodológicas. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 17(1), 126–149.
Villani, A. (2016). Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: uma interpretação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 11(esp), 418–433.
Villani, A., Barolli, E., Maia, J. O., Massi, L., Santos, V. F. D., & Nascimento, W. E. (2017). Mestrados Profissionais em Ensino de Ciências: Estrutura, especificidade, efetividade e desenvolvimento profissional docente. Investigações em Ensino de Ciências, 22(1), 127–161.
Volochínov, V. (2013). A construção da Enunciação e outros ensaios. São Carlos: Pedro & João Editores.
Publicado
2018-08-31
Como Citar
Rebeque, P., Ostermann, F., & Viseu, S. (2018). O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física: Investigando os Modos de Regulação em um Polo Regional do Programa. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(2), 399-428. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018182399
Seção
Artigos