Educação linguística crítica e a produção digital de infográficos por alunos do ensino médio técnico com temáticas contra homofobia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3652.2020.24441

Palavras-chave:

Educação linguística crítica, Ensino, Produção textual, Infográficos

Resumo

Este artigo apresenta resultados de um estudo que visou investigar práticas de produção textual digital do gênero discursivo hipermidiático infográfico, envolvendo multiletramentos e educação linguística crítica e cidadã com alunos do Ensino Médio Técnico de um instituto técnico federal, na região norte do Brasil. Para fundamentação teórica, consideramos as discussões sobre educação linguística em uma perspectiva crítica, teorizações sobre a pedagogia dos (multi)letramentos e a aprendizagem por design. A pesquisa, de caráter qualitativo-interpretativo, configurou-se uma pesquisa-ação. O corpus analisado é composto por recortes da produção textual de um exemplar de um infográfico interativo que foi elaborado por alunos de um curso de mineração. Os resultados da análise demonstram que os aprendizes, além de se apropriarem de práticas de multiletramentos digitais para produção técnica dos textos, também despenharam papel de analistas críticos diante da temática trabalhada no que diz respeito ao combate à homofobia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosivaldo Gomes, Universidade Federal do Amapá

Doutor em Linguística Aplicada - Universidade Estadual de Campinas/Instituto de Estudos da Linguagem (IEL/UNICAMP) na área de Linguagens e Educação Linguística. Realizou estágio de Pós-doutorado pelo Departamento de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Federal do Amapá, na área de Educação e formação de professores.Atualmente está realizando estágio de Pós-doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental e Políticas Públicas (PPGDAP/UNIFAP), com pesquisa voltada para materiais didáticos impressos de divulgação/popularização científica de educação ambiental para educação infantil. Graduado em Letras Português e Literatura pela Universidade Federal do Amapá. É professor Adjunto II de Língua Portuguesa e Didática das Línguas do Departamento de Letras e Artes da Universidade Federal do Amapá e do Programa de Mestrado em Letras (PPGLET/UNIFAP), pesquisando sobre educação bilíngue, praticas de letramentos no ensino de Português como LE/L2 e Língua Materna, formação de professores e agir professoral, letramento acadêmico e práticas de leitura e escrita no contexto escolar

Heloane Baia Nogueira, Universidade Federal do Amapá

Graduada em Letras Português com Habilitação em Língua e Literatura Francesa. Mestra em Desenvolvimento Regional - área de concentração Sociedade e Cultura. Professora do Curso de Especialização Celael/UNIFAP.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

BAGNO, M.; RANGEL, E. O. Tarefas da educação linguística no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p. 63-81, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v5n1/04.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. Trad. P. Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BELL, HOOKS. Ensinando a transgredir – a educação como prática da liberdade. Martins Fontes. São Paulo, 2013 [1994].

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 4 mar. 2020.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2008. p. 13-37.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (ed.). Multiliteracies: literary learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (orgs.) Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. New York: Routledge, 2006.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: New literacies, new learning. Pedagogies: An International Journal, Londres, v. 4. 2009. p. 164-195.

COPE, Bill; KALANTZIS, M. A Pedagogy of Multiliteracies: Learning by design. Londres: Palgrave, 2015.

DE PABLOS, J. M. Infoperiodismo. El Periodista como Creador de Infografia. Madrid, Editorial Síntesis, 1999.

DE PIETRO, J.-F.; SCHNEUWLY, B. O modelo didático de gênero: um conceito da engenharia didática. In: NASCIMENTO, E. L. (org.). Gêneros textuais: da didática de línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 51-81.

DUBOC, A. P. M. Atitude Curricular: Letramentos Críticos nas Brechas da Sala de Aula de Línguas Estrangeiras. 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

FERNÁNDEZ-LADREDA, R. C. Infográficos multimedia: el mejor ejemplo de noticias hipertextuales, Mediaccionline. mayo de 2004. Disponível em: http://www.mediaccion.com/mediaccionline/temas/periodigital/object.php?o=162. Acesso em: abr. 2020.

FERREIRA, A. J. Educação Linguística Crítica e Identidades Sociais de Raça. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, P. V.; MONTE MÓR, W. (orgs.). Perspectivas Crítica de Educação Linguística no Brasil: Trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias (os) de Inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018, v. 1, p. 41-48.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

GNL. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (orgs.) Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. Routledge: Psychology Press, 1996. p. 60-92.

GOMES, R. Leitura de gêneros multissemióticos e multiletramentos em materiais didáticos impressos e digitais de Língua Portuguesa do Ensino Médio. 2017. 257 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017a. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/325318/1/Gomes_Rosivaldo_D.pdf. Acesso em: 05 mai. 2020.

GOMES, R. Materiais didáticos digitais e novos (multi)letramentos: caminhos para um webcurrículo. Projeto de pesquisa. Departamento de Pesquisa da Universidade Federal do Amapá, Macapá, 2017b.

HAMILTON, M. Sustainable literacies and the ecology of lifelong learning. In: HARRISON, R. R. F.; HANSON, A.; CLARKE, J. (orgs.). Supporting lifelong learning. V. 1: Perspectives on learning. London: Routledge; Open University Press, 2002. p. 176-187.

