Macunaíma-Colorau e pessoas em situação de rua

sobre pesquisa, arte e vida

Autores

  • Natália Alves dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Andréa Vieira Zanella Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.29725

Palavras-chave:

Pesquisa, Arte, Videoinstalação, Pessoas em situação de rua

Resumo

Este artigo problematiza a condição de pessoas em situação de rua e suas complexas relações com a cidade a partir do diálogo com a obra Macunaíma Colorau, exposta no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), de autoria dos artistas Clarisse Hoffman e Lourival Cuquinha em parceria com povos indígenas e comunidades quilombolas. A potência da obra de arte em questão permitiu que se problematizasse a forma como se enxerga as pessoas em situação de rua e que lugar lhes é oportunizado ocupar na cidade. Na esteira, o próprio pesquisar e a condição de pesquisadora são discutidos.

Palavras-chave: Pesquisa. Arte. Videoinstalação. Pessoas em Situação de Rua.

Biografia do Autor

Natália Alves dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga, doutora em Psicologia Social e Cultura (linha de pesquisa Estética, Processos de Criação e Política) pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, atua com pessoas em situação de rua no município de Florianópolis/SC.

Andréa Vieira Zanella, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Psicologia da Educação pela PUC-SP com pós- doutorado na Università Degli Studi di Roma La Sapienza e na New School for Social Research. Professora titular aposentada e docente permanente do Programa de pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do CNPq.

Referências

ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Edição crítica de Telê Porto Ancona Lopez. Rio de Janeiro / São Paulo: Livros Técnicos e Científicos / Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia, 1978.

ENTREVISTA com Lourival Cuquinha e Clarisse Hoffmann. ATRAVES //, 2017. (43 min.), color. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=KaeRzcqRpaY>. Acesso em: 23 out. 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARRETO, Raquel de Oliveira; CARRIERI, Alexandre de Pádua; ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. O rizoma deleuze-guattariano nas pesquisas em Estudos Organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, v. 18, n. 1, p. 47-60, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cebape/v18n1/1679-3951-cebape-18-01-47.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

BARROS, José Ourismar. A pessoa em situação de rua e a vida que não merece ser vivida. In: GRINOVER, Ada Pellegrini et al. (org.). Direitos Fundamentais das pessoas em situação de rua. Belo Horizonte: D’ Plácido, 2014. p. 153-178.

BLANCHOT, Maurice. O instante da minha morte. Paris: Gallimard, 2002.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRASIL. Decreto nº 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm>. Acesso em: 12 nov. 2021.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos?. São Paulo: Companhia de Bolso, 2009.

CANTON, Kátia. Do moderno ao contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CARNEIRO, Karine Gonçalves. Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspectiva genealógica. 2016. 508 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

COSTA, Luis Artur; FONSECA, Tania Mara Galli. Da diversidade: uma definição do conceito de subjetividade. Interamerican Journal Of Psychology, Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 513-519, 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-96902008000300011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10 ago. 2018.

DELEUZE, Gilles. Sobre o teatro. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. A imagem do pensamento. In: _____. Diferença e repetição. São Paulo: Graal, 2009. p. 189-240.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 2011. v. 1.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012. v. 5.

FARIAS, Tadeu Mattos; DINIZ, Raquel Farias. População em situação de rua e direito à cidade: invisibilidade e visibilidade perversa nos usos do espaço urbano. In: NOBRE, Maria Teresa et al (org.). Vozes, imagens e resistências nas ruas: a vida pode mais!. Natal: EDUFRN, 2019. p. 34-62.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. Ditos & Escritos IV: Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles. Os intelectuais e o poder: conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 65-73.

GUERREZI, Evânio Márlon. Estado e resistência: deleuze, guattari e a distopia do real. 2015. 151 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Filosofia Moderna e Contemporânea, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Toledo, 2015. Disponível em: <http://tede.unioeste.br:8080/tede/handle/tede/2080>. Acesso em: 10 ago. 2018.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2017.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LEMÕES, Tiago. Hierarquia, contestação e igualdade: a produção da militância política para a população de rua no Brasil. Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 19, n. 1, p.123-141, 2019. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/30356/17716>. Acesso em: 12 out. 2019.

LEMOS, Flávia Cristina Silveira; CARDOSO JÚNIOR, Hélio Rebello; NASCIMENTO, Roberto Duarte Santana. Nomadizar. In: FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci (org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 157-161.

LOBO, Lilia Ferreira. Os infames da história: pobres, escravos e deficientes no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: BRANDÃO, André Augusto P. (org.). Cadernos Penesb (Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira). 5. ed. Niterói: EDUFF, 2004. p. 15-34.

OSÓRIO, Luiz Camillo. 35º Panorama da Arte Brasileira: Brasil por multiplicação. 2017. Disponível em: <https://mam.org.br/exposicao/35-panorama>. Acesso em: 10 jul. 2018.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RODRIGUES, Fábio della Paschoa. Macunaíma e a formação de uma cultura brasileira. Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, 2007. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/m00002.htm>. Acesso em: 20 nov. 2017.

RODRIGUES, Igor et al. Cidadãos em situação de rua: dossiê Brasil – grandes cidades. Curitiba: Editora CRV, 2020.

ROLNIK, Suely. Diálogo e alteridade. Boletim de Novidades, v. 5, n. 44, p. 35-44,1992.

SABIÁ, Ana Paula. Madonas contemporâneas em série fotográfica: relações estéticas e produção de sentidos sobre a maternidade. 2015. 180 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SANCHES NETO, Miguel. Apresentação: herói primitivo. In: SANCHES NETO, Miguel; OLIVEIRA, Silvana (org.). Coleção Literatura Brasileira: identidade em movimento. Chapecó: UFFS, 2019. p. 5-18. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/institucional/reitoria/editora-uffs/colecao-de-literatura-brasileira-identidades-em-movimento. Acesso em: 4 fev. 2018.

SANTOS, Natália Alves dos. Pessoas em situação de rua e a cidade: cartografando planos, (in)visibilidades e resistências. 2021. 212 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Cultura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2021.

SICARI, Aline Amaral. A cidade, a rua, as pessoas em situação de rua: (in)visibilidades e a luta por direitos. 2018. 227 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Cultura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

SOUSA, Edson Luiz André de; BECHLER, Janaina. Labirintos na cidade contemporânea. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28, n. 2, p. 390-403, 2008.

SPINOZA, Baruch de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

VEIGA, Edison. Por que 'Macunaíma', lançado há 90 anos, é muito mais do que um livro de vestibular. 2018. Deborah Goldemberg em entrevista à BBC News Brasil. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45491420>. Acesso em: 16 jan. 2020.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Arte e vida. In: ______. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fonte, 1999. p. 303-330.

ZANELLA, Andréa Vieira. Entre galerias e museus: diálogos metodológicos no encontro da Arte com a Ciência e a Vida. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

SANTOS, N. A. dos; ZANELLA, A. V. Macunaíma-Colorau e pessoas em situação de rua: sobre pesquisa, arte e vida. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 332–357, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.29725. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/29725. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta