Jogos digitais e acentuação gráfica

conexões possíveis entre aprendizagem e ludicidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3652.2021.35333

Palavras-chave:

Jogos digitais, Ensino-aprendizagem, Ludicidade, Acentuação gráfica

Resumo

Embora os jogos digitais sejam vistos de forma pejorativa por pais e professores (LEFFA et al., 2012), eles são objetos de ensino-aprendizagem que podem beneficiar a leitura e a escrita (RIBEIRO, A. L., 2016). No que se refere à acentuação, não é raro escutar colocações, por parte de alguns docentes, sobre a ausência e/ou o uso errado de acento gráfico nos textos formais escritos pelos alunos (COUTO; GUIMARÃES, 2020). Nesse contexto, este estudo articula a acentuação gráfica – que se apresenta como um conteúdo de difícil ensino – e os jogos – ferramentas capazes de contribuir para uma prazerosa aprendizagem. Assim, o objetivo foi analisar jogos digitais voltados à aprendizagem da acentuação gráfica, de modo a discutir as conexões possíveis entre aprendizagem e ludicidade inerentes (ou não) a eles. Este trabalho pauta-se nas teorizações sobre os jogos digitais (LEFFA et al., 2012; RIBEIRO, F. R., 2013; RIBEIRO, A. L., 2016) e o ensino-aprendizagem da acentuação gráfica (MARRA, 2012; COUTO; GUIMARÃES, 2020; CRISTÓFARO-SILVA; ALMEIDA; MARRA, 2020). Metodologicamente, trata-se de uma investigação descritivo-interpretativista de abordagem qualitativa (PAIVA, 2019). Os resultados evidenciaram que os jogos analisados foram construídos sob a égide do ensino mecânico e descontextualizado da escrita, com foco na memorização, e propiciam uma aprendizagem tímida com ludicidade mínima ou nula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Castro, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Graduado em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa) pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto e doutorando em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Também é integrante do grupo de pesquisa MULTDICS - Multiletramentos e usos de tecnologias digitais de informação e comunicação na Educação - e professor de Língua Portuguesa na Educação Básica, mas também já ministrou aulas na Educação de Jovens e Adultos (EJA), na Educação Profissional (PRONATEC) e no Ensino Superior (UFOP/UFMG).

Referências

ANTUNES, Irandé. Gramática contextualizada: limpando ”o pó das ideias simples. 1ª ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara Frateschi. 13ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. [S.l.: s.n.], 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 jun. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. [S.l.: s.n.], 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 jun. 2021.

BRASIL. Decreto nº 6.583. [S.l.: s.n.], 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6583.htm. Acesso em: 20 mai. 2021.

CÂMARA, Joaquim Mattoso. Estrutura da língua Portuguesa. 36ª ed. Petrópolis: Vozes, 1970.

CANTONI, Maria Mendes. O acento no português brasileiro: uma abordagem experimental. 2013. Doutorado em Estudos Linguísticos – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

CASTELO, Adelina; SOUSA, Otília. Desempenho ortográfico em estudantes do ensino superior: a acentuação gráfica. Invest, v. 7, n. 3, p. 84–107, 2017.

CHOMSKY, Noam. Knowledge of language: its nature, origin, and use. New York: Praeger, 1986. (Convergence).

COLLISCHONN, Gisela. O acento em português. In: BISOL, Leda (Ed.). Introdução aos estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p. 135–169.

COSCARELLI, Carla Viana. Abrindo a conversa. In: COSCARELLI, Carla Viana (Ed.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola Ediorial, 2016. p. 11–14.

COSCARELLI, Carla Viana. Projeto ALADIM: jogos digitais e novas interfaces para alfabetização. Revista Triângulo, v. 6, n. 2, p. 4–15, 2013. DOI: 10.18554/rt.v6i2.271.

COSTA VAL, Maria da Graça. Entre a oralidade e a escrita: o desenvolvimento da representação do discurso narrativo escrito em crianças em fase de alfabetização. 1996. Doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

COUTO, Ana Luiza de Souza. A ortografia nos livros didáticos do 6º e do 7º ano do Ensino Fundamental. 2020. Mestrado em Estudos Linguísticos – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

COUTO, Ana Luiza de Souza; GUIMARÃES, Daniela Mara Lima Oliveira. O acento gráfico no Ensino Fundamental II: reflexões sobre os textos dos alunos e práticas possíveis. Veredas – Revista de Estudos Linguísticos, v. 24, n. 3, p. 1982–2243, 2020.

CRISTÓFARO-SILVA, Thaïs; ALMEIDA, Leonardo da Silva; MARRA, Amarildo. Fonologia, acentuação gráfica e ensino. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 24, n. 3, p. 430–449, 2020.