JORDÃO, C. M.. Uma Jornada Crítica em Retrospecto, ou de como se respira no mar. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, P. V.; MONTE MÓR, W. (orgs.). Perspectivas Crítica de Educação Linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias (os) de Inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 69-80.

KALANTZIS, M. COPE, B. Learning by Design Project Group. Learning by Design. Melbourne, VIC: Victorian Schools Innovation Commission & Common Ground, 2005.

KALANTZIS, M. COPE, B. Literacies. Cambridge University Press, Cambridge UK, 2012.

MACHADO, A. R.; CRISTOVÃO, V. L. L. A construção de modelos didáticos de gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. In: ABREU-TARDELLI, L. S.; CRISTOVÃO, V. L. L (orgs.). O ensino e a aprendizagem de gêneros textuais. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 123-151.

MAIA, J. O. Tecnologias digitais e educação transformativa: potencialidades para formação crítica e participação social mais ampla de vozes locais. In: ROCHA, C. R.; BRAGA, D. B. (orgs.). Políticas linguísticas, ensino de línguas e formação docente: desafios em tempos de globalização e internacionalização. Campinas: Pontes, 2015, v. 11, p. 155-174.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Engaging the global by resituating the local. In: ANDREOTTI, V. O.; MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Postcolonial perspectives on global citizenship education. New York e London: Routledge, 2012.

MOITA LOPES, L. P. Identidades fragmentadas. A Construção Discursiva de Raça, Gênero e Sexualidade na Escola. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MONTE MÓR, W. Sobre rupturas e expansão na visão de mundo: seguindo as pegadas e os rastros da formação crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, P. V.; MONTE MÓR, W. (orgs.). Perspectivas Crítica de Educação Linguística no Brasil: Trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias (os) de Inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018, p. 265-278.

PEREIRA, A. L. Construção de criticidade em espaços de atuação religiosa, política e acadêmica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, P. V.; MONTE MÓR, W. (orgs.). Perspectivas Crítica de Educação Linguística no Brasil: Trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias (os) de Inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 49-59.

RIBAS, B. Infografia Multimídia: um modelo narrativo para o webjornalismo. In: ENCONTRO NACIONAL DE JOVENS PESQUISADORES EM JORNALISMO (II JPJOR). Anais... Salvador: Bahia, 2004. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/2004_ribas_infografia_multimidia.pdf. Acesso em: 09 mar. 2020.

ROCHA, C. H.; AZZARI, E. Tecnologias digitais e educação crítica em língua estrangeira: um relato de experiência à luz dos letramentos. In: JESUS, D.; CARBONIERI, D. (orgs.) Práticas de Multiletramentos e letramento crítico: outros sentidos para a sala de aula de línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016. p. 157-182.

ROJO, R. H. R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, H. R. R; MOURA, E. (orgs.) Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

ROJO, R. H. R. Entre Plataformas, ODAs e Protótipos: Novos multiletramentos em tempos de WEB2. The ESPecialist: Descrição, Ensino e Aprendizagem, v. 38, n. 1, jan-jul 2017, p. 5-25. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/esp/article/view/32219. Acesso em: 14 abr. 2020.

ROJO, R. H. R. O Letramento Escolar e os Textos da Divulgação Científica – A Apropriação Dos Gêneros de Discurso na Escola. Linguagem em (Dis) curso – LemD, v. 8, n. 3, p. 581-612, set. /dez.2008. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-76322008000300009. Acesso em: 21 fev. 2020.

ROJO, R. H. R.; MOITA LOPES, L. P. Linguagens, códigos e suas tecnologias. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Departamento de Políticas de Ensino Médio. Orientações curriculares de ensino médio. Brasília, DF, 2004. p. 14-56.

SANTAELLA, L. Gêneros discursivos híbridos na era da hipermídia. São Paulo: Bakhtiniana, 2014. p. 206-216.

SANTOS, B. S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 78. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/nec/n79/04.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

SIGNORINI, I. Letramentos multi-hipermidiáticos e formação de professores de língua. In: FIAD, R. S. (orgs.). Ensino de língua: das reformas, das inquietações e dos desafios. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012. p. 283-304.

SOUZA, A. L. S. letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hip hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 6 ed. São Paulo: Cortez, 1994.

VALERO SANCHO, J. L. La comunicación de contenidos en la infografía digital. In: Estudios sobre El Mensaje Periodístico, v. 16. 2010. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/ESMP/article/view/ESMP1010110469A. Acesso em: 05 mai. 2020.

VIDEIRA, P. L. Marabaixo, dança afrodescendente: Significando a identidade étnica do negro amapaense. Fortaleza: UFC, 2009.

Publicado

03-08-2020

Como Citar

GOMES, R. .; NOGUEIRA, H. B. . Educação linguística crítica e a produção digital de infográficos por alunos do ensino médio técnico com temáticas contra homofobia. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 13, n. 2, p. 32–55, 2020. DOI: 10.35699/1983-3652.2020.24441. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/24441. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia