Práticas educativas ambientais na formação de educadores das infâncias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/1983-3652.2021.25698

Palavras-chave:

Infâncias, Formação, Educadores, Linguagens, Bioecologia

Resumo

Com o foco na perspectiva sistêmica, a formação permanente dos educadores ambientais das infâncias pode apresentar uma relação multidisciplinar potente entre as linguagens e a educação das crianças. O objetivo do estudo é investigar as práticas educativas ambientais de educadores das infâncias e suas perspectivas a partir de experiências em múltiplos contextos e culturas. A pesquisa é qualitativa e tem como base teórica o entrelace de conceitos da Biologia do Conhecer e da Bioecologia do Desenvolvimento Humano. A metodologia adotada foi a Inserção Ecológica, por meio da qual o pesquisador se insere nos espaços formativos para desenhar as oficinas de comunicação e reflexão, que foram inspiradas na Comunicação Não Violenta. Para a análise da produção de informações, utilizamos a ferramenta Sobek. Os resultados evidenciam que as trajetórias educativas são mobilizadas pela possibilidade da conversa(ação). Dessa forma, a contribuição do olhar bioecológico e a proposta experiencial das práticas educativas ambientais influenciam na constituição dos educadores das infâncias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Lima Piske, Universidade Federal do Rio Grande

Doutoranda e Mestre em Educação Ambiental pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande- PPGEA/FURG. Pedagoga. Especialista em Educação Infantil pela Universidade Federal de Pelotas- UFPel. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior- CAPES. Colaboradora do Centro de Referência em Apoio às Famílias- CRAF/FURG. Integrante do Grupo de Estudos Ecoinfâncias: infâncias, ambientes e ludicidade. Colaboradora do UEADSL: Plataforma de Eventos do Grupo Texto Livre pela Faculdade de Letras da Universidade de Minas Gerais.

Narjara Mendes Garcia, Universidade Federal do Rio Grande

Licenciada em Pedagogia - Habilitação Educação Infantil. Mestre e Doutora em Educação Ambiental. Professora Adjunta no Instituto de Educação na Universidade Federal do Rio Grande. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq Ecoinfâncias. Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação da Infância - NEPE/ FURG. Coordenadora de Apoio Pedagógico na Secretaria de Educação a Distância - SEaD/ FURG.

Maria Angela Mattar Yunes, Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, RJ

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica São Paulo. Psicóloga. Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, RJCentro de Referência e Apoio às Famílias e Profissionais Sociais CRAPS/Unilasalle/Universo

Referências

ANDRADE, A.; MATTE, A.; SILVA, E.; PISKE, E.; CORADINI, F.; SILVEIRA, J.; MENDES, M.; OLIVEIRA, N.; BATISTA, P.; COSTA, P.; SOUTO, T. Editorial. Anais do Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre. Belo Horizonte, v. 2, n. 10, p. 1-11, 2019. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/view/16199. Acesso em: 14 mai. 2020.

BERSCH, A. A. S.; PISKE, E. L.; YUNES, M. A. M.; GARCIA, N. M.; SILVEIRA, S. B. A. B.; PIETRO, Â. T. Programa de formação de educadores sociais na promoção da resiliência profissional. Rio Grande: Ed. da FURG, 2019.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069 de 13 de julho de 1990. Porto Alegre: Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso: 02 out. 2020.

BROFENBRENNER, U. A Ecologia do Desenvolvimento Humano. Experimentos naturais e planejados. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento Humano: tornando os seres humanos mais humanos. Tradução de André de Carvalho-Barreto. Revisão técnica de Silvia Helena-Koller. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CARVALHO, A.; PEDROSA, M. I.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo: Cortez Editora, 2012.

COUTO, Z. F. S. Metadesign educacional: a autonomia compartilhada como cultura emergente da convivência digital. Tese de doutorado em Educação Ambiental, Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, FURG, 2015. Disponível em: https://argo.furg.br/?BDTD10732. Acesso em: 23 ago. 2020.

EPSTEIN. D. Uso do minerador de textos Sobek como ferramenta de apoio à compreensão textual. Tese de Doutorado não publicada, Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/178332. Acesso em: 27 ago. 2018.

GOMES, M. O. Formação de professores na educação infantil. 2. Ed. – São Paulo: Cortez, 2013.

MATTE, A. C. F.; PISKE, E. L. Guia prático e reflexivo do uso da internet pelo professor: evento didático. Coleção Nasnuv Cadernos Didáticos, nº 1. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020.

MATURANA, R. H. Emoções e linguagem na educação e na política. Humberto Maturana; tradução José Fernando Campos Fortes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

MATURANA, R. H.; VARELA, J. F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução de Humberto Mariotti e Lia Diskin. Ilustração de Carolina Vial, Eduardo Osorio, Francisco Olivares e Marcelo Maturana Montañez. 9. Ed. São Paulo: Palas Athena, 2011.

MATURANA, R. H.; YÁÑEZ, X. D. Habitar humano em seis ensaios de biologia cultural. Tradução de Edson Araújo Cabral. São Paulo: Palas Athena, 2009.

MARTÍN-QUINTANA, J. C.; MÁIQUEZ, M. L. C.; LÓPEZ, M. J. R.; BYME, S.; RUIZ, B. R.; SUÁREZ, G. R. Programas de Educación Parental. Psychosocial Intervention, v. 18, n. 2, p. 57-65, 2009. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1798/179814021004.pdf. Acesso: 02 out. 2020.

MISSIO, J.; ARPINI, D. M. O brincar na vivência de rua de crianças: retratos e narrativas a partir de Desenhos-Estórias. Sociedad e Infancias, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5209/SOCI.59347.

KOLLER, S. H.; MORAIS, N. A.; PALUDO, S. S. Inserção Ecológica: um método de estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.

PISKE, E. L.; GARCIA, N. M. Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre como contexto educador: o Sulear de Con-sciências. Anais do Congresso Nacional Universidade, EAD e Software Livre, Belo Horizonte, v. 1, n. 9, p. 1-5, (2018). Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/view/13838/1125611527. Acesso em: 05 out. 2020.

PISKE, E. L.; NEUWALD, M. C.; GARCIA, N. M. Sustentabilidade ambiental, a ética nas e com as relações humanas e as interações afetivas: tríade necessária às pesquisas em Educação Ambiental. Rev. Eletrônica mestr. Educ. Ambiental. Rio Grande, ed. Especial EDEA n. 1, p. 88-101, 2018. DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i1.8565.

PISKE, E. L.; YUNES, M. A. M.; BERSCH, A. A.; PIETRO, A. T. Práticas educativas nas instituições de acolhimento sob o olhar das crianças. Revista de Educação Pública, v. 27, p. 905, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.29286/rep.v27i66.3364.

PISKE, E. L.; YUNES, M. A. M.; GARCIA, N. M. Ambientes educativos como contextos de desenvolvimento humano nas infâncias. Itinerarius Reflectionis, v. 15, n. 3, p. 01-22, 2019, DOI: https://doi.org/10.5216/rir.v15i3.58821.

ROSENBERG, M. B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Ágora, 2006.

SILVEIRA, S. B. A. B.; GARCIA, N. M.; PIETRO, A. T.; YUNES, M. A. M. Inserção Ecológica: metodologia para pesquisar risco e intervir com proteção. Psicol. Educ., São Paulo, n. 29, dez. 2009. Disponível em: www.pepsic.bvsalud.org. Acesso: 23 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2020-10-05

Como Citar

PISKE, E. L. .; GARCIA, N. M. .; YUNES, M. A. M. . Práticas educativas ambientais na formação de educadores das infâncias. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, [S. l.], v. 14, n. 1, 2020. DOI: 10.35699/1983-3652.2021.25698. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/25698. Acesso em: 28 nov. 2020.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia