WhatsApp: caracterização do gênero chat em contexto de ensino de línguas estrangeiras

Autores

  • Natália Costa Leite Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)
  • Marden Oliveira Silva Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.8.1.85-97

Palavras-chave:

Gênero. Chat. Ensino/Aprendizagem de Línguas Estrangeiras.

Resumo

RESUMO: As tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) trouxeram inquestionáveis avanços em diversos campos do saber e no convívio social. Com o advento dessas novas tecnologias, a construção de sentidos tem se tornado cada vez mais multimodal, isto é, os modos convencionais de produção de sentido pela escrita, por exemplo, atrelam-se aos modos visuais, orais, gestuais, dentre muitos outros possíveis. A educação pode se configurar como um espaço capaz de viabilizar e facilitar a construção desses múltiplos sentidos com o auxílio das novas tecnologias. Diante disso, este trabalho, ao adotar a perspectiva bakhtiniana de gêneros textuais (2003), propõe-se a apresentar uma caracterização do gênero chat por meio do aplicativo WhatsApp, dada sua relevância e popularidade entre usuários de dispositivos móveis. A metodologia empregada consiste na utilização de critérios para análise do gênero em questão. Espera-se que a caracterização do gênero possa estimular o uso do aplicativo como ferramenta de apoio ao ensino/aprendizagem de língua estrangeira.

PALAVRAS-CHAVE: Gênero. Chat. Ensino/Aprendizagem de Línguas Estrangeiras.

 

ABSTRACT:Digital information and communication technologies widely brought unquestionable advances in the fields of knowledge and social life. With the advent of these new technologies, meaning negotiation has become increasingly multimodal, that is, conventional methods of meaning negotiation by writing, for example, may link up with visual, oral, and gestural modes, among many others. Education can be configured as a space to enable and facilitate the new production of multiple meanings with the help of new technologies. Therefore, this paper proposes to present a characterization of the text genre chat through WhatsApp application, given its relevance and popularity among mobile users, by adopting Bakhtin’s perspective of speech genres (2003). The use of specific criteria for analysing the genre chat was the method applied. It is expected that the characterization of the genre may encourage the use of the instant messaging app as a support tool for teaching and learning a foreign language.

KEYWORDS: Text Genre. Chat. Teaching/Learning Foreign Languages.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Costa Leite, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto (2005) e mestrado em Linguística Aplicada pela UFMG (2013). Atualmente é doutoranda em Linguística Aplicada no POSLIN/UFMG. Participa dos grupos de pesquisa INFORTEC (Núcleo de Pesquisa em Linguagens e Tecnologia) e NALET (Núcleo de Aprendizagem de Línguas e Ensino Tecnológico, no projeto Multiletramentos em Língua Estrangeira), ambos do CEFET-MG. Seu foco acadêmico está na área de Letras, com ênfase em Linguística Aplicada, estudando e pesquisando principalmente os seguintes temas: ensino/ aprendizagem de LE , Análise do Discurso, psicanálise. Faz parte do quadro efetivo de professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do CEFET-MG (campus I)

Marden Oliveira Silva, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto (2007), com ênfase no ensino de Língua Inglesa. Mestre em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), com foco no ensino de língua inglesa mediado pelas novas tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) e nos processos interacionais envolvidos. Participa do grupo de pesquisa INFORTEC - Núcleo de Pesquisa em Linguagens e Tecnologia e do NALET - Núcleo de Aprendizagem de Línguas e Ensino Tecnológico, do CEFET-MG. Atualmente, faz parte do quadro efetivo de professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do CEFET-MG (campus I).

Referências

ARAÚJO, J. C. A organização constelar do gênero chat. Anais do XX Jornada Nacional de Estudos Lingüísticos. João Pessoa: Idéia, 2004.

ARAÚJO, J. C. A conversa na web: o estudo da transmutação em um gênero textual. In: Marcuschi, L. A.; XAVIER, A. C. (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. 2. ed. Rio de Janeiro: lucerna, 2005.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BAMBIRRA, M. R. A.; RACILAN, M.; AVELAR, S. L. T. A experiência de implantação de uma abordagem de ensino de inglês via gêneros no ensino médio do CEFET-MG sob o ponto de vista dos professores. In: VII SIGET - Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, 2013, Fortaleza. Programação e Caderno de Resumos. Fortaleza: Editora da Universidade Federal do Ceará, 2013. p. 1-111.

BARBOSA-PAIVA, C. L. Uso do chat na sala de aula de língua espanhola: uma proposta a partir da análise do gênero In: SOTO, U.; MAYRINK, M.; GREGOLIN, I. (Org.). Linguagem, Educação e Virtualidade: experiências e reflexões. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêmica (Editora UNESP), 2009. p. 225-240.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999. p. 49-63.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. v. 1. Brasília: MEC/SEB, 2006. p. 87-124.

BROWN, H. Teaching by principles: an interactive approach to language pedagogy. London: Pearson Education, 1994.

CHAPELLE, C. Research for practice: A look at issues in technology for second language learning. Language learning & technology. v. 14(3), p. 27–30, 2010.

CRISTOVÃO, V. L. L. Gêneros Textuais, Material Didático e Formação de Professores. Signum. Estudos de Linguagem. Londrina, v. 8, n.1, 2005. p. 173-191.

DELL'ISOLA, R. L. P. A prática pedagógica subjcente aos materiais didáticos de português - língua estrangeira. Anais do IV Seminário da SIPLE. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998.

DIAS, R. A produção textual como processo interativo no contexto do ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras. Rio de Janeiro: Matraga, v. 1, n.16, 2004. p. 203- 218.

DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: Gêneros Orais e escritos na escola. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2004.

KALANTZIS, M.; COPE, B. Literacies. 2 ed. New York: Cambridge University Press, 2012.

KINGWELL, M. The World We Want. Toronto, ON: Viking, 2000. KNOBEL e LANKSHEAR. A New Literacies Sampler. New York: Peter Lang, 2007.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A. & XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004. p. 13-67.

MINAS GERAIS. Proposta Curricular para Língua Estrangeira no Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEE/MG, 2005.

PAIVA .V. Ambientes virtuais de aprendizagem: implicações epistemológicas. Educação em Revista (UFMG. Impresso), v. 26, 2010. p. 353-370.

PIMENTA, S. M. O; SANTANNA, C. Semiótica Social e Multimodalidade: o estado da arte. In: Ana Cristina Fricke Matte. (Org.). Linguage(gem), Texto, Discurso: entre a reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, v. 2, 2007. p. 152-174.

Downloads

Publicado

31-07-2015

Como Citar

LEITE, N. C.; SILVA, M. O. WhatsApp: caracterização do gênero chat em contexto de ensino de línguas estrangeiras. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 8, n. 1, p. 85–97, 2015. DOI: 10.17851/1983-3652.8.1.85-97. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16689. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)