Desmunhecando e Empretecendo a Universidade

Escrevivências de Corpos Pretos, Afeminados e Sapatônicos

Autores

  • Mauricio Barbosa de Lima UFPR
  • Megg Rayara Gomes de Oliveira UFPR

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2023.41775

Palavras-chave:

Escrevivências, Corpo, Interseccionalidade, Gênero e raça

Resumo

Neste trabalho, aborda-se o movimentar sinuosamente a coluna e os quadris para tornar a universidade mais preta e afrescalhada, levantando-se a seguinte questão: o que podem os corpos pretos, bichas e sapatões ao se reunirem em torno de uma professora travesti e negra em aulas que interseccionam gênero e raça? O salto alto, como instrumento político, causa barulho em um ambiente higienizado e abre espaço para diferentes corporeidades ocuparem uma instituição pública de ensino superior. A escrevivência, criada pela escritora e pesquisadora Conceição Evaristo, surge neste trabalho de abordagem qualitativa como uma ferramenta metodológica intrínseca a uma perspectiva de pesquisa implicada, situada entre produção artística e científica dos seus participantes. Escrevivências de corpos que desmunhecam e empretecem a universidade, apontando para uma positividade ao criar áreas de pertencimento, compartilhamento e coletividade.

Biografia do Autor

Mauricio Barbosa de Lima, UFPR

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) pela Linha de Pesquisa Linguagem, Corpo e Estética na Educação. Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Licenciado em Teatro pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). É integrante do Mais Um Coletivo de Arte. Professor de Artes concursado pela prefeitura de João Pessoa - PB, lecionando aulas de teatro para crianças, jovens e adultos.

Megg Rayara Gomes de Oliveira, UFPR

Possui graduação em Licenciatura em Desenho e Especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas do Paraná; Especialização em História e Cultura Africana e Afro-brasileira, Educação e Ações Afirmativas no Brasil pela Universidade Tuiuti do Paraná ; mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná, doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professora adjunta no setor de educação e professora no Programa de Pós-graduação em educação na Universidade Federal do Paraná. Está coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da Universidade Federal do Paraná. Está coordenadora de Políticas Afirmativas na Superintendência de Inclusão, Políticas Afirmativas e Diversidade (SIPAD) da Universidade Federal do Paraná; Está coordenadora da Comissão de Políticas Afirmativas do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná; Está coordenadora dos Consórcios de NEABs da região sul. Discute os seguintes temas: Relações raciais, Arte Africana, Arte Afro-brasileira, gênero e diversidade sexual. Em junho de 2018 foi indicada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná para representar o referido programa ao prêmio CAPES de melhor tese de 2017.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Mariléa de. Devir quilomba: antirracismo, afeto e política nas práticas de mulheres quilombolas. São Paulo: Elefante: 2022.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como fundamento do ser. Tese, Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

COSTA, Eduardo Antonio de Pontes; COIMBRA, Cecília Maria Bouças. Nem criadores, nem criaturas: Éramos todos devires na produção de diferentes saberes. Psicologia & Sociedade, 20 (1): 125-133, 2008.

COSTA, Eduardo Antonio de Pontes. A escrita em atos de pesquisa. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. (Org.) Escritas de si: escutas, cartas e formação inventiva de professores entre universidade e educação básica. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019. p. 107-116.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial realativos ao gênero. In: Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

DEMÉTRIO, Fran; BENSUSAN, Hilan Nissior. O conhecimento dos outros: a defesa dos direitos humanos epistêmicos. In: Revista do CEAM, Brasília, v.5, n.1, p.110–124, jan/jul. 2019. Disponível em: <https://zenodo.org/record/3338716#.Yz230HbMLIU> Acesso em: 04 de abril de 2022.

DIAS, Rosimeri de Oliveira; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. (Org.) Escritas de si: escutas, cartas e formação inventiva de professores entre universidade e educação básica. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019.

DIAS, Rosimeri de Oliveira. Modos de trabalhar uma formação inventiva de professores: escrita de si, arte, universidade e escola básica. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. (Org.) Escritas de si: escutas, cartas e formação inventiva de professores entre universidade e educação básica. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019. p. 13-36.

Evaristo, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: Alexandre, Marcos A. (Org.) Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007. p. 16-21.

FERREIRA, Aparecida de Jesus. Teoria racial crítica e letramento racial crítico: narrativas e contranarrativas de identidade racial de professores de línguas. In: Revista da ABPN, v. 6, n. 14; jul. - out. 2017. p. 236-263. Disponível em <https://smeduquedecaxias.rj.gov.br/smeportal/wp-content/uploads/2020/07/TEORIA-RACIAL-CR%C3%8DTICA-E-LETRAMENTO-RACIAL-CR%C3%8DTICO.pdf> Acesso em 15 de maio de 2022.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992. p. 129-160.

KASTRUP, Virgínia; GURGEL, Verônica. O papel da escrita na formação de professores e o problema da coemergência. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. (Org.) Escritas de si: escutas, cartas e formação inventiva de professores entre universidade e educação básica. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019. p. 60-71.

LIMA, Ari; CERQUEIRA, Felipe de Almeida. A identidade homossexual e negra em Alagoinhas. In: Bagoas, v. 1, n. 1, p. 269-286, jul./dez. 2007.

LIMA, Renata Morais; DIAS, Rosimeri de Oliveira. Cartas como método de pesquisa na formação do professor. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. (Org.) Escritas de si: escutas, cartas e formação inventiva de professores entre universidade e educação básica. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019. p. 86-96.

LOURAU, René. Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Rio de Janeiro: Universidade do Rio de Janeiro, 1993.

OLAZA, Monica. Uruguay legisla acciones afirmativas para afrodescendientes. In: Contra Relatos desde el Sur, 2015 (12). p. 117-131. Disponível em: <https://revistas.unc.edu.ar/index.php/contra-relatos/article/view/20532> Acesso em: 01 de agosto de 2022.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Salvador - BA: Editora Devires, 2020.

PINHO, Osmundo. Relações raciais e sexualidade. In: OSMUNDO, Pinho; SANSONE, Livio (Orgs.) Raça: novas perspectivas antropológicas. 2. ed. Salvador: EDUFBA, 2008, p. 257-284.

RATTS, Alex. Entre personas e grupos homossexuais negros e afro-lgttb. In: BARROS JÚNIOR, Francisco de Oliveira; LIMA, Solimar Oliveira (Orgs.) Homossexualidade sem fronteiras. Rio de Janeiro: Bookslinks/Teresina: Grupo Matizes, 2007.

RUFINO, Bianca. Zíngara. Editora Triluna: João Pessoa, 2021.

SOARES, Lissandra Vieira; MACHADO, Paula Sandrine. “Escrevivências” como ferramenta metodológica na produção de conhecimento. In: Psicologia Social. Psicologia Política, 17(39), 2017. p. 203-219.

Downloads

Publicado

2023-04-06 — Atualizado em 2023-04-06

Versões

Como Citar

LIMA, M. B. de; OLIVEIRA, M. R. G. de . Desmunhecando e Empretecendo a Universidade: Escrevivências de Corpos Pretos, Afeminados e Sapatônicos . PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 27, p. 173–195, 2023. DOI: 10.35699/2237-5864.2023.41775. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/41775. Acesso em: 1 mar. 2024.