Alegoria de terror

Ressignificando Trilogia de terror (1968)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.35730

Palavras-chave:

Cinema brasileiro, Cinema fantástico, Alegoria

Resumo

O presente artigo propõe uma análise fílmica de Trilogia de terror, antologia nacional de episódios de horror lançada em 1968. A obra traz três histórias independentes ligadas ao universo do cinema fantástico e dirigidas por cineastas paulistas que começavam a receber grande atenção do público e da crítica: Ozualdo Candeias, Luis Sérgio Person e José Mojica Marins. Os dois primeiros optaram por usar elementos do gênero para criar alegorias que representassem a sociedade brasileira da época – em anos de Ditadura Militar e fortes mudanças comportamentais. O resultado é uma experiência cinematográfica bastante peculiar.

Biografia do Autor

Carlos Gerbase

Possui graduação em Comunicação Social / Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1980), doutorado em Comunicação Social pela PUCRS (2003) e pós-doutorado em Cinema pela Universidade Paris III - Sorbonne Nouvelle (2010). Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Escola de Comunicação, Artes e Design (FAMECOS / PUCRS) entre 2005 e 2021.

Referências

BARCINSKI, André; FINOTTI, Ivan. Maldito: A vida e o cinema de José Mojica Marins. São Paulo: Editora 34, 1998, 448 p.

BLANCO, Armindo. Filme o seu monstro e fature os bilhões. O Globo, Rio de Janeiro, 26 abr. 1968. Disponível em: <http://www.memoriacinebr.com.br/ pdfsNovos/9990350I00401.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2020

CAETANO, Daniel. “O Acordo”. Contracampo, 2006, Disponível em: <http://www.contracampo.com.br/25/oacordo.htm>. Acesso em: 10 set. 2010

CANDEIAS, Ozualdo Ribeiro. Entrevista com Candeias. [Entrevista concedida a] Filme Cultura, Rio de Janeiro, 20 jul. 1968, p. 23-27.

CÁNEPA, Laura Loguercio. O Saci e Procissão dos Mortos: Auto-referência fantástica no cinema paulista. Rumores, São Paulo, v. 1, n. 6, set. 2009. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/51165/55235>. Acesso em: 20 jan. 2020.

CARDENUTO, Reinaldo. “Trilogia de Terror”. Portal Brasileiro de Cinema, 2005. Disponível em: <http://www.portalbrasileirodecinema.com.br/mojica/filmes/03_06.php> Acesso em: 20 jan. 2020.

DE PAIVA, Salvyano Cavalcanti. De produtores e produções. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 22.980, 6 mar. 1968. Segundo Caderno, p. B3.

______. Cinema. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 23.018, 21 abr. 1968. Segundo Caderno, p. B3.

______. Crítica de “Trilogia de Terror” – Parte 1. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 23.019, 23 abr. 1968. Segundo Caderno, p. B3.

______. Crítica de “Trilogia de Terror” – Parte 2. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 23.020, 24 abr. 1968. Segundo Caderno, p. B3.

______. Crítica de “Trilogia de Terror” – Parte 3. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 23.021, 25 abr. 1968. Segundo Caderno, p. B3.

FONSECA, Carlos. Candeias – Na estrada do cinema. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 10, 20 jul. 1968, p. 20-27.

GARDNIER, Ruy. O que há para saber sobre Ozualdo Candeias? Contracampo, 2006. Disponível em: <http://www.contracampo.com.br/25/sabersobreozualdo.htm> Acesso em: 10 set. 2010.

INDICAÇÕES: CINEMA. Realidade, São Paulo, n. 27, jun. 1968, p. 23.

MENEZES, Carlos Lúcio. Parecer da Censura sobre “Trilogia de Terror”. Brasília, 9 abr. 1968. Disponível em: <http://www.memoriacinebr.com.br/pdfsNovos/9990350C00402.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2010.

MONTEIRO, José Carlos. “Trilogia de Terror”, Fantástico grau zero. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, ano 19, n. 5.555, 26 abr. 1968, p. 7.

N.H.S. Crítica de “Trilogia de Terror”. O Jornal, Rio de Janeiro, ano 48, n. 14.293, 4 mai. 1968. Segundo Caderno, p. 3.

RODRIGUES, Jaime. “A Margem”, um filme admirável. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 22.977, 2 mar. 1968. Segundo Caderno, p. B1.

SHARRETT, Christopher. The horror film as social allegory (and how it comes undone). In: BENSHOFF, Harry M. (org.), A companion to the horror film. West Sussex: Wiley-Blackwell, 2014, p. 56-72.

TELES, Ângela Aparecida. Uma estética da precariedade: Migrações e trocas interculturais no cinema de Ozualdo Candeias (1967-1992). Dossiê: História e Cultura Visual, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 161-181, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/his/a/WBbBky5jdn36Wq93NCdS85H/?lang=pt> Acesso em: 10 jan. 2010

TRILOGIA DE MORFEU. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano 67, n. 23.020, 25 abr. 1968. Segundo Caderno, p. B2.

XAVIER, Ismail. A alegoria histórica. In: RAMOS, Fernão Pessoa (org.), Teoria contemporânea do cinema – Volume 1. São Paulo: Senac, 2005, p. 339-379.

Downloads

Publicado

2022-04-28

Como Citar

GUERRA, F. do M. .; GERBASE, C. Alegoria de terror: Ressignificando Trilogia de terror (1968). PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 12, n. 24, p. 358–387, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.35730. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/35730. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática