Tecnologias digitais para aprender e ensinar inglês no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3652.2022.38008

Palavras-chave:

Ferramentas digitais, Ensino de inglês, Aprendizagem de inglês

Resumo

Em uma sociedade pós-industrial marcada pela ascensão das tecnologias da informação e comunicação e pela arquitetura em rede, investigações sobre os usos de recursos tecnológicos para ensinar e aprender línguas tornam-se cada vez mais importantes para conhecermos o estado de difusão dessas inovações. Este estudo em forma de survey on-line buscou investigar quais eram as ferramentas digitais mais utilizadas por aprendizes e professores de inglês no Brasil. A investigação ocorreu em 2018 e 2019, antes da pandemia da Covid-19 (SARS-CoV-2), e contou com a participação de professores e estudantes de todas as regiões do Brasil. Os participantes responderam a um questionário divulgado em redes sociais e em eventos científicos da área de Letras. Os respondentes demonstraram identificar os diversos propiciamentos de recursos digitais para aprender e ensinar inglês.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, L. M. Desafios e restrições dos corpora paralelos alinhados online: Linguee, Reverso Context e MyMemory. In: 24º Congresso de Iniciação Científica da Unb e 15º do DF. [S.l.: s.n.], nov. 2018. Disponível em: https://conferencias.unb.br/index.php/iniciacaocientifica/24CICUNB15DF/paper/view/13407. Acesso em: 24 fev. 2022.

ANITA BAPTISTA, E. et al. A circulação da (des)informação política no WhatsApp e no Facebook. Lumina, v. 13, n. 3, p. 29–46, dez. 2019. Disponível em: https://livrepository.liverpool.ac.uk/3069393. Acesso em: 24 fev. 2022.

AŞIK, A. et al. ICT integration in English language teacher education: insights from Turkey, Portugal and Poland. Computer Assisted Language Learning, v. 33, n. 7, p. 708–731, set. 2020. DOI: 10.1080/09588221.2019.1588744. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/09588221.2019.1588744. Acesso em: 24 fev. 2022.

BOECHAT, G. R. O ensino de Inglês e o WhatsApp: propiciamentos além dos muros escolares. 2019. Mestrado em Estudos Linguísticos – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. O aplicativo Kahoot na educação: verificando os conhecimentos dos alunos em tempo real. In: GOMES, M. J.; OSÓRIO, A. J.; VALENTE, L. (Org.). Challenges. 2017: Aprender nas Nuvens, Learning in the Clouds. Portugal: Universidade do Minho, 2017. p. 1587–1602. Disponível em: http://fatecead.com.br/ma/artigo01.pdf. Acesso em: 24 fev. 2022.

BRAGA, J. de C. F.; GOMES JUNIOR, R. C.; MARTINS, A. C. S. Aprendizagem móvel no contexto de formação continuada: um estudo sobre affordances emergentes de interações de professores de inglês via WhatsApp. Polifonia, v. 24, n. 35/1, p. 50–72, dez. 2017. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/6033. Acesso em: 24 fev. 2022.

BRAGA, J. de C. F.; JUNIOR, R. C. G.; RACILAN, M. Reflexões sobre ensino e aprendizagem de línguas na formação de professores via dispositivos móveis. Hipertextus - Revista Digital, v. 16, n. 1, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/hipertextus/article/view/247920. Acesso em: 24 fev. 2022.

BRAGA, J. de C. F.; MARTINS, A. C. S.; RACILAN, M. The elephant in the (class)room: Emergency Remote Teaching in an ecological perspective. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 21, n. 4, p. 1071–1101, dez. 2021. DOI: 10.1590/1984-6398202117890. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982021000401071&tlng=en. Acesso em: 24 fev. 2022.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas tecnologias. [S.l.]: Ministério da Educação, 2000.

BRITISH COUNCIL. O ensino de inglês na educação pública brasileira: elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisas Plano CDE. São Paulo, SP: British Council Brasil, 2015. Disponível em: https://www.britishcouncil.org.br/sites/default/files/estudo_oensinodoinglesnaeducacaopublicabrasileira.pdf. Acesso em: 24 fev. 2022.

CAETANO, S. V. N.; FALKEMBACH, G. A. M. YOU TUBE: uma opção para uso do vídeo na EAD. RENOTE, v. 5, n. 1, jul. 2007. DOI: 10.22456/1679-1916.14149. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14149. Acesso em: 24 fev. 2022.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro comum europeu de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Edições Asa, 2001. Disponível em: http://area.dge.mec.pt/gramatica/Quadro_Europeu_total.pdf. Acesso em: 24 fev. 2022.

GARTNER, S. Por que escrever colaborativamente na aula de inglês usando a tecnologia do google docs? In: OLIVEIRA, S. B.; SÓL, V. dos S. A. (Org.). Multiletramentos no ensino de inglês: experiências da escola regular contemporânea. Ouro Preto: Instituto Federal de Minas Gerais, 2016. p. 181–208.

GEDDES, M.; STURTRIDGE, G. (Ed.). Video in the language classroom. London: Heinemann Educational Books, 1982.