CRISTÓFARO-SILVA, Thaïs; GUIMARÃES, Daniela Oliveira; CANTONI, Maria Mendes. Dicionário de fonética e fonologia. 1ª ed. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

FERREIRA NETO, Waldemar. O acento na língua portuguesa. In: ARAUJO, Gabriel Antunes (Ed.). O acento em português: abordagens fonológicas. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. p. 21–36.

GEE, James Paul. Bons video games e boa aprendizagem. Perspectiva, v. 27, n. 1, p. 167–178, jan. 2009. DOI: 10.5007/2175-795X.2009v27n1p167. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2009v27n1p167. Acesso em: 18 fev. 2021.

GEE, James Paul. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2004.

JONES, Gerard. Brincando de matar monstros: por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

LEFFA, Vilson J. et al. Quando jogar é aprender: o videogame na sala de aula. Revista de Estudos da Linguagem, v. 20, n. 1, p. 209–230, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/2579. Acesso em: 22 mar. 2021.

LUDESCHER, F. How to teach grammar. Viktorsberg: International Modul, 2006.

LUFT, Celso Pedro. Grande Manual de Ortografia. São Paulo: Globo, 2013.

MARRA, Amarildo. Acentuação gráfica no português brasileiro: desafios para a escrita infantil. 2012. Mestrado em Estudos Linguísticos – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

NEY, Luanda Alvariza Gomes; MIRANDA, Ana Ruth Moresco. Um estudo sobre o acento gráfico na aquisição da escrita: ortografia e fonologia. Ilha do Desterro, v. 72, n. 3, p. 223–248, out. 2019. DOI: 10.5007/2175-8026.2019v72n3p223. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/view/2175-8026.2019v72n3p223. Acesso em: 1 jun. 2021.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Manual de pesquisa em estudos linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

RIBEIRO, Ana Elisa. Educação e tecnologias digitais: ciclos da precariedade diante da pandemia. Online: [s.n.], 2020. Disponível em: https://aovivo.abralin.org/lives/ana-elisa-ribeiro/. Acesso em: 11 ago. 2021.

RIBEIRO, Ana Elisa. Navegar lendo, ler navegando: aspectos do letramento digital e da leitura de jornais. 2008. Doutorado em Estudos Linguísticos – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

RIBEIRO, Ana Elisa; COSCARELLI, Carla Viana. Letramento digital. In: FRADE, Isabel Cristina; COSTA VAL, Maria de Graça; BREGUNCI, Maria das Graças de Castro (Ed.). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. Disponível em: http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/letramento-digital. Acesso em: 23 mar. 2021.

RIBEIRO, Andréa Lourdes. Aquisição da escrita na era virtual: incorporando os jogos digitais online. Domínios de Lingu@gem, v. 6, n. 2, p. 111–127, dez. 2012. DOI: 10.14393/DL13-v6n2a2012-7.

RIBEIRO, Andréa Lourdes. Jogos online no ensino-aprendizagem da leitura e da escrita. In: COSCARELLI, Carla Viana (Ed.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola, 2016. p. 159–174.

RIBEIRO, Andréa Lourdes; COSCARELLI, Carla Viana. Jogos online para alfabetização: o que a internet oferece hoje. In: ANAIS do III Encontro Nacional sobre Hipertexto. Belo Horizonte: [s.n.], 2009. Disponível em: http://nehte.com.br/hipertexto2009/anais/g-l/jogos-online.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

RIBEIRO, Fernanda Rodrigues. Jogos educacionais digitais para ensino de língua portuguesa: uma proposta de avaliação didático-pedagógica e ergonômica. 2013. Mestrado em Linguística Aplicada – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática normativa da língua Portuguesa: edição revista segundo o novo Acordo Ortográfico. 49ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

SARTORI, Adriane Teresinha; MENDES, Lucíola Zacarias; COSTA, Bárbara Rosário. Ensino aprendizagem de língua portuguesa: a questão da ortografia no ensino médio. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 12, p. 120–139, 2015.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. 27ª ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SCHUYTEMA, Paul. Design de games uma abordagem prática. Tradução: Cláudia Mello Belhassof. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. 1ª ed. São Paulo: Editora Contexto, 2018.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, p. 5–17, abr. 2004. DOI: 10.1590/S1413-24782004000100002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782004000100002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 1 jun. 2021.

TREIMAN, Rebecca; KESSLER, Brett. How children learn to write words. New York: Oxford University Press, 2014.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Como Citar

COUTO, A. L. de S. .; SILVEIRA, L. P. .; CASTRO, M. de. Jogos digitais e acentuação gráfica: conexões possíveis entre aprendizagem e ludicidade. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte-MG, v. 14, n. 3, p. e35333, 2021. DOI: 10.35699/1983-3652.2021.35333. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/35333. Acesso em: 27 out. 2021.