O lazer (re)significado nos “Domingos da Criação”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.24156

Palavras-chave:

Domingos da Criação, Lazer, Participação, Criação, Arte brasileira

Resumo

Os “Domingos da Criação” foram uma série de eventos artísticos organizados por Frederico Morais, em 1971, na área externa ao MAM-RJ. Neles o público participante pôde vivenciar o processo criativo por meio do uso de materiais precários. A ideia de Morais era pensar o conceito de domingo e questionar o lazer no âmbito da sociedade burguesa. Objetiva-se com este artigo ressaltar os pressupostos que fundamentaram os “Domingos”, além de discutir as noções de lazer e de tempo livre no pensamento de Theodor Adorno e Joffre Dumazedier, através do uso da metodologia qualitativa e explicativa. Conclui-se que os “Domingos da Criação” foram uma iniciativa que, mesmo de modo latente, combateu a alienação do indivíduo ante a opressão social e governamental.

Biografia do Autor

Tamara Silva Chagas, PPGHis - Universidade Federal do Espírito Santo

É mestra em Artes, na linha de pesquisa História e Crítica da Arte, pela Universidade Federal do Espírito Santo. Possui Bacharelado em Artes Plásticas pela mesma instituição.

Referências

ADORNO, Theodor. Tempo livre. In: ______. Indústria cultural e sociedade. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009. p. 62-70.

AYALA, Walmir. O aprendizado do ver. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 19 out. 1971, Caderno B, p. 2.

BARRIO, Artur. Manifesto. In: CANONGIA, Ligia (Org.). Artur Barrio. Rio de Janeiro: Modo, 2002. p. 145.

CHAGAS, Tamara Silva. Da crítica à Nova Crítica: as múltiplas incursões do crítico-criador Frederico Morais. 2012. 159 f. DISSERTAÇÃO (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

COSTA, Ana Luisa Veliago. Os sentidos experimentais dos Domingos da Criação. 2019. 168f. Dissertação (Mestrado em Estética e História da Arte) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e cultura popular. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LEAL, André. Da cidade lúdica aos Domingos da Criação: a constelação Frederico Morais. Poiésis, Niterói, v. 20, n. 33, p. 413-434, jan./jun. 2019.

LIMA, Yan Braz de Souza. Domingos da Criação: encorpando o público do futuro. 2017. 38 f. Monografia (Graduação em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

MORAIS, Frederico. A criatividade liberada: domingo, terra-a-terra. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 25 abr. 1971, 2º Caderno, p. 8.

MORAIS, Frederico. Arte brasileira: cortes e recortes – quinta parte: 1965-1973. Rio de Janeiro: Soraia Cals, 2010. Catálogo de leilão.

MORAIS, Frederico. Artes plásticas: a crise da hora atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

MORAIS, Frederico. Contra a arte afluente: o corpo é o motor da obra. Revista de Cultura Vozes, Rio de Janeiro, ano 64, v. 64, n. 1, p. 45-59, jan./fev. 1970.

MORAIS, Frederico. Criatividade de maio e os Domingos da Criação. Suplemento Literário de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1º jul. 1972. p. 7.

MORAIS, Frederico. Cronologia das artes plásticas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

PONTUAL, Roberto. Quando a vida inventa a arte. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 24 jul. 1971, Caderno B, p. 4-5.

SAMPAIO, Márcio. Paiê, me leva no museu. Ah me leva, paiê, me leva. Suplemento Literário de Minas Gerais, Belo Horizonte, 8 maio 1971. p. 10.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

CHAGAS, T. S. O lazer (re)significado nos “Domingos da Criação”. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 364–376, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.24156. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/24156. Acesso em: 16 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)