GRESPAN, T. M. Escrita acadêmica e o ensino do léxico: o problema de inadequação vocabular. Revista Linguagem em Foco, v. 9, n. 2, p. 137–146, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1584. Acesso em: 24 fev. 2022.

HART, J. EDU100: Top 100 Tools for Higher Education 2019. [S.l.: s.n.], 2019. Disponível em: https://www.toptools4learning.com/. Acesso em: 24 fev. 2022.

HONORATO, A. A. Duolingo no ensino-aprendizagem de inglês com foco no vocabulário: potencialidades e limitações. 2018. Mestrado em Ensino e Processos Formativos – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/155983/honorato_aa_me_sjrp.pdf?sequence=3. Acesso em: 24 fev. 2022.

MARQUES-SCHÄFER, G.; ORLANDO, A. A. da S. Concepções de aprendizagem de línguas e o Duolingo: uma análise crítica sobre sua proposta e experiências de aprendizes. Texto Livre, v. 11, n. 3, p. 228–251, dez. 2018. DOI: 10.17851/1983-3652.11.3.228-251. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16820. Acesso em: 24 fev. 2022.

MCGILL, D. G. Ten task-based ESL/EFL video lessons. The Internet TESL Journal, v. 16, n. 1, 2010. Disponível em: http://iteslj.org/Lessons/McGill-VideoActivities.html. Acesso em: 24 fev. 2022.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de novas tecnologias. In: MORAN, J. M.; BEHRENS, M.; MASETTO, M. A. (Org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2013.

PAIVA, V. L. M. de O. e. Aplicativos móveis para aprendizagem de língua inglesa. Polifonia, v. 24, n. 35/1, p. 10–31, dez. 2017. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/6025. Acesso em: 24 fev. 2022.

PEREIRA, K. da C.; COGO, A. L. P.; SILVA, A. P. S. S. da. Análise crítica dos vídeos sobre punção venosa periférica com cateter disponibilizados no YouTube. REME: Revista Mineira de Enfermagem, v. 20, 20:e970, 2016. DOI: 10.5935/1415-2762.20160040. Disponível em: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/1415-2762.20160040. Acesso em: 24 fev. 2022.

PEREIRA, L. M de S. O dicionário na era digital: o uso de dicionários eletrônicos nas aulas de Língua Inglesa. Revista EDaPECI, v. 17, n. 03, p. 110–121, dez. 2017. DOI: 10.29276/redapeci.2017.17.037166.110-121. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/7166. Acesso em: 24 fev. 2022.

ROMIO, T.; CRISTINE MENDES PAIVA, S. Kahoot e GoConqr: uso de jogos educacionais para o ensino da matemática. Scientia cum Industria, v. 5, n. 2, p. 90–94, set. 2017. DOI: 10.18226/23185279.v5iss2p90. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/scientiacumindustria/article/view/5234/pdf. Acesso em: 24 fev. 2022.

SANTIAGO, M. E. V.; SANTOS, R. dos. Google Drive como ferramenta de produção de textos em aulas de inglês instrumental. Intercâmbio, v. 29, out. 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/20961. Acesso em: 24 fev. 2022.

SANTOS, V. R. F. Os jogos MMORPG como auxiliares no processo de aquisição de língua inglesa. 2011. Mestrado em Estudos Linguísticos – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

SILVA, M. T. Contribuições pedagógicas da rede social YouTube para o ensino e a aprendizagem de língua estrangeira. 2018. Mestrado em Estudos Linguísticos – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/LETR-B7BJ43. Acesso em: 24 fev. 2022.

SUE, V. M.; RITTER, L. A. Conducting online surveys. Los Angeles: Sage, 2007.

TEIXEIRA, A. G. D. Formação de professores via WhatsApp: diálogos de extensão e pesquisa. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, v. 7, n. 1, mar. 2018. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/anais_linguagem_tecnologia/article/view/15032. Acesso em: 24 fev. 2022.

WEISSHEIMER, J.; BRAGA, I. P. da S. Aplicativos digitais móveis nas aulas de inglês: efeitos da gamificação na aprendizagem e na motivação dos aprendizes. Hipertextus - Revista Digital, v. 16, n. 1, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/hipertextus/article/view/247930. Acesso em: 24 fev. 2022.

WHO. WHO Director-General’s opening remarks at the media briefing on COVID-19 - 11 March 2020. [S.l.: s.n.], 2020. Disponível em: https://www.who.int/director-general/speeches/detail/who-director-general-s-opening-remarks-at-the-media-briefing-on-covid-19---11-march-2020. Acesso em: 24 fev. 2022.

YOUTUBE. About YouTube. [S.l.: s.n.]. Disponível em: https://about.youtube/. Acesso em: 24 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-02-25

Como Citar

GOMES JUNIOR, R. C.; SILVA, L. de O.; PAIVA, V. L. M. de O. e. Tecnologias digitais para aprender e ensinar inglês no Brasil. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 15, p. e38008, 2022. DOI: 10.35699/1983-3652.2022.38008. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/38008. Acesso em: 4 out. 2022.